Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Flávio Dino pede que STF autorize Estados a comprar vacinas da Covid-19 sem aprovação da Anvisa

    Placeholder - loading - news single img
    Enfermeira britânica segura dose de vacina Pfizer/BioNTech contra Covid-19 08/12/2020 Jacob King/Pool via REUTERS

    Publicada em  

    Por Eduardo Simões

    (Reuters) - O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), disse nesta terça-feira que o governo do Estado entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para que a corte autorize a compra de vacinas contra a Covid-19 sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), desde que os imunizantes tenham recebido o aval de órgão reguladores de outros países.

    'Ingressei ontem com ação judicial no Supremo. Objetivo é que Estados possam adquirir diretamente vacinas contra o coronavírus autorizadas por agências sanitárias dos Estados Unidos, União Europeia, Japão e China. Com isso, Estados poderão atuar, se governo federal não quiser', afirmou Dino em sua conta no Twitter.

    Na mesma rede social, o governador do Maranhão disse que a ação movida no STF se baseia em lei federal que, em seu texto, dá 'autorização excepcional e temporária para a importação e distribuição de quaisquer materiais, medicamentos, equipamentos e insumos da área de saúde sujeitos à vigilância sanitária sem registro na Anvisa considerados essenciais para auxiliar no combate à pandemia do coronavírus', desde que tenham sido aprovados por pelo menos uma das agências reguladores desses quatro países.

    A ação movida pelo Maranhão vem em um momento em que o governo do presidente Jair Bolsonaro resiste a incluir a CoronaVac, potencial vacina contra Covid-19 da chinesa Sinovac, no programa nacional de imunização, além de temores de interferência política de Bolsonaro na Anvisa para dificultar o processo de registro do imunizante.

    A candidata a vacina está sendo testada no Brasil pelo Instituto Butantan, do governo de São Paulo. Bolsonaro e o governador paulista, João Doria (PSDB), são desafetos políticos. Na segunda, Doria anunciou que a vacinação com a CoronaVac em São Paulo começará em 25 de janeiro.

    Ainda não existem dados sobre o grau de eficácia da CoronaVac nos testes clínicos em estágio avançado. O Butantan espera divulgar estes dados até o dia 15 deste mês. Como não há dados sobre a eficácia, tampouco existe pedido de registro da vacina junto à Anvisa.

    A CoronaVac obteve uma aprovação para uso emergencial na China como parte de um programa iniciado em julho no país para vacinar grupos de alto risco, como profissionais de saúde, contra a Covid-19.

    Escrito por Reuters

    Vulcão Nyiragongo: Crianças esperam reencontrar famílias

    Transcrito: 
    Centenas de milhares de pessoas fugiram após a erupção do vulcão Nyiragongo. Naomi perdeu de vista a família no meio do caos. Ela jamais esquecerá o momento em que o céu ficou vermelho.
     
    Naomi (criança deslocada): ”Disse à minha mãe: ’Olha, mãe, o vulcão entrou em erupção.’ Nós saímos e muitos estavam a fugir. Foi aí que nos perdemos uns dos outros. Eu estava apavorada. Estava a tremer. Não conseguia sequer correr para casa.”
     
    Muitas das 400 mil pessoas que fugiram vieram para a cidade de Sake. De acordo com a ONU, há quase mil crianças desaparecidas. Bahati Batitsie trabalha como voluntário para a Cruz Vermelha. Ate agora, ele e os colegas conseguiram encontrar as famílias de 700 crianças. Bahati tem 6 filhos e acolhe outras 3 crianças. São muitas bocas para alimentar.
     
    Bahati Batitsie Fidel (Voluntário da Cruz Vermelha): “Eu sacrifico o pouco que tenho, o que Deus me deu. É assim que alimento as crianças, mas é uma luta.”
     
    Muitas pessoas estão desesperadas. Bebem a água do lago que pode causar cólera. A equipe humanitária tenta oferecer o básico, como farinha.
     
    Bahati Batitsie Fidel (Voluntário da Cruz Vermelha): “As condições de vida são muito más. Não há comida nos mercados. Pessoalmente, não estou a ganhar nada, sou pobre.”
     
    Naomi acha que sabe onde podem estar os seus pais. Mas esse sítio fica longe e o transporte é caro.
     
    Naomi (criança deslocada): ”Depois de encontrar a minha mãe e o meu pai, gostaria de me mudar para cá, porque gosto de aqui estar."

    A brincar sobre a lava de uma antiga erupção. As crianças esperam rever as suas famílias em breve. 
    Veja também:

    4 H

    1. Home
    2. noticias
    3. flavio dino pede que stf …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.