Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Governo fecha acordo com Pfizer e prevê 14 milhões de doses até junho

    Placeholder - loading - news single img
    Profissional de saúde segura frasco de vacina da Pfizer contra Covid-19 em Cingapura 08/03/2021 REUTERS/Edgar Su

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por Ricardo Brito

    BRASÍLIA (Reuters) - O governo federal fechou acordo com a Pfizer que prevê a entrega de 14 milhões de doses de vacina contra Covid-19 da farmacêutica norte-americana ao Brasil até junho, com antecipação de 5 milhões de doses nesse período, afirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta segunda-feira.

    Guedes participou de reunião do presidente Jair Bolsonaro e ministros com a cúpula mundial do laboratório no Palácio do Planalto, na qual, pelas palavras de Guedes, houve um acerto para que a Pfizer aumentasse a oferta de imunizantes para o Brasil. A assinatura do contrato, entretanto, ainda não foi formalizada.

    Anteriormente, a proposta da Pfizer previa entregar 2 milhões de doses em maio e 7 milhões em junho. Com a antecipação de 5 milhões, o total até junho passou a 14 milhões.

    Após a entrega das 14 milhões, a Pfizer deve entregar ao menos mais 10 milhões de doses por mês de julho a outubro, disse o assessor especial do Ministério da Saúde Airton Soligo. O total de doses a serem entregues previsto no acordo não foi informado por Guedes e Soligo, mas inicialmente a negociação do governo com a Pfizer envolvia 100 milhões de doses da vacina neste ano.

    Guedes, no entanto, afirmou que o laboratório vai aumentar a produção diária de doses de 1,5 milhão para 5 milhões e, dessa forma, vai permitir elevar a entrega ao Brasil.

    Para o ministro, a 'vacinação em massa é a primeira prioridade do governo' e o governo quer 'vacinar e manter a economia em movimento'.

    'Nossa grande luta é antecipar, grande guerra, como a economia e a saúde andam juntas, é antecipar a vacinação em massa, então todo o esforço é para antecipar e o nosso pedido calou fundo a Pfizer, pedido do presidente Bolsonaro calou fundo a Pfizer, e nós conseguimos uma praticamente uma declaração de que o acordo está fechado', disse Guedes.

    Até o momento, a Pfizer é o único laboratório que teve registro definitivo de vacina contra Covid-19 autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o que, em tese, permitiria a imunização em massa da população brasileira.

    Por ora, o país tem usado vacinas da AstraZeneca-Oxford e a CoronaVac, do Instituto Butantan, para vacinação de grupos prioritários como idosos e profissionais de saúde, pois elas só receberam aval para uso emergencial da Anvisa.

    O anúncio feito por Guedes ocorre no momento em que governadores, prefeitos e parlamentares pressionam o governo federal a acelerar a vacinação do país diante de recordes recentes de número de casos e mortes por Covid-19, em meio à circulação de variantes do vírus.

    Até o momento, o Brasil vacinou menos de 4% da sua população.

    OLHO NO FUTURO

    Guedes foi questionado sobre o motivo de o país não ter fechado um acordo ainda no ano passado com a Pfizer, medida essa que permitiria uma eventual antecipação no recebimento de vacinas.

    O ministro afirmou que, durante a negociação anterior, 'claramente' houve problema de escala por não haver sentido se oferecer, segundo ele, 200 mil doses ao Brasil.

    Na realidade, a Pfizer inicialmente procurou o governo brasileiro em agosto com oferta de 70 milhões de doses, que não foi sequer respondida. Quando finalmente abriu negociações com a farmacêutica, no final do ano passado, o governo recebeu uma oferta de 500 mil doses ainda em dezembro, em um total de 70 milhões.

    'O Brasil pedia escala (maior produção) e eles pediam exigências', disse Guedes, referindo-se a dificuldades de fechamento do acordo com o laboratório principalmente sobre a isenção de responsabilidade da Pfizer por eventuais efeitos adversos do uso da vacina no país.

    Bolsonaro chegou a criticar publicamente o laboratório em razão das exigências.

    'Temos que olhar para frente, temos que acabar com narrativa de guerra, de destruição. Brasil vai de novo dar uma resposta à altura da crise', destacou Guedes

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. governo fecha acordo com …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.