alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE imigracao

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Centenas de hondurenhos partem a caminho dos EUA em nova caravana

    Centenas de hondurenhos partem a caminho dos EUA em nova caravana

    SAN PEDRO SULA, Honduras (Reuters) - Centenas de emigrantes de Honduras iniciaram na segunda-feira uma longa caminhada para o norte como parte de uma nova caravana destinada aos Estados Unidos, apesar de uma onda anterior de centro-americanos ter sido incapaz de entrar rapidamente no território norte-americano.

    Caravanas de imigrantes da América Central têm se tornado um ponto de conflito no debate sobre a política imigratória dos EUA, à medida que o presidente norte-americano, Donald Trump, permanece inflexível em sua decisão de impedir a entrada dos imigrantes.

    Na segunda-feira, imagens de televisão mostraram centenas de pessoas reunidas na violenta cidade de San Pedro Sula balançando bandeiras de Honduras, à medida que começavam a jornada de semanas ou até meses para atingir a fronteira dos Estados Unidos com o México.

    Entre 600 e 800 hondurenhos se juntaram à caravana, de acordo com estimativa de Miroslava Serpas, chefe de questões migratórias do centro de pesquisa de direitos humanos Ciprodeh, que acompanha o grupo.

    No último mês de outubro, uma outra caravana de imigrantes deixou Honduras composta por homens, mulheres e crianças, que, em sua maioria, diziam fugir da pobreza e da violência de gangues enraizada no país.

    Enquanto cerca de 2.500 pessoas dessa caravana permanecem na cidade de fronteira de Tijuana, no México, mais de 7 mil retornaram a Honduras, de acordo com autoridades do país.

    (Reportagem de Jorge Cabrera e Gustavo Palencia)

    0

    0

    12

    1 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia EUA têm menor índice de imigrantes ilegais desde 2004, mostra estudo

    EUA têm menor índice de imigrantes ilegais desde 2004, mostra estudo

    Por Alex Dobuzinskis

    (Reuters) - A população de imigrantes ilegais nos Estados Unidos caiu para 10,7 milhões em 2016, o menor índice desde 2004, devido sobretudo à diminuição do número de pessoas vindas do México, mostrou um estudo divulgado na terça-feira.

    O relatório do Centro de Pesquisa Pew, baseado em dados do Censo dos EUA e outras cifras de 2016, mostrou que a quantidade de imigrantes ilegais no país vem declinando continuamente desde que atingiu o pico de 12,2 milhões em 2007.

    Pesquisadores acreditam que parte da razão da redução é a recessão econômica que assolou os EUA em 2007 e a recuperação lenta que se seguiu, que limitou as oportunidades de trabalho para imigrantes.

    'A combinação de forças econômicas e prioridades da lei pode estar funcionando para desestimular as pessoas a virem, ou enviando-as para casa', disse D'Vera Cohn, uma das autoras do relatório do Centro de Pesquisa Pew.

    O presidente Donald Trump fez da contenção da imigração um foco de seu governo, e recentemente pressionou o Congresso para que autorize o financiamento de um muro na fronteira com o México e o envio de tropas antes da chegada de uma caravana de imigrantes da América Central.

    Mesmo antes de Trump tomar posse, um declínio no número de imigrantes ilegais mexicanos já havia mudado o perfil demográfico deste grupo nos EUA.

    O México ainda é o país de origem de cerca de metade dos imigrantes ilegais em solo norte-americano, mas seu número nessa população total diminuiu em 1,5 milhão entre 2007 e 2016, revelou o relatório Pew.

    Durante essa década a quantidade de imigrantes irregulares centro-americanos aumentou em 375 mil.

    Enquanto a percentagem de mexicanos cai, os asiáticos representam 22 por cento dos imigrantes irregulares recém-chegados aos EUA, segundo o estudo.

    Entre eles, os imigrantes cujos vistos venceram devem superar o número de pessoas que cruzaram a fronteira ilegalmente, disse o relatório.

