Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1

NOTÍCIAS SOBRE atividade física

Veja essas e outras notícias da Antena 1

Placeholder - loading - Imagem da notícia Exercício diminui depressão em mulheres

Exercício diminui depressão em mulheres

Um novo estudo revelou que uma única sessão de exercícios pode ajudar a combater a depressão ao longo do tempo em mulheres. Uma descoberta curiosa dos pesquisadores foi que os efeitos benéficos da atividade física dependem se ela é feita no ritmo da própria pessoa ou se ela é treinada por outra. Uma grande quantidade de pesquisas recentes já revelou que o exercício estimula o humor e é um aliado na luta contra a doença. Em algumas experiências, o exercício regular reduziu os sintomas da depressão de forma tão eficaz quanto os medicamentos antidepressivos.Muitos cientistas especulam que o exercício provoca a liberação de várias proteínas e outras substâncias bioquímicas em todo o corpo. Essas substâncias podem entrar na corrente sanguínea, viajar para o cérebro e, provavelmente, impulsionar processos neurais que afetam a maneira como nos sentimos emocionalmente. Mas não ficou claro qual das muitas substâncias liberadas durante o exercício é mais importante para a saúde mental e quais tipos de exercícios estimulam o maior fluxo nesses compostos bioquímicos.Essas perguntas abertas levaram Jacob Meyer, professor assistente de cinesiologia da Universidade Estadual de Iowa, em Ames, a começar a considerar os endocanabinóides.Como o nome indica, os endocanabinóides são substâncias psicoativas produzidas pelo próprio corpo, semelhantes aos compostos psicoativos da maconha. Criado em muitos dos tecidos de nosso corpo o tempo todo, eles se ligam a receptores especializados em nossos cérebros e sistemas nervosos e ajudam a aumentar a calma e melhorar o humor, entre outros efeitos.Problemas com o sistema endocanabinoide estão relacionados a algumas preocupações com a saúde mental. Pessoas com diagnósticos de depressão frequentemente têm níveis relativamente baixos dessa substância no sangue. Testes com camundongos também indicaram essa tendência. Para saber mais, o Dr. Meyer voltou-se para amostras de sangue armazenadas e outros registros de um experimento anterior envolvendo mulheres com depressão que executaram uma série de exercícios em bicicletas estacionárias.Cada um dos exercícios durou 20 minutos, mas suas intensidades variaram. Durante a maior parte das sessões, as mulheres foram orientadas sobre como pedalar, com seus esforços monitorados e ajustados para que mantivessem esse nível. Antes de cada sessão, as mulheres tiravam uma amostra de sangue e preenchiam questionários sobre seus estados emocionais. Imediatamente depois, tiraram novamente o sangue e, 10 minutos e 30 minutos depois, repetiram os questionários.Em estudos anteriores, usando dados deste experimento, o Dr. Meyer relatou que qualquer exercício, quer sua intensidade fosse leve ou difícil, deixava os praticantes se sentindo mais alegres. No entanto, os impactos positivos tenderam a ser mais maiores quando as mulheres seguiram as instruções sobre o quão intensamente se exercitarem em comparação com quando elas definiam seu próprio ritmo.Agora, para o novo estudo, recentemente publicado online na revista Medicine & Science in Sports & Exercise, o Dr. Meyer se propôs a ver se quaisquer mudanças nos níveis de endocanabinoides das mulheres após as diferentes sessões poderiam ter influenciado essa dinâmica. Após os dois treinos, mais intensos comandados por outra pessoa, ou mais leves seguindo o ritmo da própria paciente, elas relataram sentir-se menos deprimidas e preocupadas. Mas somente quando eles seguiram as instruções para pedalar seu sangue mostrou aumento nos endocanabinóides. Quando eles se exercitaram em seu próprio ritmo, mesmo que moderado, os níveis de endocanabinóide permaneceram inalterados.O que esses resultados sugerem, diz o Dr. Meyer, é que ser treinado e supervisionado leva a impactos diferentes em nossos corpos e mentes do que trabalhar em nosso próprio ritmo, qualquer que seja ele.Por que o exercício prescrito deveria ter aumentado os endocanabinóides, embora o exercício físico ainda não seja misterioso, diz ele. Pode ser que os nossos cérebros reconheçam quando a intensidade de um treino não é uma que escolheríamos voluntariamente e que estimulamos a liberação de substâncias que tornam o esforço mais tolerável. Essa ideia requer pesquisa adicional, diz ele.Este estudo incluiu homens com depressão ou os impactos a longo prazo do exercício. A curto prazo, no entanto, os dois tipos de exercício tornaram as mulheres um pouco mais felizes.Acima de tudo, o estudo ressalta que nossas respostas ao exercício podem ser complicadas, entrelaçando o fisiológico e o psicológico, diz Meyer, mas qualquer exercício é melhor para a saúde mental do que nenhum.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

4 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Atividade física diminui risco de depressão

