alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    IPCA sobe 0,45% e tem maior taxa para outubro em 3 anos, mas abaixo do esperado

    Placeholder - loading - news single img

    1519

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por Rodrigo Viga Gaier e Camila Moreira

    RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - A inflação oficial no Brasil foi pressionada pela alta de alimentos e transportes e registrou em outubro a maior taxa para o período em três anos, permanecendo pelo segundo mês seguido acima do centro da meta no acumulado em 12 meses.

    O movimento, entretanto, ficou abaixo do esperado e tende a perder força, mantendo o Banco Central confortável em sua indicação de que não há urgência para elevar os juros.

    Em outubro, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,45 por cento, ante 0,48 por cento em setembro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

    O resultado é o mais elevado para o mês desde os 0,82 por cento registrados em 2015, mas ficou aquém da expectativa em pesquisa da Reuters de avanço de 0,55 por cento.

    Em 12 meses, o IPCA chegou a 4,56 por cento, de 4,53 por cento no mês anterior, permanecendo pouco acima do centro da meta de inflação --de 4,50 por cento, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

    Os analistas consultados na pesquisa da Reuters esperavam alta de 4,66 por cento em 12 meses, na mediana das projeções.

    As pressões inflacionárias permanecem confortáveis, com o nível alto de desemprego e atividade fraca contendo avanços mais fortes, além de expectativas de alívio nos preços de combustíveis e tarifas de eletricidade em novembro.

    'O mercado de trabalho ainda não tem força necessária para se falar em pressão de demanda no país. O nível de desemprego ainda está elevado e as pessoas não tem a mesma segurança para consumir', disse o gerente da pesquisa no IBGE, Fernando Gonçalves.

    Em outubro, os maiores impactos foram exercidos pelos grupos Alimentação e bebidas e Transportes, que juntos responderam por 70 por cento do índice do mês.

    Os preços de alimentação subiram 0,59 por cento em outubro depois de alta de 0,10 por cento em setembro, pressionados principalmente pelo aumento de 0,91 por cento da alimentação no domicílio.

    Já os Transportes registraram a maior alta no mês, de 0,92 por cento, mas mostraram alívio diante do avanço de 1,69 por cento visto em setembro.

    O destaque pelo segundo mês seguido foram os combustíveis, que subiram 2,44 por cento, mas todos os itens apresentaram pressão menor de um mês para outro --etanol (de 5,42 por cento para 4,07 por cento), óleo diesel (de 6,91 por cento para 2,45 por cento), gasolina (de 3,94 por cento para 2,18 por cento) e gás veicular (de 0,85 por cento para 0,06 por cento).

    'Ainda que os transportes tenham pesado bastante, os combustíveis ajudaram na pequena desaceleração do IPCA', explicou Gonçalves.

    Em novembro, os preços devem mostrar ainda mais alívio com a entrada em vigor de bandeira tarifária amarela nas contas de luz, com redução de custos para os consumidores frente aos cinco meses anteriores.

    Também ajudará a conter a inflação a decisão da Petrobras de reduzir o preço médio da gasolina nas refinarias em 6,20 por cento desde 31 de outubro, no maior corte já feito pela estatal desde o anúncio de uma política de reajustes diários do combustível.

    O BC manteve na semana passada a taxa básica de juros Selic em seu piso histórico de 6,5 por cento e avaliou que houve alguma melhora em seu balanço de riscos, corroborando apostas de que não subirá a Selic tão cedo.

    Na ata desse encontro, afirmou que a inflação acumulada em 12 meses deve se elevar até atingir um pico por volta do segundo trimestre de 2019, recuando então em direção à meta ao longo do próximo ano.

    Escrito por Thomson Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. ipca sobe 045 em outubro diz …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.