alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Protestos no Chile continuam apesar de reforma ministerial; manifestantes convocam novos atos

    Placeholder - loading - news single img
    Ruas são incendiadas durante protestos no Chile 28/10/2019 REUTERS/Juan Gonzalez

    2791

    Publicada em  

    Por Dave Sherwood e Fabian Cambero

    SANTIAGO (Reuters) - O gás lacrimogêneo permanecia no ar no centro de Santiago, nesta terça-feira, enquanto chilenos seguiam para o trabalho, após outra noite de tumultos na capital do Chile, em um sinal de que a reforma ministerial feita pelo presidente Sebastian Piñera ainda é insuficiente para acalmar os manifestantes.

    Vândalos encapuzados surgiram repentinamente na noite de segunda-feira, após um dia de protestos pacífico, causando destruição em muitas ruas do centro e provocando o caos em meio a caminhões de bombeiros, uma multidão de manifestantes batendo panelas e intensa fumaça preta.

    A nova porta-voz de Piñera, Karla Rubilar, condenou a violência, dizendo que não reflete os desejos da maioria.

    Mais de 1 milhão de chilenos marcharam pacificamente contra a desigualdade em Santiago na última sexta-feira, no maior protesto desde o retorno do Chile à democracia em 1990.

    'Estamos falando de 6.500 pessoas que pensam que podem dominar Santiago, mas vamos encontrá-las', disse Rubilar a repórteres, descartando o retorno a um estado de emergência na capital.

    Os tumultos no Chile continuam a ocorrer após uma semana de protestos contra a desigualdade, nos quais pelo menos 17 pessoas foram mortas. Milhares de manifestantes foram presos, segundo o Ministério Público, e as empresas chilenas tiveram prejuízo de mais de 1,4 bilhão de dólares. O metrô da cidade sofreu danos equivalentes a quase 400 milhões de dólares.

    Pilar Zofoli, uma professora de 30 anos, disse que a violência e a destruição em espaços e serviços públicos estão tornando a vida ainda pior para a classe trabalhadora de Santiago.

    'Eu apoio essa causa, mas não gosto do jeito que as coisas estão indo', disse ela. 'No final, isso nos afeta, não os ricos.'

    Com a popularidade de Piñera em seu nível mais baixo de todos os tempos, os chilenos voltaram às redes sociais para convocar mais uma rodada de marchas para esta terça-feira à tarde. Muitas escolas, shopping centers e empresas disseram que planejam fechar mais cedo.

    Na semana passada, os protestos já haviam levado Piñera, um bilionário de centro-direita que derrotara a oposição de esquerda nas eleições de 2017, a prometer mudanças favoráveis ??aos trabalhadores. Ele garantiu aumentar o salário mínimo e as aposentadorias, diminuir os preços dos remédios e do transporte público, além de estabelecer um sistema de saúde adequado.

    O Chile, maior produtor mundial de cobre, há muito se orgulha de ser uma das economias mais prósperas e estáveis da América Latina, com baixos níveis de pobreza e desemprego. Mas a desigualdade e o crescente custo de vida têm mobilizado a população.

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. protestos no chile continuam …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.