Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Em crise EUA-Irã, foco do BC é possível impacto sobre inflação, diz Campos Neto

    Placeholder - loading - news single img
    Sede do Banco Central em Brasília 29/10/2019 REUTERS/Adriano Machado

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por Marcela Ayres

    BRASÍLIA (Reuters) - Na recente crise entre Estados Unidos e Irã, para o Banco Central o importante é avaliar como os eventos podem afetar o canal de transmissão para a inflação no Brasil, afirmou nesta quinta-feira o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto.

    'Importante é olhar o impacto do conflito nas variáveis macroeconômicas e como nós entendemos que as variáveis macroeconômicas influenciam nossas projeções', afirmou ele, em coletiva de imprensa.

    Campos Neto exemplificou que o petróleo havia subido no primeiro dia do 'conflito recente do Irã', mas que já estava sendo cotado abaixo do patamar de antes do ataque de drone dos EUA que matou o poderoso general iraniano Qassem Soleimani em Bagdá no dia 3 de janeiro.

    'A única coisa que podemos mencionar é que depende dos impactos que vão ter. Temos dois elementos que tiveram volatilidade grande: petróleo e carne. Para o BC o importante é como isso afeta canal de transmissão', afirmou ele.

    O BC cortou os juros básicos em 0,50 ponto em sua última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), de dezembro, à mínima histórica de 4,5%. O próxima encontro do colegiado ocorre em 4 e 5 de fevereiro.

    Na mais recente pesquisa Focus, feita pelo BC junto a uma centena de economistas, a expectativa é de mais um corte na Selic no próximo mês, mas de 0,25 ponto.

    Em sua fala inicial, Campos Neto afirmou que o BC vê a inflação ancorada no médio e longo prazo.

    Já em relação ao cenário externo, o presidente do BC disse que há 'princípio de consenso' sobre estabilização e início de melhora da expectativa de crescimento global.

    AGENDA BC#

    Durante a coletiva, Campos Neto expôs as metas do BC para a primeira metade do ano, frisando acreditar numa aprovação, ainda nos três primeiros meses de 2020, do projeto de autonomia formal da instituição e do projeto que moderniza o arcabouço legal ligado ao câmbio.

    Particularmente sobre a autonomia, Campos Neto afirmou que há 'ambiente legislativo propício' para análise da matéria, citando também o apoio do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

    Questionado sobre qual proposta contava com o apoio do BC, uma vez que há textos diferentes tramitando no Senado e na Câmara, ele afirmou que endossa a proposta da Câmara, que incorporou o projeto de autoria do Executivo sobre a autonomia.

    Para além de refletir a visão do BC sobre como deve ser sua autonomia formal, o projeto relatado pelo deputado Celso Maldaner (MDB-SC) é mais extenso e complexo, contando também com alterações adicionais ao tema da autonomia, como a criação dos depósitos voluntários remunerados.

    Sobre eventual mandato duplo estabelecido para o BC, contemplando também uma meta para crescimento econômico --proposta que não consta dos dois projetos em tramitação no Congresso--, Campos Neto disse ser contra a medida, reiterando que 'a melhor forma de (o BC) contribuir com crescimento no médio e longo prazo é através do controle de inflação'.

    Também para o primeiro trimestre, o BC previu em apresentação um novo benchmark para gestão de reservas. Questionado sobre o assunto, o diretor de Política Monetária do BC, Bruno Serra, afirmou que essa revisão foi feita algumas vezes nos últimos anos, mas destacou que o BC não divulga o benchmark adotado.

    Dentre as várias ações listadas para o segundo trimestre pelo BC, estão medidas voltadas a um Sistema Nacional de Garantias, além de iniciativas para modernização de instrumentos financeiros, como notas comerciais, LIGs e fundos imobiliários.

    A apresentação de Campos Neto também mencionou uma Lei das Infraestruturas do Mercado Financeiro para o período de abril a junho, bem como a regulamentação do arranjo do sistema de pagamentos instantâneos e normativos do sistema de open banking.

    (Com reportagem adicional de Gabriel Ponte)

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. importante para bc e como …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.