alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Ministro do STF dá 48 horas para governo se manifestar sobre uso de dinheiro da Lava Jato na Amazônia

    Placeholder - loading - news single img
    Ministro Alexandre de Moraes 21/2/2017 REUTERS/Adriano Machado

    2767

    Publicada em  

    Por Ricardo Brito

    BRASÍLIA (Reuters) - O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu nesta sexta-feira prazo de até 48 horas para que o Ministério da Economia e a Advocacia-Geral da União, órgãos do governo Jair Bolsonaro, e a Procuradoria-Geral da República se manifestem sobre a proposta de uso de recursos do fundo de dinheiro recuperado pela Petrobras na operação Lava Jato no combate a queimadas e desmatamentos na região amazônica.

    A decisão de Moraes ocorre após sugestão apresentada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ao Supremo de que os recursos do fundo --de R$ 2,5 bilhões oriundos de multas pagas-- possam ser usados em ações na Amazônia para a educação.

    Pela sugestão de Maia, do total de recursos, R$ 800 milhões seriam repassados para ações orçamentárias destinadas à prevenção e ao combate de incêndios florestais. Metade desses recursos seria liberada por execução direta e outra metade por meio de execução descentralizada, envolvendo articulação entre o Ministério do Meio Ambiente e os Estados da região amazônica.

    Outros 200 milhões de reais seriam destinados a descontingenciar o bloqueio orçamentário de programas relacionados à proteção do meio ambiente. O restante dos recursos, 1,5 bilhão de reais, seria para ações na área de educação.

    No pedido ao Supremo, a Câmara alertava para a situação de 'emergência ambiental' observada nos últimos dias e que poderia gerar prejuízos não só para o meio ambiente, mas para a própria economia brasileira.

    'Diante da proposta trazida aos autos pela Mesa Diretora da Câmara dos Deputados na Petição em referência, determino que sobre ela se manifestem, em 48 (quarenta e oito) horas, a Procuradoria-Geral da República, a Advocacia-Geral da União, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e o Ministério da Economia. Publique-se', disse Moraes, no despacho.

    Em março, Moraes já havia suspendido os efeitos do acordo firmado entre a Petrobras e a força-tarefa da Lava Jato no âmbito do Ministério Público Federal para gestão e uso dos recursos do fundo. Desde então, os recursos estão numa conta judicial esperando uma decisão do Supremo sobre seu destino.

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. ministro do stf da 48 horas …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.