alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASILANTENA 1
    Veja todas as Notícias.

    Governo permitirá parcelamento de bônus de R$106,5 bi em mega leilão do pré-sal

    Placeholder - loading - news single img
    Plataforma de petróleo no litoral do Rio de Janeiro 21/04/2006 REUTERS/Bruno Domingos

    Publicada em  

    Atualizada em  

    RIO DE JANEIRO (Reuters) - Eventuais vencedores do mega leilão dos excedentes da cessão onerosa poderão pagar os bônus de assinatura ao governo em duas parcelas, desde que apresentem ofertas de óleo à União ao menos 5% acima das cotas mínimas definidas para o certame, agendado para 6 de novembro, informou o governo nesta sexta-feira.

    O possível parcelamento na licitação exigirá pagamentos em dezembro de 2019 e junho de 2020, conforme definido em resolução do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

    O Ministério de Minas e Energia defendeu que a medida incentivará uma maior disputa no leilão da cessão onerosa, que irá ofertar quatro áreas, com bônus de assinatura total de 106,561 bilhões de reais.

    O governo espera que grandes petroleiras globais participem da licitação. Uma audiência pública da Agência Nacional do Petróleo (ANP) sobre o certame recebeu contribuições de empresas incluindo a anglo-holandesa Shell, a norte-americana Exxon, a francesa Total, a chinesa CNOOC e a portuguesa Petrogal.

    A Exxon chegou a sugerir durante o processo de consulta que os bônus de assinatura fossem pagos em duas parcelas, com uma na data de assinatura do contrato e outra quando da assinatura do acordo de coparticipação com a Petrobras.

    'O parcelamento do bônus de assinatura deve proporcionar ganhos de liquidez no mercado, ampliando o espectro de negociação das empresas junto às instituições financeiras, sem reduzir o valor auferido pelo poder público', disse a pasta de Minas e Energia em nota à imprensa.

    Nas licitações de partilha promovidas pela ANP, o bônus de assinatura a ser pago é fixo e a empresa vencedora é aquela que oferece ao Estado brasileiro a maior parcela de petróleo e gás natural.

    Para os blocos de Búzios e Itapu, o parcelamento prevê pagamento de 75% do montante até 27 de dezembro e o restante em 26 de junho de 2020.

    Já para os blocos de Sépia e Atapu, o parcelamento prevê pagamento de 50% do montante até 27 de dezembro e a outra metade do montante até 26 de junho de 2020.

    O Ministério de Minas e Energia também aprovou o edital e os modelos dos contratos do leilão, elaborados pela ANP, que está agora autorizada a publicar os documentos, iniciando o prazo para as empresas manifestarem interesse em participar da rodada até 23 de setembro.

    O mega leilão vai ofertar volumes de reservas excedentes ao contrato da cessão onerosa, assinado entre União e Petrobras em 2010, que autorizava a produção pela petroleira estatal em determinadas áreas do pré-sal da Bacia de Santos de até 5 bilhões de barris de óleo equivalente.

    Os vencedores da rodada deverão entrar em um acordo com a Petrobras para que as áreas sejam exploradas.

    Ainda nessa sexta-feira, o Ministério de Minas e Energia definiu prazo de 18 meses, contados a partir de 31 de março de 2020, para que a Petrobras e eventuais vencedoras do leilão submetam acordo de coparticipação à prévia aprovação da ANP.

    Esses acordos de coparticipação deverão prever compensação à Petrobras por investimentos já realizados nas áreas.

    OUTRO LEILÃO

    O CNPE publicou ainda nesta sexta-feira resolução que altera alíquotas mínimas de pagamento em óleo à União para os blocos de Aram e Cruzeiro do Sul, que serão ofertados na 6ª Rodada de partilha de produção do pré-sal, prevista para 7 de novembro.

    Com a mudança, o bloco de Aram terá percentual mínimo do excedente em óleo da União de 29,96%, contra 24,53% anteriormente. Já o Cruzeiro do Sul terá percentual mínimo de 29,52%, contra 22,87% anteriormente.

    Com a mudança dos parâmetros licitatórios para o bloco de Aram, para o qual a Petrobras manifestou interesse em ser operadora obrigatória com participação mínima de 30%, abre-se novo prazo de até trinta dias para manifestação da empresa pela manutenção ou desistência do direito de preferência para essa área.

    (Por Marta Nogueira)

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. governo permitira …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.