alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASILANTENA 1

    Funcionários da Boeing ridicularizam 737 MAX e reguladores em mensagens internas

    Placeholder - loading - news single img
    Nova York, EUA. 07/08/2019. REUTERS/Brendan McDermid/Foto de arquivo

    Publicada em  

    Por David Shepardson

    WASHINGTON (Reuters) - A Boeing divulgou centenas de mensagens internas que continham comentários bastante críticos sobre o desenvolvimento do 737 MAX, incluindo um que dizia que o avião foi 'projetado por palhaços que, por sua vez, são supervisionados por macacos'.

    As mensagens, divulgadas nesta quinta-feira, mostram tentativas de evitar o escrutínio regulatório com funcionários menosprezando o avião, a empresa, a Administração Federal de Aviação norte-americana (FAA, na sigla em inglês) e reguladores estrangeiros de aviação.

    Em uma troca de mensagens instantâneas em 8 de fevereiro de 2018, quando o avião estava no ar e oito meses antes do primeiro de dois acidentes fatais, um funcionário pergunta a outro: 'Você colocaria sua família em uma aeronave treinada no simulador MAX? Eu não'. O segundo funcionário responde: 'Não'.

    O 737 MAX está suspenso desde março, depois de um voo da Ethiopian Airlines ter caído, apenas cinco meses após um acidente semelhante com a Lion Air. Os dois desastres mataram 346 pessoas.

    Em particular, algumas das comunicações revelam esforços da Boeing para evitar a necessidade de treinamento em simulador de pilotos - um processo caro e demorado - para o 737 MAX.

    A fabricante de aviões mudou apenas esta semana, dizendo que recomendaria aos pilotos o treinamento em simulador antes de retomar o voo do 737 MAX - uma grande mudança de sua posição de que o treinamento em computador era suficiente, pois o avião era semelhante ao seu antecessor, o 737 NG.

    O divulgação das mensagens, que destacam uma cultura agressiva de corte de custos e desrespeito à FAA, deve aprofundar a crise na Boeing, que está lutando para recuperar seu avião mais vendido e restaurar a confiança do público.

    A FAA disse, no entanto, que as mensagens não suscitam novas preocupações de segurança, embora 'o tom e o conteúdo de parte da linguagem nos documentos sejam decepcionantes'.

    A Boeing disse que as trocas de mensagens 'não refletem a empresa que somos e precisamos ser, e são completamente inaceitáveis'.

    PORTÕES DO PARAÍSO FECHADOS

    A divulgação, que a Boeing disse que era em prol da transparência com a FAA, provocou uma nova indignação por parte de parlamentares dos EUA e pressiona mais o novo presidente-executivo da fabricante de aviões, David Calhoun, a reformular a cultura da empresa quando assumir o comando na segunda-feira.

    O presidente do Comitê de Transporte da Câmara dos Deputados, Peter DeFazio, que está investigando o MAX, disse que as mensagens 'mostram uma imagem profundamente perturbadora das distâncias que a Boeing aparentemente estava disposta a percorrer para evitar o escrutínio dos reguladores, das tripulações de voo e do público, com seus próprios funcionários disparando alarmes internamente.'

    O senador Roger Wicker, que preside o Comitê de Comércio que lidera a investigação do Senado na Boeing, também disse que os documentos mais recentes 'levantam questões sobre a eficácia da supervisão do processo de certificação pela FAA'.

    O Departamento de Justiça dos EUA tem uma investigação criminal ativa em andamento sobre questões relacionadas ao avião 737 MAX.

    Algumas das mensagens apontaram problemas nos simuladores. A Boeing disse na quinta-feira que está confiante de que 'todos os simuladores MAX da Boeing estão funcionando efetivamente' após testes repetidos desde que as mensagens foram escritas.

    As mensagens, no entanto, mostram que a Boeing no passado estava fazendo todo o possível para pressionar os reguladores da aviação para evitar a necessidade das companhias aéreas de treinar pilotos em um simulador sobre as diferenças entre o 737 MAX e o 737 NG.

    'Quero enfatizar a importância de manter firme que não haverá nenhum tipo de treinamento em simulador necessário para fazer a transição do NG para o MAX', disse o piloto técnico chefe da Boeing 737 em um email de março de 2017.

    'A Boeing não permitirá que isso aconteça. Vamos ficar cara a cara com qualquer regulador que tentar fazer disso uma exigência.'

    Antes da suspensão, o treinamento de pilotos sobre as diferenças consistia em uma aula de uma hora em um iPad e pouco tempo no simulador, de acordo com o sindicato que representa os pilotos da American Airlines.

    Shukor Yusof, chefe da consultoria de aviação da Malásia Endau Analytics, disse que a Boeing deve receber crédito por divulgar as mensagens com discurso bastante crítico.

    'Inicialmente, o público que usa transporte aéreo terá compreensivelmente reservas, mas a aeronave - tendo sido ressuscitada completa e responsavelmente - provavelmente será um dos aviões mais seguros do mundo', afirmou.

    Em outros emails e mensagens instantâneas, os funcionários falaram de sua frustração com a cultura da empresa, reclamando da busca por fornecedores mais baratos e 'horários impossíveis'.

    'Não sei como consertar essas coisas ... é sistêmico. É cultura. É o fato de termos uma equipe de liderança sênior que entende muito pouco sobre os negócios e ainda está nos levando a determinados objetivos', disse um funcionário da empresa em um email datado de junho de 2018.

    E em uma mensagem de maio de 2018, um funcionário não identificado da Boeing disse: 'Eu ainda não fui perdoado por Deus por não ter revelado o que fiz no ano passado'.

    Sem referenciar o que foi encoberto, o funcionário acrescentou: 'Não é possível fazê-lo mais uma vez. Os portões do paraíso serão fechados...'

    (Reportagem adicional de Jamie Freed em Sydney, Tim Hepher em Paris, Chris Sanders em Washington e Tracy Rucinski em Chicago)

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. funcionarios da boeing …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.