Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Receio fiscal sobrepuja Copom e impulsiona dólar acima de R$5,20

    Placeholder - loading - Notas de cem dólares dos EUA 07/02/2011 REUTERS/Lee Jae-Won
    Notas de cem dólares dos EUA 07/02/2011 REUTERS/Lee Jae-Won

    Publicada em  

    Por José de Castro

    SÃO PAULO (Reuters) - O alívio pós-Copom durou pouco, e o dólar fechou em alta nesta quinta-feira, acima dos 5,20 reais, puxado por forte estresse no mercado de juros futuros em decorrência da escalada de tensões fiscais e políticas no país.

    A moeda à vista subiu 0,53%, a 5,2163 reais na venda. O real saiu do melhor desempenho global entre as principais moedas na sessão para figurar entre os piores.

    O dólar começou o dia em queda e por volta de 10h40 bateu a mínima do dia (5,1108 reais, baixa de 1,51%), ficando em torno desse patamar até perto de 11h30, quando as compras apareceram e puxaram a moeda para cima.

    A cotação ampliou de forma paulatina os ganhos ao longo de toda a tarde e bateu uma máxima de 5,227 reais (+0,73%) em torno de 15h40.

    Depois da reação inicial positiva ao tom mais firme do Copom, que na noite da véspera acelerou o ritmo de alta dos juros, o mercado foi pego no contrapé por renovadas preocupações do lado fiscal.

    Notícias sobre um novo Refis que permitiria que a perda de receita com o programa não precisasse ser compensada pioraram um clima arisco já desde a semana passada, quando ressurgiram com força temores de descumprimento do teto de gastos e de pressões por despesas conforme o país caminha para o ano eleitoral de 2022.

    Não bastasse isso, o clima político acirrado piorava a sensação de instabilidade. O presidente Jair Bolsonaro subiu o tom nos ataques ao ministro do STF Alexandre de Moraes e disse que 'a hora dele vai chegar'. Na quarta-feira, Moraes acolheu notícia-crime encaminhada pelo TSE e determinou a inclusão de Bolsonaro no inquérito que investiga o financiamento e a disseminação de notícias falsas por grupos ligados ao presidente.

    'É simplesmente uma bola de neve, preocupação fiscal e política em conjunto', disse Cleber Alessie, da Commcor DTVM. 'Já tem muito 'player' se protegendo por esperar que o cenário até a eleição não vai melhorar', completou.

    Apesar dos problemas político-fiscais, alguns gestores ainda veem espaço para ganhos do real, mas contra outras moedas que não o dólar, pelo ganho de vantagem da moeda brasileira em termos de retorno de taxa de juros, na esteira dos aumentos da Selic.

    Sérgio Zanini, sócio-gestor da Galapagos Capital, disse que a gestora tem posições em real contra o rand sul-africano e o restante dividido entre real/dólar australiano e real/euro.

    Zanini prefere evitar um confronto direto com o dólar pela incerteza sobre o que vem da política monetária norte-americana. 'Sexta-feira tem 'payroll', e a gente acha que esse dado vai ser superimportante para a trajetória do dólar nas próximas semanas', disse, em referência aos números de emprego da economia dos EUA.

    Escrito por Reuters

    Últimas Notícias

    1. Home
    2. noticias
    3. receio fiscal sobrepuja copom …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.