Atividade física diminui risco de depressão

Segundo um estudo recente, pessoas fisicamente ativas têm menos riscos de desenvolver depressão. E esse benefício pode ser alcançado mesmo para aqueles que se exercitam pouco: 15 minutos por dia já são o suficiente. “Agora, quando meus pacientes chegam e dizem: ‘Estou começando a me sentir um pouco deprimido e não me sinto o mesmo’, minha primeira prescrição é ‘saia e vá fazer alguma coisa'”, comentou David Agus, principal autor do estudo, ao programa americano CBS This Morning. Segundo o médico psiquiatra, a atividade física pode complementar o tratamento até mesmo daqueles já diagnosticados com a doença.Para realizar a pesquisa, a equipe do Hospital Geral de Massachusetts, nos Estados Unidos, dividiu os participantes em dois grupos: o primeiro teve os exercícios físicos diários acompanhados por um equipamento; o segundo grupo precisou apenas responder questionários relatando os níveis de atividade realizada em cada dia.No fim, os especialistas descobriram que as pessoas que se exercitavam mais têm menos risco de desenvolver a depressão. Mas essa proteção só foi encontrada no grupo monitorado diariamente pelo acelerômetro, o que indica que aquelas que apenas relataram podem não ter se exercitado com tanta frequência quanto afirmaram no questionário. Agora, a equipe espera que os novos achados possam influenciar a forma como os profissionais de saúde tratam a depressão. Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

5 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia A importância de se hidratar

A importância de se hidratar

Não pule a bebida durante o exercício em clima quente, lembra um novo estudo. Este conselho pode parecer óbvio, mas aparentemente alguns atletas, especialmente em esportes de equipe, começaram a evitar fluidos durante os treinos na esperança de que a privação pudesse de alguma forma torná-los mais fortes. Mas o novo estudo descobriu que este hábito pode trazer estresse físico.Quando a temperatura ambiente é alta, geramos calor interno mais rapidamente do que se o tempo estiver frio. Para remover esse calor e manter a temperatura corporal segura, nossos corações bombeiam o sangue quente para a superfície da pele, quando suamos, perdendo calor por evaporação.E essas reações se tornam mais intensas com um processo conhecido como aclimatação ao calor, que pode exigir várias semanas de exercícios abafados, quando começamos a suar mais cedo e em maior volume. Essa e outras mudanças ajudam nossos corações a trabalhar menos, de modo que, em geral, o esforço de ser fisicamente ativo em altas temperaturas começa a parecer menos desgastante. Alguns atletas nos últimos anos decidiram não beber líquidos durante o exercício no calor como forma de aumentar os esforços, uma vez que a desidratação leve é ??conhecida por ser difícil para o corpo. E eles tinham alguma evidência para respaldar esse plano. Pelo menos um estudo, de 2014, sugeriu que os atletas se adaptassem mais rapidamente ao calor se evitassem líquidos durante os primeiros dias de aclimatação. Mas Joseph Costello, um fisiologista do exercício da Universidade de Portsmouth, na Inglaterra, que há muito estuda os efeitos do calor e do frio em atletas, mostrou-se cético. Ele e seus colegas suspeitavam que a chamada "desidratação permissiva" seria estressante para os corpos dos atletas, e não vantajosa. No estudo, Costello e sua equipe descobriram que os níveis de cortisol, um hormônio que indica estresse fisiológico, aumentou apenas quando voluntários homens não se hidratavam. E não houve diferenças significativas na rapidez ou na intensidade com que os corpos dos homens se acostumaram a se exercitar no calor, quer se hidratassem com frequência ou não.Então, de fato, não beber durante os treinos quentes causou "mais estresse físico, mas nenhum benefício físico particular", como aclimatação mais rápida, diz Costello. O estresse extra também pode contribuir para aumentar os riscos de infecções como resfriados ou fadiga geral, diz ele. É claro que este estudo foi pequeno e envolveu apenas homens, todos jovens e em forma. "As mulheres e os idosos são termorregulados, ou controlam a temperatura do corpo, um pouco diferente dos homens jovens", diz Costello.Mas não há razão para pensar que alguém possa se beneficiar da desidratação durante os treinos, diz ele, que indica tomar água antes de se exercitar e também durante toda a atividade.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

6 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Exercícios fazem bem ao coração

