alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Estudo revela que exercício pode ser aliado na luta contra a depressão em mulheres

    Esse novo estudo deu atenção especial às substâncias conhecidas como endocanabinóides.

    Placeholder - loading - news single img
    Mulher se exercitando (Foto: Pixabay)

    2591

    Publicada em  

    Um novo estudo revelou que uma única sessão de exercícios pode ajudar a combater a depressão ao longo do tempo em mulheres. Uma descoberta curiosa dos pesquisadores foi que os efeitos benéficos da atividade física dependem se ela é feita no ritmo da própria pessoa ou se ela é treinada por outra.

    Uma grande quantidade de pesquisas recentes já revelou que o exercício estimula o humor e é um aliado na luta contra a doença. Em algumas experiências, o exercício regular reduziu os sintomas da depressão de forma tão eficaz quanto os medicamentos antidepressivos.

    Muitos cientistas especulam que o exercício provoca a liberação de várias proteínas e outras substâncias bioquímicas em todo o corpo. Essas substâncias podem entrar na corrente sanguínea, viajar para o cérebro e, provavelmente, impulsionar processos neurais que afetam a maneira como nos sentimos emocionalmente. Mas não ficou claro qual das muitas substâncias liberadas durante o exercício é mais importante para a saúde mental e quais tipos de exercícios estimulam o maior fluxo nesses compostos bioquímicos.

    Essas perguntas abertas levaram Jacob Meyer, professor assistente de cinesiologia da Universidade Estadual de Iowa, em Ames, a começar a considerar os endocanabinóides.

    Como o nome indica, os endocanabinóides são substâncias psicoativas produzidas pelo próprio corpo, semelhantes aos compostos psicoativos da maconha. Criado em muitos dos tecidos de nosso corpo o tempo todo, eles se ligam a receptores especializados em nossos cérebros e sistemas nervosos e ajudam a aumentar a calma e melhorar o humor, entre outros efeitos.

    Problemas com o sistema endocanabinoide estão relacionados a algumas preocupações com a saúde mental. Pessoas com diagnósticos de depressão frequentemente têm níveis relativamente baixos dessa substância no sangue. Testes com camundongos também indicaram essa tendência.

    Para saber mais, o Dr. Meyer voltou-se para amostras de sangue armazenadas e outros registros de um experimento anterior envolvendo mulheres com depressão que executaram uma série de exercícios em bicicletas estacionárias.

    Cada um dos exercícios durou 20 minutos, mas suas intensidades variaram. Durante a maior parte das sessões, as mulheres foram orientadas sobre como pedalar, com seus esforços monitorados e ajustados para que mantivessem esse nível.

    Antes de cada sessão, as mulheres tiravam uma amostra de sangue e preenchiam questionários sobre seus estados emocionais. Imediatamente depois, tiraram novamente o sangue e, 10 minutos e 30 minutos depois, repetiram os questionários.

    Em estudos anteriores, usando dados deste experimento, o Dr. Meyer relatou que qualquer exercício, quer sua intensidade fosse leve ou difícil, deixava os praticantes se sentindo mais alegres. No entanto, os impactos positivos tenderam a ser mais maiores quando as mulheres seguiram as instruções sobre o quão intensamente se exercitarem em comparação com quando elas definiam seu próprio ritmo.

    Agora, para o novo estudo, recentemente publicado online na revista Medicine & Science in Sports & Exercise, o Dr. Meyer se propôs a ver se quaisquer mudanças nos níveis de endocanabinoides das mulheres após as diferentes sessões poderiam ter influenciado essa dinâmica.

    Após os dois treinos, mais intensos comandados por outra pessoa, ou mais leves seguindo o ritmo da própria paciente, elas relataram sentir-se menos deprimidas e preocupadas. Mas somente quando eles seguiram as instruções para pedalar seu sangue mostrou aumento nos endocanabinóides. Quando eles se exercitaram em seu próprio ritmo, mesmo que moderado, os níveis de endocanabinóide permaneceram inalterados.

    O que esses resultados sugerem, diz o Dr. Meyer, é que ser treinado e supervisionado leva a impactos diferentes em nossos corpos e mentes do que trabalhar em nosso próprio ritmo, qualquer que seja ele.

    Por que o exercício prescrito deveria ter aumentado os endocanabinóides, embora o exercício físico ainda não seja misterioso, diz ele. Pode ser que os nossos cérebros reconheçam quando a intensidade de um treino não é uma que escolheríamos voluntariamente e que estimulamos a liberação de substâncias que tornam o esforço mais tolerável. Essa ideia requer pesquisa adicional, diz ele.

    Este estudo incluiu homens com depressão ou os impactos a longo prazo do exercício. A curto prazo, no entanto, os dois tipos de exercício tornaram as mulheres um pouco mais felizes.

    Acima de tudo, o estudo ressalta que nossas respostas ao exercício podem ser complicadas, entrelaçando o fisiológico e o psicológico, diz Meyer, mas qualquer exercício é melhor para a saúde mental do que nenhum.

    Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

    1. Home
    2. noticias
    3. estudo revela que exercicio …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.