    De forma geral o estudo se alinha a pesquisas anteriores que revelaram que muitos imigrantes ilegais moram nos EUA há anos e que é mais provável que seus filhos tenham nascido ali do que no exterior.

    O estudo Pew descobriu que, entre os 10,7 milhões de ilegais, dois terços dos adultos estão nos EUA há mais de uma década, e que cinco milhões de crianças nascidas em solo norte-americano que possuem cidadania moram com pais ou familiares que são imigrantes ilegais.

    ((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447702)) REUTERS AC

    1

    1

    13

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia EUA lançam gás lacrimogêneo para conter imigrantes e fecham fronteira com México durante horas

    EUA lançam gás lacrimogêneo para conter imigrantes e fecham fronteira com México durante horas

    Por Lizbeth Diaz

    TIJUANA, México (Reuters) - Autoridades norte-americanas fecharam a passagem de fronteira mais movimentada do país e lançaram gás lacrimogêneo contra o México, no domingo, para conter imigrantes da América Central que se aproximavam da divisa, depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que pessoas em busca de asilo não entrariam facilmente no país.

    O tráfego na passagem de San Ysidro, que liga San Diego a Tijuana, foi suspenso nos dois sentidos por diversas horas, disseram autoridades norte-americanas, o que interrompeu o comércio na fronteira terrestre mais movimentada do hemisfério norte.

    Posteriormente, a passagem de pedestres e o trânsito de veículos foram retomados.

    A tensão na fronteira tem crescido nos últimos dias, com milhares de imigrantes da América Central acampados em um ginásio esportivo em Tijuana. No domingo, a polícia do México dispersou o mais recente de uma série de protestos diários, desencadeando um avanço em direção à fronteira dos Estados Unidos.

    Agentes da agência de Alfândega e Proteção da Fronteira dos EUA contiveram os imigrantes com grandes nuvens de gás, à medida que helicópteros dos governos do México e dos Estados Unidos sobrevoavam a área.

    O governo mexicano disse ter retomado o controle da passagem de fronteira depois que quase 500 imigrantes tentaram cruzar para os Estados Unidos “de uma maneira violenta”, e se comprometeu a deportar imediatamente cidadãos da América Central que tentarem entrar ilegalmente nos EUA.

    (Reportagem adicional de Lucia Mutikani, Doina Chiacu e Julia Harte, em Washington)

    1

    0

    17

    2 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Roraima pede no STF suspensão de imigração venezuelana; governo avalia fechar fronteira em Pacaraima

    Roraima pede no STF suspensão de imigração venezuelana; governo avalia fechar fronteira em Pacaraima

    Por Mateus Maia e Lisandra Paraguassu

    BRASÍLIA (Reuters) - O governo de Roraima ingressou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) solicitando a suspensão temporária da imigração de venezuelanos por meio da fronteira em Pacaraima, no norte do Estado, informou o governo estadual em nota nesta segunda-feira.

    A medida reforça uma ação já impetrada por Roraima junto ao Supremo pedindo o fechamento da fronteira para a entrada de imigrantes venezuelanos, e visa 'evitar eventual perigo de conflitos, com derramamento de sangue entre brasileiros e venezuelanos', de acordo com o governo de Roraima.

    'Essa é uma nova ação na qual o nosso governo propõe outras soluções para minimizar os impactos da imigração. Nosso principal ponto é o reforço da interiorização dos venezuelanos para outros Estados e regiões do Brasil, uma vez que Roraima não tem condições de receber por dia de 500 a 800 venezuelanos”, disse o procurador-geral do Estado, Ernani Batista, segundo nota do governo do Estado.

    À noite, no Palácio do Planalto, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afirmou que o governo não descarta o fechamento da fronteira com a Venezuela em Pacaraima, pedido pelo senador Romero Jucá (MDB-RR), mas vê grandes dificuldades na medida.

    'O governo não descarta mas vê grandes dificuldades', disse Marun a jornalistas. 'Vamos aguardar o retorno da comissão interministerial enviada a Roraima para que o governo tome uma decisão.'

