Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Guedes anuncia programa de R$15 bi para ajuda a trabalhadores informais

    Placeholder - loading - news single img
    Ministro da Ecoomia, Paulo Guedes, participa de entrevista coletiva em Brasília 16/03/2020 REUTERS/Adriano Machado

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por Marcela Ayres

    BRASÍLIA (Reuters) - O governo lançará um programa de ajuda de 200 reais ao mês para autônomos em função do impacto na economia do coronavírus, que prevê a concessão direta de recursos aos trabalhadores informais ao custo de 5 bilhões de reais por mês, pelo prazo de três meses, afirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quarta-feira.

    Em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, ele afirmou que o novo programa representa o lançamento de uma 'camada de proteção' para os autônomos e será assinado pelo presidente Jair Bolsonaro ainda nesta quarta-feira.

    'Nós vamos lançar praticamente (um valor) em torno do Bolsa Família também, 200 reais, são duas cestas básicas', disse Guedes. 'Então pelo menos você assegura a manutenção de quem também está sendo vítima do impacto econômico da crise.'

    O ministério da Economia informou que uma Medida Provisória (MP) trará a criação desse auxílio emergencial, que terá como público-alvo 15 a 20 milhões de pessoas de baixa renda, incluindo microempreendedores individuais, além de trabalhadores informais e desempregados.

    O critério de baixa renda será o mesmo do Cadastro Único para Programas Sociais: famílias com renda per capita mensal de até meio salário mínimo ou de três salários mínimos no total. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6135.htm

    Segundo o ministro, os beneficiários da nova iniciativa serão aqueles que não são contemplados hoje pelo Bolsa Família ou pelo Benefício de Prestação Continuada (BPC), citando vendedores de rua, entregadores e flanelinhas.

    Guedes afirmou ainda que a medida de 15 bilhões de reais será possibilitada pela aprovação do estado de calamidade pública encaminhado por Bolsonaro ao Congresso, que abrirá espaço para o governo elevar seus gastos sem precisar cumprir a meta fiscal deste ano.

    O ministro avaliou que, sem esse dispositivo, o governo teria que anunciar um contingenciamento de cerca de 40 bilhões de reais já nesta semana para assegurar o cumprimento da meta, estipulada em um déficit primário de 124,1 bilhões de reais para 2020.

    'Isso (contingenciamento) não é coisa razoável. Saúde e defesa do emprego dos brasileiros estão acima de outros interesses', afirmou.

    Em apresentação distribuída à imprensa, o governo também informou que um 'programa antidesemprego' será instituído via MP, para que trabalhador e empregado possam celebrar acordos individuais durante a crise.

    Dentre as medidas simplificadas por essa MP, estará a redução proporcional de salários e jornadas de trabalho, segundo a apresentação, que não traz detalhes.

    As ações anunciadas nesta quarta-feira vêm após o anúncio de medidas para o enfrentamento ao vírus que, em sua maioria, antecipavam pagamentos obrigatórios, remanejavam gastos e prorrogavam o recolhimento de tributos, num esforço até então capitaneado por Guedes de seguir mostrando comprometimento com o reequilíbrio das contas públicas enquanto outros países já anunciavam fortes estímulos fiscais para protegerem suas economias.

    Contudo, conforme o coronavírus seguiu avançando pelo mundo, paralisando cadeias de produção, abalando mercados globais e impondo quarentenas, o governo passou a reconhecer a necessidade de mais recursos para enfrentar seus efeitos sobre a atividade.

    Nesta quarta-feira, inclusive, o governo afirmou que não há como evitar o choque recessivo no Brasil no curto prazo na mensagem presidencial encaminhada ao Congresso, que pede o reconhecimento do estado de calamidade pública no país até 31 de dezembro por causa da pandemia do coronavírus.

    Guedes afirmou que o governo seguirá anunciando novas medidas à medida que problemas econômicos forem identificados.

    Nesse sentido, adiantou que o governo irá renegociar as dívidas das companhias aéreas e que estuda como o Estado pode bancar uma parte do salário para os empregados de micro e pequenas empresas.

    O ministro também afirmou que o governo pode considerar 'lá na frente' derrubar os encargos trabalhistas, avaliando que isso aumentaria brutalmente a capacidade de geração de empregos, ao ser questionado sobre quais ações ainda poderiam ser adotadas para combater o impacto do coronavírus.

    Guedes voltou a fazer um apelo para que os parlamentares se dediquem às reformas econômicas, frisando que eles poderão fazê-lo por meio de teletrabalho em vez 'de fazer quarentena de forma passiva'.

    O ministro disse ainda que o Brasil pode ter reaceleração econômica no segundo semestre 'se nós trabalharmos bem'.

    (Reportagem adicional de Gabriel Ponte)

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. guedes anuncia programa de …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.