Exercícios fazem bem ao coração

Uma série de estudos recentes envolvendo centenas de pessoas atestou: para a saúde do coração, comece a se exercitar cedo e continue praticando exercícios – de preferência quatro vezes por semana. Mesmo que durante a juventude você tenha negligenciado as atividades físicas, começar já na meia-idade não é tarde demais. As mesmas pesquisas mostram que você ainda pode remodelar substancialmente o seu coração e torná-lo mais jovem. A partir dos 50 anos de idade, partes do músculo cardíaco começam a se atrofiar e enfraquecer, e nossas principais artérias cardíacas endurecem. Essas mudanças aumentam a pressão arterial e fazem com que nossos corações trabalhem mais ou menos, aumentando o risco de problemas de saúde subsequentes, incluindo insuficiência cardíaca.Mas o Dr. Benjamin Levine, cardiologista e professor de medicina do Centro Médico da Universidade do Texas e diretor do Instituto de Exercício e Medicina Ambiental de Dallas, não estava convencido de que esses efeitos fossem inevitáveis.Ele e seus colegas de pesquisa se perguntaram se eles poderiam ser comuns apenas entre pessoas idosas que são sedentárias e não entre aquelas que são fisicamente ativas. Então o grupu embarcou em uma série de exames de pessoas e seus sistemas cardíacos.Entre os praticantes de exercícios, os pesquisadores descobriram que as artérias cardíacas principais eram relativamente flexíveis e, em termos funcionais, jovens e saudáveis, em comparação com os vasos de pessoas sedentárias.Para descobrir a possibilidade de reverter a situação de pessoas que foram sedentárias durante metade da vida, Levine e seus colegas fizeram com que um grupo de homens e mulheres de meia-idade, que não tinham o costume de se exercitar, começassem a praticar alguma atividade física quatro ou cinco vezes por semana.Os grupos seguiram essa rotina por dois anos. Ao fim do experimento, foi notável que os ventrículos esquerdos nos músculos do coração estavam mais fortes e menos rígidos do que dois anos atrás. Os corações dos voluntários, na verdade, eram mais jovens agora.Esses resultados sugerem que nossos corações podem “reter a plasticidade” profundamente na meia-idade, diz Levine, o que significa que eles ainda podem mudar de maneira desejável se nos exercitarmos.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

6 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Benefícios de exercícios físicos para crianças

Benefícios de exercícios físicos para crianças

Segundo estudo internacional, praticar atividade física na infância pode ser muito benéfico. Com isso, é possível ter a função pulmonar fortalecida na vida adulta e ficar menos suscetível a doenças respiratórias crônicas, isso inclui a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

Equipe liderada por especialista em respiração da Universidade da Nova Zelândia acompanhou mais de 2 mil pessoas por mais de duas décadas, desde crianças. Com isso, foram feitas as descobertas.

Houve dois grupos de estudo um na Dinamarca e outro na Nova Zelândia. Os pesquisadores avaliaram a aptidão física e a função pulmonar durante distintas fases da vida dos voluntários, assim, foi possível estudar quesitos voltados à saúde e ao bem-estar.

Aqueles que não eram sedentários apresentaram melhor função pulmonar e, quanto mais essa aptidão era aprimorada quando criança, maior se tornou a capacidade dos pulmões na fase adulta.


Ainda não se sabe ao certo o motivo dessa relação: da condição física com a função pulmonar. Uma explicação pertinente apontada pelo estudo é que pessoas aptas têm melhor força muscular respiratória e outras forças musculares.


Uma outra explicação é que a inspiração e a expiração forte e regular ao longo da realização de exercícios pode ajudar a reforçar os músculos respiratórios. A boa condição física, também, foi ligada ao baixo risco de asma e para doenças do coração.

A pesquisa ainda está em andamento. Mas, já evidenciou inúmeros benefícios de se praticar atividades físicas, podendo ser algo vantajoso para diversos aspectos da saúde, inclusive, para os pulmões.

6 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Frio auxilia na perda de peso

Frio auxilia na perda de peso

Seguir uma rotina de exercícios no inverno é tão importante quanto manter-se ativo durante os períodos mais quentes. O sedentarismo durante o frio pode significar prejuízos para a saúde e para a retomada dos bons hábitos – principalmente porque, também durante este período, uma alimentação mais desregrada é comum. Apesar do ambiente pouco convidativo, os especialistas dizem que essa pode ser a melhor época para treinar. Diante do frio, o corpo precisa de mais calorias para se aquecer, o que significa que o gasto de energia tende a aumentar. Como o exercício pode queimar mais calorias face às baixas temperaturas, outono e inverno são considerados por especialistas como as melhores épocas do ano para quem quer emagrecer.No entanto, isso não quer dizer que você deve sair por aí vestido com roupas de verão: é natural que, devido à menor temperatura ambiente, o corpo tenha esse gasto calórico maior, não é preciso forçá-lo.“As pessoas costumam se recolher no inverno, mas essa é a melhor época para a prática de exercícios: as temperaturas não chegam ao ponto de contribuir para a desidratação e, ainda, se gasta mais calorias com a atividade física”, aponta o profissional de educação física Lauro Aguiar.Mas antes convém sempre fazer uma avaliação física e entender que os resultados dependem do tipo, da frequência e da intensidade do exercício, além da manutenção de outros hábitos adequados.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

7 A

Fique por dentro

de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

  1. Home
  2. noticias
  3. tags
  4. atividade fisica

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.