Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Outubro Rosa: dicas para diagnóstico precoce e prevenção do câncer de mama

    Doença é a que mais atinge mulheres no Brasil; médica mastologista responde principais dúvidas sobre a questão

    Placeholder - loading - news single img
    iStock/Divulgação

    Publicada em  

    O câncer de mama é o que mais atinge mulheres no Brasil. Segundo estimativa do Instituto Nacional do Câncer (Inca), 66 mil novos casos deverão ser registrados por ano no triênio 2020-2022. Com a detecção em fase inicial, no entanto, a chance de cura chega a 95%. É por esse motivo que, desde a década de 1990, o mês de outubro é mundialmente marcado por ações de conscientização e prevenção contra a doença. 

    Veja também: Seis hábitos para se proteger contra o câncer de mama 

    “Apenas de 5% a 10% dos casos de câncer de mama são causados por uma mutação nos genes BRCA1 e BRCA2, que são alterações transmitidas de pais para filhos”, explica a mastologista Viviane Fernandes Schiavon, médica pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP e profissional da Divisão de Mastologia e Oncologia do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto. Há 13 anos no setor, ela enumera alguns dos fatores de risco que estão por trás da maioria dos casos da doença:

    • Mulheres a partir dos 50 anos
    • Menstruação precoce (antes dos 12 anos)
    • Menopausa tardia (após os 55 anos)
    • Primeira gravidez após os 30 anos
    • Obesidade e sedentarismo
    • Alto consumo de bebidas alcoólicas 

    Erroneamente associados à doença, o uso de sutiã com aro e desodorantes não aumentam a incidência para o câncer de mama. Raciocínio semelhante se aplica à hipótese de que fazer biópsia para o diagnóstico do tumor “espalharia” as células no corpo. “Pelo contrário, quanto mais tempo demorarmos para diagnosticar, mais difícil será o tratamento”, explica a médica.

    Mamografia

    Geralmente, o primeiro sintoma do câncer de mama notado pelo paciente é o nódulo (tanto no caso das mulheres, quanto no dos homens – que representam apenas 1% dos quadros de câncer de mama no país). Pele da mama avermelhada ou retraída, saída de secreção de líquido anormal dos mamilos e ínguas nas axilas (espécies de “carocinhos”) também podem denunciar a doença. 

    Para além do autoexame, um dos principais instrumentos de controle e identificação desses sinais é a mamografia. “Só essa checagem consegue detectar tumores de mama em tamanhos bem pequenos, menores que 1 cm e, por isso, é a única maneira comprovada que realmente ajuda a reduzir o número de mortes pela doença”, explica Viviane, que também faz parte do corpo clínico da MamaCenter, em Ribeirão Preto.

    Segundo o Inca, todas as mulheres entre 50 e 69 anos devem fazer a mamografia uma vez a cada dois anos. Outras sociedades médicas orientam iniciar esse rastreamento um pouco antes, a partir dos 40 anos, como é o caso da Sociedade Brasileira de Mastologia, o Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO).

    A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 (PNS), a mais recente realizada no Brasil, mostra que 3,8 milhões de mulheres de 50 a 69 anos nunca realizaram mamografia, o que corresponde a 18,4% da população feminina nessa faixa etária.

    Se toda a população feminina realizasse o exame, disponível a partir dos 50 anos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), “o número de mortes pela doença seria significativamente reduzido” no país, avalia a mastologista.

    Entre os benefícios do diagnóstico precoce, ela cita a possibilidade de aplicação de tratamentos menos agressivos. “Em termos de cirurgia, conseguimos fazer operações conservadoras, sem a necessidade de retirar toda a mama”, explica. A hormonioterapia, uma versão menos agressiva comparada à quimioterapia, também pode ser aplicada em quadros de tumores menores.

    Ainda que a opção seja pela retirada total da mama, diversas técnicas atuais já conseguem reconstruir o membro, a exemplo de próteses, expansores ou uso de retalhos retirados do próprio organismo do paciente. 

    Como a doença incide de diferentes formas, seu tratamento é completamente personalizado. O importante, lembra Viviane, é “que as mulheres percam o medo do diagnóstico para que consigam ser tratadas em tempo hábil”.

    Para evitar a doença, ela recomenda aliar dois hábitos exaustivamente apontados por estudos como o segredo para uma vida mais saudável: dieta balanceada e prática regular de atividades físicas. Durante o tratamento, lembra, elas são igualmente válidas. “O apoio de familiares e amigos também é muito importante”, acrescenta.

    Direitos 

    Pouco disseminados, os direitos da paciente com câncer foram reunidos abaixo pela médica Viviane à pedido da Antena 1:

    • Direito ao tratamento pelo SUS (e este deve ser iniciado o mais precocemente após o diagnóstico);
    • Tanto pelo SUS quanto pelos planos de saúde, direito de  realizar a reconstrução mamária (o melhor momento para sua realização vai ser discutido com os médicos mastologista, oncologista e radioterapeuta);
    • Pacientes que foram submetidas a linfadenectomia axilar com restrição de movimentos do braço têm direito a mudança da carteira de motorista e benefícios na compra de carros para PcD; e
    • Após o diagnóstico de câncer de mama, a paciente também tem isenção de imposto de renda e pode retirar o FGTS durante o tratamento.
    1. Home
    2. noticias
    3. outubro rosa dicas para …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.