    Mais cedo, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, disse que essa comissão interministerial iria verificar a situação in loco e analisar medidas adicionais que podem ser tomadas, mas descartou o fechamento da fronteira por ser 'ilegal'.

    A ação do Estado ocorre após uma onda de violência no fim de semana em Pacaraima, deflagrada depois que o dono de um estabelecimento local foi esfaqueado e espancado supostamente por quatro venezuelanos.

    Manifestantes brasileiros destruíram tendas usadas pelos venezuelanos para acampar na rua perto de um terminal de ônibus e incendiaram os pertences que os imigrantes deixavam para trás. Em resposta aos incidentes, o governo federal decidiu no domingo enviar um reforço de 120 homens da Força Nacional de Segurança a Roraima e determinou a intensificação dos esforços de interiorização de venezuelanos para outros Estados.

    Dezenas de milhares de venezuelanos atravessaram a fronteira com o Brasil em Pacaraima nos últimos anos, fugindo da turbulência econômica e política em seu país. O fluxo sobrecarregou os serviços sociais do Estado e causou uma crise humanitária, com famílias dormindo nas ruas em meio à crescente criminalidade e prostituição.

    “Nossa proposta tem como base jurídica o Pacto Federativo, para que essa responsabilidade pelo acolhimento humanitário seja efetivamente assumido por todo o país e não apenas pelo povo de Roraima, como tem ocorrido até agora”, afirmou o procurador-Geral do Estado. A nova ação pede, ainda, que se instale uma barreira sanitária na fronteira 'de natureza preventiva', para evitar o surgimento de doenças já erradicadas do país.

    A primeira ação impetrada pelo governo de Roraima junto ao STF para bloquear o ingresso de imigrantes venezuelanos pela fronteira foi rejeitada em agosto pela ministra do Supremo Rosa Weber.

    TENSÃO, MAS SEM CONFLITO

    De acordo com o ministro Etchegoyen, o governo busca acelerar o processo de interiorização dos venezuelanos que ingressam no país.

    'Duas coisas têm que ser entendidas: o governo está tomando todas as medidas para acelerarmos o processo de interiorização dos venezuelanos que quiserem ir para outros Estados, e todas as medidas visam assegurar a segurança e bem-estar da população de Roraima', disse o ministro a jornalistas em Brasília.

    Segundo ele, a situação atualmente em Pacaraima é tranquila. 'Há tensão, mas não há conflito nem incitação.'

    Etchegoyen ressaltou que o fechamento da fronteira é 'impensável porque é ilegal'. A lei brasileira de imigração, disse, determina o acolhimento de refugiadas e imigrantes nessa situação. 'Além disso é uma solução que não ajuda em nada a questão humanitária.'

    (Reportagem adicional de Ricardo Brito)

    0

    0

    22

    6 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Advogados ajudam imigrantes nos EUA a enfrentar deportações após fim de prazo de reunificação

    Advogados ajudam imigrantes nos EUA a enfrentar deportações após fim de prazo de reunificação

    Por Tom Hals

    (Reuters) - Um dia depois de um prazo determinado pela Justiça para o governo dos Estados Unidos reunificar pais e filhos imigrantes que foram separados por autoridades na fronteira com o México, ativistas de direitos humanos voltaram seus esforços nesta sexta-feira às famílias reunidas que estão sujeitas à deportação.

    As separações foram parte da política de 'tolerância zero' do presidente dos EUA, Donald Trump, contra a imigração ilegal. Muitos deles cruzaram a fronteira ilegalmente, e outros buscavam asilo. Quando Trump ordenou a suspensão das separações em junho, depois de semanas de protestos em casa e no exterior, cerca de 2.500 crianças haviam sido afastadas dos pais.

    Nesta semana o governo dos EUA disse que 900 imigrantes estão sujeitos a ordens de remoção do país. Na quinta-feira Washington disse em um documento legal que reuniu 1.442 crianças aos pais, mas grupos pró-imigrantes afirmaram que o esforço para cumprir o prazo dado por um juiz foi caótico em alguns momentos.

