Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Governadores avisam que não cumprirão decreto que pôs academias e salões de beleza entre atividades essenciais

    Placeholder - loading - news single img
    Presidente Jair Bolsonaro em Brasília 08/05/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino

    Publicada em  

    Por Lisandra Paraguassu

    BRASÍLIA (Reuters) - A inclusão de academias e salões de beleza entre atividades essenciais, feita na segunda-feira pelo presidente Jair Bolsonaro, gerou uma reação negativa entre os governadores, que não devem acatar a mudança nas regras.

    'Aqui no Maranhão nós sabemos que a terra é redonda e que precisamos cuidar do coronavírus com seriedade. Vai continuar a valer o decreto estadual', disse à Reuters o governador do Estado, Flávio Dino (PCdoB).

    Em sua conta no Twitter, o governador ainda ironizou: ''O próximo decreto de Bolsonaro vai determinar que passeio de jet ski é atividade essencial?', escreveu, referindo-se ao passeio do presidente no sábado, quando o país chegava aos 10 mil mortos pela Covid-19.

    O Maranhão foi o primeiro a iniciar um lockdown, a versão mais restrita do isolamento, na capital São Luís e na sua área metropolitana para tentar conter o avanço da epidemia. A capital maranhense já é a terceira cidade com mais casos e mais óbitos por 1 milhão de habitantes.

    Da mesma forma, o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB) rechaçou qualquer mudança. Seu Estado está com lockdown em Belém e outras nove cidades onde há mais casos.

    'Reafirmo que aqui no Pará essas atividades (academias e salões de beleza) permanecerão fechadas. A decisão é tomada com base no entendimento do STF', escreveu o governador em sua conta no Twitter.

    No Ceará, onde o sistema de saúde já está praticamente em colapso, o governador Camilo Santana (PT) foi na mesma linha: 'Informo que, apesar do presidente baixar decreto considerando salões de beleza, barbearias e academias de ginástica como serviços essenciais, esse ato em nada altera o atual decreto em vigor no Estado do Ceará, e devem permanecer fechados. Entendimento do Supremo Tribunal Federal', escreveu Santana. Fortaleza também está em lockdown.

    Os governadores de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), do Piauí, Wellington Dias (PT) e da Bahia, Rui Costa (PT), também foram às redes afirmar que não seguirão o decreto presidencial.

    Já o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), não comentou diretamente o tema, mas listou as atividades econômicas que poderão ficar abertas no Estado. Entre elas não estavam academias e salões de beleza. O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), também anunciou que não cumprirá o decreto.

    Os governadores se referem à decisão do plenário do STF que entendeu que cabe a Estados e municípios determinarem o que pode ou não abrir durante os períodos de isolamento social para conter o avanço da Covid-19, doença respiratória provocada pelo novo coronavírus e que já matou mais de 11 mil pessoas no Brasil.

    Incomodado, Bolsonaro critica constantemente essa decisão e, na semana passada, chegou a levar um grupo de empresários para uma reunião surpresa com o presidente do Supremo, Dias Toffoli, para que reclamassem das restrições impostas pelos governadores.

    Na manhã desta terça-feira, ao conversar com apoiadores em frente ao Alvorada, voltou a dizer que não tem responsabilidade sobre as restrições.

    'O Supremo deu poder para os governadores decidirem isso. Se fosse comigo seria diferente', afirmou.

    O decreto foi publicado na noite de segunda-feira e Bolsonaro afirmou que outros virão. O presidente tem usado o decreto de atividades essenciais para burlar as proibições regionais de funcionamento de comércio e serviços. Este é o terceiro que inclui mais atividades entre as essenciais.

    Na semana passada, na reunião com empresários, incluiu atividade industrial e construção civil. Antes, foram as igrejas e templos religiosos e lotéricas.

    Perguntado sobre o decreto, anunciado quando estava em uma entrevista, o ministro da Saúde, Nelson Teich, demonstrou que não sabia da decisão presidencial. Disse que ela não passava pelo Ministério da Saúde, mas que todas as decisões podem ser revistas.

    O decreto também pode enfrentar a resistência de parlamentares. O deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ) informou que irá apresentar um projeto para derrubar a medida assinada por Bolsonaro. Apesar de decretos não precisarem da aprovação do Congresso, os deputados podem anular essas decisões presidenciais.

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. governadores avisam que nao …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.