Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Fiat, Renault e Toyota engrossam paradas de produção de veículos no Brasil

    Placeholder - loading - news single img
    Vista de um pátio de veículos, no momento em que montadoras anunciam paradas de produção em meio à epidemia do coronavírus. 18/3/2020. REUTERS/David W Cerny

    Publicada em  

    SÃO PAULO (Reuters) - Fiat Chrysler (FCA), Renault e Toyota engrossaram nesta sexta-feira anúncios de paralisação de produção de montadoras de veículos no Brasil a partir da próxima semana, sinalizando forte queda no PIB do segundo trimestre, uma vez que a indústria automotiva é responsável por cerca de 20% do produto industrial do país.

    Mais cedo nesta semana, General Motors e Mercedes-Benz também haviam anunciado paradas, concedendo férias coletivas a milhares de funcionários. Volkswagen e Volvo fizeram o mesmo com suas unidades industriais no Paraná.

    A indústria automotiva é responsável por 3% do PIB geral do país e por 18% do PIB industrial. O setor já iniciou contatos com o governo, reforçando o coro de outros segmentos da economia, por medidas que aliviem o impacto causado pela forte queda na demanda provocado pelo pânico em torno do coronavírus.

    Nesta sexta-feira, o presidente da General Motors na América do Sul, Carlos Zarlenga, disse em teleconferência com membros do governo federal, que incluiu o presidente Jair Bolsonaro e transmitida ao vivo pela TV pública, que a indústria de veículos 'será uma das mais impactadas pela crise'. Ele foi um entre vários empresários apresentando a situação para o governo.

    Defendendo medidas que ajudem a reduzir o impacto do coronavírus no setor, como garantia de liquidez e redução de custos trabalhistas, Zarlenga afirmou que 'Vamos precisar de muita flexibilidade laboral...a ideia é segurar o emprego o máximo possível.'

    O setor, que emprega cerca de 126 mil trabalhadores no Brasil, tem hoje estoque para 40 dias de vendas, mas com a interdição de uma série de estabelecimentos comerciais, incluindo concessionárias de veículos em várias regiões do país, este inventário passará a representar custo financeiro para o setor, informou a associação de montadoras Anfavea.

    A associação começou o ano com expectativa de crescimento do PIB de 2,5% em 2020 e com previsão de alta na produção de veículos de 7,3%, 'mas agora elas (estimativas) ficarão como documento histórico', comentou um porta-voz da entidade.

    Segundo a Anfavea, até meados desta semana as vendas de veículos novos neste ano estavam subindo em linha com a expectativa de alta de 9,4% em 2020, com licenciamentos de 542.120 unidades. Mas Zarlenga afirmou que as vendas agora 'estão caindo de forma repentina. Estamos operando quase 50% menos vendas em todos os Estados'.

    PARADAS

    A Fiat Chrysler afirmou que começa a parar em 24 de março, com paralisação total a partir de três dias depois. A empresa, que tem cerca de 10 mil funcionários no Brasil divididos em três fábricas (Betim-MG, Goiana-PE e Campo Largo-PR), espera retomar a produção em 21 de abril.

    Já a Renault vai suspender atividade no complexo industrial de São José dos Pinhais (PR), que abriga quatro fábricas, de 25 de março a 14 de abril, deixando cerca de 7.500 funcionários em férias coletivas. A Toyota, que emprega 6 mil trabalhadores no país, concentrados em São Paulo, para suas quatro fábricas em 24 de março e prevê reiniciar a produção em 6 de abril.

    Também na lista de anúncios de paralisações, a Volkswagen Ônibus e Caminhões, que emprega cerca de 4.500 funcionários em um complexo industrial em Resende (RJ), vai interromper atividade entre 30 de março e 20 de abril.

    E já de olho na futura queda na demanda dos clientes, a fabricante de pneus Pirelli decidiu suspender por tempo indeterminado a produção na América do Sul, paralisando fábrica na Argentina a partir desta sexta-feira e outras três no Brasil a partir da segunda-feira. A companhia emprega na região cerca de 8 mil pessoas, que entrarão em férias coletivas.

    A analista Stephanie Brinley, da empresa de pesquisa de mercado His Markit, afirmou esperar que a produção de veículos na América do Sul caia em cerca de 98 mil unidades entre março e abril. 'Tenho certeza que até segunda-feira esse número será revisado', disse ela. 'É uma situação muito volátil.'

    (Por Alberto Alerigi Jr., com reportagem adicional de Marcelo Rochabrun)

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. fiat renault e toyota …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.