    Advogados provavelmente indagarão em uma audiência desta sexta-feira como reunir 711 crianças ainda separadas aos seus pais. Mais da metade destes pais não estão mais em solo norte-americano, segundo o governo, e grupos de direitos humanos disseram que eles parecem ter sido deportados sem os filhos.

    Também nesta sexta-feira a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU), que apresentou a ação civil que levou à ordem de reunificação de um juiz, argumentará em uma corte de San Diego que as famílias precisam de uma semana depois de serem reunificadas antes de serem deportadas.

    O grupo de direitos humanos disse que os pais precisam de tempo para analisar seus direitos legais e os de seus filhos, que os pais podem decidir deixar nos EUA para solicitar asilo separadamente.

    'Esta é uma decisão que pode alterar uma vida', disse Lee Gelernt, advogado da ACLU, em uma conversa por telefone com repórteres na quinta-feira.

    Autoridades do governo disseram que já deram tempo para os pais estudarem suas opções, que estes foram informados de seus direitos legais e que receberam informações de contato com advogados.

    O juiz Dana Sabraw, de San Diego, ordenou que o governo reunisse as crianças aos pais, mas seu prazo de 26 de julho não se aplicou a pais com ficha criminal ou àqueles que já foram deportados.

    0

    0

    24

    6 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Juíza rejeita pedido do governo Trump para detenção de longo prazo de crianças imigrantes

    Juíza rejeita pedido do governo Trump para detenção de longo prazo de crianças imigrantes

    Por Andrew Hay

    (Reuters) - Uma juíza federal dos Estados Unidos rejeitou um pedido do governo Trump para deter crianças imigrantes ilegais por longo prazo, em um revés para os esforços do presidente Donald Trump em deter famílias imigrantes mantidas sob custódia na fronteira entre EUA e México.

    A juíza Dolly Gee, do Tribunal Distrital de Los Angeles, rejeitou por ver como dúbia e injustificável a proposta do Departamento de Justiça para modificar uma decisão de 1997 conhecida como Acordo Flores, que afirma que crianças não podem ser mantidas sob detenção por períodos longos.O governo fez a solicitação em junho, após uma revolta pública contra sua política de separar as crianças dos pais que entraram ilegalmente nos EUA. No mês passado um juiz de um caso diferente em San Diego ordenou que o governo reúna as famílias que separou.Para mudar o Acordo Flores, o governo argumentou que o veredicto de San Diego implicaria em detenções de crianças por períodos longos, já que esta seria a única maneira de levá-las ao encontro dos pais e ao mesmo tempo manter os adultos presos no decorrer de seus procedimentos imigratórios.A juíza Dolly refutou o argumento na segunda-feira. Os réus apresentaram uma interpretação deturpada do Acordo Flores na tentativa de mostrar que a... medida liminar lhes permite suspender as cláusulas de libertação e licenciamento do (Acordo) Flores , escreveu.Governos anteriores muitas vezes libertaram famílias detidas na fronteira para que pleiteassem seu status de imigrantes vivendo livremente nos EUA, mas Trump prometeu acabar com essa abordagem que chama de prende e solta .Em um comunicado, o porta-voz do Departamento de Justiça Devin O'Malley disse que o governo discorda do veredicto, mas que a decisão parece permitir que o governo mantenha algumas práticas.

    (Reportagem adicional de Eric Walsh)

    0

    0

    22

    7 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Conservadores de Merkel chegam a acordo sobre imigração

    Conservadores de Merkel chegam a acordo sobre imigração

    Por Thomas Escritt e Madeline Chambers

    BERLIM (Reuters) - Os conservadores da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, chegaram a um acordo nesta segunda-feira em uma disputa sobre imigração que ameaçava derrubar sua frágil coalizão governista, após conversas com seu rebelde ministro do Interior o levarem a desistir de sua ameaça de renunciar.

    Após cinco horas de conversas, Horst Seehofer, líder da União Social-Cristã da Baviera (CSU), disse a repórteres que irá permanecer em seu cargo após um acordo com a União Democrata-Cristã (CDU), de Merkel, que ele disse que irá conter a imigração ilegal.

