alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Novo estudo sugere que maior tempo de tela diminui rendimento escolar

    Publicado pelo JAMA Pediatrics, o estudo se concentrou em adolescentes e crianças pequenas.

    Placeholder - loading - news single img
    Criança pequena (Foto: Pixabay)

    2456

    Publicada em  

    O tempo excessivo de tela já foi responsabilizado por vários malefícios, desde problemas de saúde mental e problemas de desenvolvimento até ganho de peso entre crianças, levando muitos pais a se preocupar com a questão.

    Mas uma nova análise da JAMA Pediatrics de dezenas de estudos anteriores sobre o tempo de tela e o desempenho acadêmico sugere que os tipos de tecnologia que as crianças estavam usando – em vez da quantidade total de tempo que passaram olhando para as telas – pareciam ter maior influência no aprendizado.

    O artigo examinou as conclusões de quase 60 estudos sobre tempo de tela e desempenho acadêmico publicados entre 1958 e 2018, que incluíram mais de 480 mil crianças de 4 a 18 anos que vivem em 23 países. Os autores também concluíram uma análise estatística de cerca de metade dos resultados desses estudos, incluindo 106.500 pessoas, para aprofundar a conexão entre o tempo de tela e o desempenho escolar.

    Ao agrupar os resultados dos estudos, os autores não encontraram uma forte ligação entre o tempo total de tela e o desempenho acadêmico, ao contrário das pesquisas anteriores sobre o assunto. Os autores levantam a hipótese de que os resultados divergentes podem falar das inúmeras razões e maneiras pelas quais e através das quais os jovens usam a tecnologia, o que pode ser difícil de capturar nos estudos.

    Aumentos na exibição de televisão foram associados a menor pontuação na linguagem, matemática e testes compostos, de acordo com o artigo. E as notas dos adolescentes parecem sofrer mais com a exposição à TV do que as de crianças menores, talvez porque as crianças que aprendem com a repetição têm maior probabilidade de colher benefícios educacionais ao assistir TV, escrevem os autores. Adolescentes dos EUA com idades entre 15 e 19 anos passam mais de duas horas por dia assistindo televisão em média, de acordo com dados do Bureau of Labor Statistics; crianças de oito anos ou menos gastam o mesmo, de acordo com a Common Sense Media.

    Jogar videogame, o que o jornal diz que as crianças fazem por cerca de 40 minutos por dia, também estava ligado a pontuações acadêmicas mais baixas, mas não a um desempenho mais fraco em matemática e linguagem, descobriram os autores. Aqui, também, os resultados foram mais significativos para adolescentes do que para crianças pequenas.

    No entanto, essa análise não prova causa e efeito e não está claro por que algumas formas de uso da tela estão mais fortemente correlacionadas com o desempenho escolar das crianças do que outras. É possível que o excesso de tempo em frente a uma televisão ou computador impeça as crianças de se envolverem em atividades mais produtivas, como estudar, dormir ou se exercitar, escrevem os autores. O excesso de TV também pode diminuir o tempo de atenção ou atrapalhar o desenvolvimento cognitivo, diz o artigo.

    Embora o artigo não tenha descoberto fortes vínculos entre o desempenho acadêmico e o tempo gasto na internet ou nas mídias sociais, os autores observam que essas atividades merecem mais estudos, especialmente porque seus efeitos podem depender muito de como e por que os dispositivos móveis são usados. Também vale a pena limitar o tempo de exibição das crianças em geral, pois o comportamento sedentário está associado a uma série de problemas de saúde física e mental.

    A Academia Americana de Pediatria recomenda que as crianças com idades entre 2 e 5 limitam o tempo de tela a uma hora por dia e diz que os pais também devem limitar o uso de crianças mais velhas.

    As informações são da revista norte-americana Time.

    1. Home
    2. noticias
    3. novo estudo sugere que maior …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.