Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Ícone seta para a esquerda Veja todas as Notícias.

    PIB do Brasil cresce 1,2% no 1º tri e retoma patamar pré-pandemia

    Placeholder - loading - Vacinação contra Covid-19 no Rio de Janeiro 27/5/2021 REUTERS/Ricardo Moraes
    Vacinação contra Covid-19 no Rio de Janeiro 27/5/2021 REUTERS/Ricardo Moraes

    Publicada em  

    Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier

    SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - A economia do Brasil registrou crescimento no primeiro trimestre de 2021 e retornou ao patamar pré-pandemia, dando sequência à recuperação dos danos causados pela pandemia de Covid-19, embora o ritmo tenha perdido força.

    O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 1,2% entre janeiro e março, terceiro trimestre seguido de ganhos, mas bem abaixo da alta de 3,2% no quarto trimestre de 2020.

    Ainda assim, o resultado foi suficiente para levar o PIB de volta ao patamar do quarto trimestre de 2019, período pré-pandemia.

    O dado informado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira ainda é o mais elevado para um primeiro trimestre desde 2011 (+1,4%) e também ficou acima da expectativa em pesquisa da Reuters de ganho de 1,0% no período, depois de expansão de 3,2% no quarto trimestre de 2020.

    'A gente vinha numa recuperação lenta e gradual até antes da pandemia. Após o auge das restrições do segundo trimestre, o PIB voltou a crescer. O bom é que chegamos ao nível pré-pandemia pela primeira vez recuperando perdas fortes do primeiro semestre de 2020”, disse a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

    Em relação ao primeiro trimestre de 2020, o PIB registrou aumento de 1,0%, ante expectativa de alta de 0,8% nessa base de comparação.

    O ano de 2021 começou cheio de incertezas, envolvendo desde nova rodada de pagamento de auxílio emergencial à lentidão na vacinação contra o coronavírus.

    A situação sanitária no Brasil se agravou no final de fevereiro e, em seguida, o Brasil se tornou o epicentro global da pandemia de Covid-19, chegando a ultrapassar 4 mil mortes em 24 horas.

    A crise, com sistemas de saúde muito sobrecarregados, levou várias localidades a intensificarem as medidas de isolamento, voltando a fechar comércios não essenciais e restringindo ainda mais a mobilidade.

    Mas a economia ainda assim respondeu bem à situação, com resultados positivos generalizados do lado da produção.

    “Nesse primeiro trimestre tivemos também restrições e isolamentos, mas menos intensos e o PIB foi menos impactado. Especialmente comércio e serviços', explicou Palis.

    AGRO

    O destaque foi a Agropecuária, com expansão de 5,7% no primeiro trimestre sobre os três meses anteriores diante da melhora na produtividade e no desempenho de alguns produtos, sobretudo, a soja. Foi a taxa trimestral de crescimento mais elevada desde o primeiro trimestre de 2017 (+12,2%).

    Enquanto isso, a Indústria cresceu 0,7% impulsionada pela alta de 3,2% das indústrias extrativas. O único resultado no vermelho foi a queda de 0,5% das indústrias de transformação.

    “Todos os subsetores da indústria cresceram, menos a indústria de transformação, que tem o maior peso, impactada pela indústria alimentícia, que afetou o consumo das famílias”, disse Palis.

    Os Serviços, que contribuem com 73% do PIB, apresentaram alta de 0,4% no período.

    Já do lado das despesas, a Formação Bruta de Capital Fixo, uma medida de investimento, saltou 4,6% em relação ao quarto trimestre, influenciados, de acordo com o IBGE, pelo aumento na produção interna de bens de capital e no desenvolvimento de softwares, alta na construção e os impactos do Repetro, regime aduaneiro especial que permite ao setor de petróleo e gás adquirir bens de capital sem pagar tributos federais.

    Taxas negativas foram registradas entre as despesas --de 0,1% nas das famílias e de 0,8% nas do governo.

    “O aumento da inflação pesou, principalmente, no consumo de alimentos ao longo desse período. O mercado de trabalho desaquecido também', explicou Palis, destacando ainda a redução no pagamento do auxílio emergencial pelo governo.

    Em relação ao setor externo, as Exportações de Bens e Serviços aumentaram 3,7%, enquanto as importações cresceram 11,6%.

    REVISÕES

    O primeiro trimestre foi ainda marcado por intensas incertezas sobre o cenário fiscal, e também por inflação alta e desemprego persistentemente elevado.

    O cenário para o segundo trimestre contempla ainda indefinições relacionadas à pandemia e ao ritmo de vacinação, mas com expectativa de sustentação da demanda diante da nova rodada de pagamento de auxílio emergencial e retomada de programas de ajuda. Outra preocupação que entra agora no radar é a de risco hidrológico, como levantado pela própria Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia.

    Ainda em relação à situação da Covid-19 no país, está em andamento uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Senado para investigar a gestão da pandemia pelo governo federal e o uso de recursos da União repassados a Estados e municípios para combater a doença, com risco de desgaste político.

    O governo elevou sua previsão para a expansão da economia este ano a 3,5%, de 3,2% antes, enquanto a pesquisa Focus mais recente aponta que os especialistas consultados veem expansão da economia neste ano de 3,96%, indo a 2,25% em 2022. E o Banco Central passou a apertar a política monetária diante das pressões inflacionárias, com a Selic subindo 1,5 ponto percentual desde março--da mínima histórica de 2,00% para 3,5%.

    'O número (do primeiro trimestre) é bem positivo e muito provavelmente vai justificar uma continuidade no processo de revisão das estimativas do PIB brasileiro no ano de 2021. A tendência é de caminhar para taxa de crescimento do PIB este ano na faixa entre 5% e 5,5%, evidentemente ainda condicionado à evolução do quadro da pandemia nos próximos meses e das influências do ambiente externo', avaliou o consultor econômico da Alta Vista Investimentos, José Mauro Delella.

    (Reportagem adicional de Luana Maria Benedito)

    Escrito por Reuters

    Últimas Notícias

    1. Home
    2. noticias
    3. pib do brasil cresce 12 no 1 …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.