        “Após intensas discussões entre a CDU e a CSU, nós chegamos a um acordo sobre como podemos impedir no futuro imigração ilegal na fronteira entre Alemanha e Áustria”, disse Seehofer a repórteres após deixar a sede da CDU em Berlim.

    O acordo, que tirou o governo da beira do colapso apenas três meses após sua formação, mantém Merkel no cargo. Mas o tamanho da mulher que dominou a política européia por 12 anos e meio parece muito diminuído, levantando questões sobre se ela chegará ao fim de seu mandato.

        Sob o acordo, anunciado pela secretária-geral da CDU, Annegret Kramp-Karrenbauer, imigrantes que já solicitaram asilo em outros países da União Europeia serão mantidos em centros de trânsito na fronteira enquanto a Alemanha negocia acordos bilaterais para seus retornos.

        A disputa havia elevado a tensão na aliança entre os dois partidos, que já dura de 70 anos, perto do ponto de ruptura. Sob a aliança, a CDU deixa a CSU agitar a bandeira conservadora no rico Estado da Baviera.

        O acordo significa que Seehofer foi capaz de atrair controles imigratórios mais duros, enquanto Merkel foi capaz de dizer que a Alemanha aderiu às regras da EU e está comprometida com os princípios de liberdade de movimentação dentro do bloco.

        “O espírito da parceira na União Europeia está preservado e ao mesmo tempo um importante passo para a ordem (foi tomado)”, disse Merkel a repórteres.

        Mas a crise, a mais recente em uma série de disputas sobre imigração entre os dois partidos, é outro sinal da ampla divisão na UE daqueles que querem manter fronteiras abertas e aqueles que querem restringir o número de imigrantes que entram no bloco.

        A CDU, de Merkel, depende da CSU para manter o poder por meio de uma coalizão, que também inclui o Partido Social-Democrata, de centro-esquerda.

        A CSU enfrenta um grande desafio da Alternativa para a Alemanha, da extrema-direita, na eleição regional de outubro.

        Mesmo que a disputa de imigração agora tenha sido resolvida, isto deixa Seehofer, que voltou atrás em uma ameaça de renunciar, rebaixado, disseram especialistas. A disputa, e o compromisso desta segunda-feira, também é um sinal de que a autoridade de Merkel, em dado momento a líder mais poderosa da Europa, está perdendo força após 12 anos e meio no cargo.

    (Reportagem adicional de Joseph Nasr) 

    0

    0

    33

    7 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Em meio a divergências, líderes da UE reivindicam vitória em cúpula sobre imigração

    Em meio a divergências, líderes da UE reivindicam vitória em cúpula sobre imigração

    Por Gabriela Baczynska

    BRUXELAS (Reuters) - Líderes da União Europeia reivindicaram sucesso nesta sexta-feira em chegar a um batalhado acordo para controlar a imigração, mas o pacto enfrentou críticas instantâneas de ser vago, difícil de ser implementado e uma possível ameaça aos direitos humanos.

    A imigração irregular tem caído fortemente desde 2015, quando mais de um milhão de pessoas entrou na União Europeia, mas pesquisas de opinião mostram que isto ainda é uma grande preocupação para os 500 milhões de cidadãos da UE.

        A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o novo primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, estão sob grande pressão em seus países para garantir que menos pessoas do outro lado do Mediterrâneo cheguem em seus territórios, e líderes do leste europeu são radicalmente contra aceitá-las.

        A cúpula de todos os 28 líderes da UE quase esteve perto de ser encerrada sem se chegar a lugar algum, conforme os líderes seguiam em direções diferentes, concordavam e discordavam repetidamente durante a noite de quinta-feira, incapazes de alcançar um acordo até a manhã desta sexta-feira.

        Eles concordaram em reforçar as fronteiras externas da UE e gastar mais dinheiro em projetos na África com objetivo de impedir a imigração. Mas a redação do comunicado conjunto foi altamente confusa --um resultado de suas prioridades divergentes.

        “A Europa decidiu, mesmo que tenha levado um tempo. A Europa quer proteger seus cidadãos, mas também quer cumprir suas leis e sua história e a proteção aos mais vulneráveis”, disse o presidente da França, Emmanuel Macron, que ajudou a selar o acordo após nove horas de conversas

        Merkel tem buscado espaço em uma disputa com seu parceiro de coalizão, a União Social Cristã, que exige controles mais rígidos de imigração. Ela chamou o acordo da cúpula de um “passo certo na direção certa”.

        “O que nós alcançamos aqui juntos é talvez mais do que eu havia esperado”, disse a jornalistas Merkel, a líder da UE há mais tempo no cargo.

        Conte, que exige que os outros Estados da UE façam mais para ajudar a Itália com imigrantes, paralisou a cúpula por diversas horas. Ele disse mais tarde que não havia prometido a Merkel que a Itália irá receber de volta pessoas que chegaram à Alemanha após passarem pela Itália.

        Tal “imigração secundária” não deveria acontecer sob regras da UE, mas se mostrou imparável dentro da zona europeia de viagens sem controle.

        Conte iniciou sua primeira cúpula da UE com uma ameaça inicial de bloquear quaisquer e todos os acordos do encontro --que também envolviam comércio, segurança, Brexit e reforma da zona do euro.

        Isto forçou as negociações por toda a noite e gerou elogios de seu ministro do Interior em Roma, o linha-dura Matteo Salvini.

        No final, Conte disse que o que quis dizer é que a Itália não será a única responsável por todas as pessoas resgatadas no mar, enquanto Merkel recebeu garantias de combate à imigração secundária, que precisava em Berlim.

        O presidente das cúpulas da UE desde 2014, Donald Tusk, disse que esta foi uma das rodadas mais difíceis de conversas em sua carreira.

        “É muito cedo para falar sobre sucesso , disse Tusk em entrevista coletiva. Nós conseguimos chegar a um acordo, mas esta é, na verdade, a parte mais fácil da tarefa, comparada ao que nos aguarda quando começarmos a implementá-la.”

        (Reportagem de Gabriela Baczynska, Jan Strupczewski, Elizabeth Piper, Alissa de Carbonnel, Richard Lough, Robert-Jan Bartunek, Philip Blenkinsop, Jean-Baptiste Vey, Andreas Rinke, Peter Maushagen, Noah Barkin, Robin Emmott e Francesco Guarascio)

    0

    0

    38

    7 M

    Placeholder - loading - Imagem da notícia UE chega a acordo sobre imigração, mas divergências permanecem

    UE chega a acordo sobre imigração, mas divergências permanecem

    Por Gabriela Baczynska e Noah Barkin e Richard Lough

    BRUXELAS (Reuters) - Líderes europeus chegaram a um acordo sobre imigração nas primeiras horas desta sexta-feira, mas os compromissos feitos para fortalecer fronteiras foram vagos e a chanceler alemã, Angela Merkel, admitiu que ainda há divergências.

    Após nove horas de debate, muitas vezes tenso, líderes da União Europeia concordaram em compartilhar de maneira voluntária os refugiados que chegarem ao bloco e em criar centros controlados dentro da UE para processar solicitações de asilo.

    Eles também concordaram em dividir a responsabilidade por imigrantes resgatados no mar, uma demanda do novo primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte.

    A Itália não está mais sozinha , disse o premiê.

    Conte, cujo governo inclui o anti-establishment Movimento 5 Estrelas e o partido de extrema-direita Liga, vinha se recusando a endossar um texto da cúpula tratando de segurança e comércio até outros líderes prometerem ajudar a Itália a lidar com os imigrantes recém-chegados pelo Mediterrâneo.

    O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, cuja Liga defendeu a rejeição de imigrantes da África e a expulsão daqueles que já estão na Itália, saudou o acordo, dizendo que o país obteve 70 por cento do que buscava.

    Vamos ver os compromissos concretos , disse Salvini em entrevista a uma rádio.

    A cúpula destacou como o pico de imigração para a Europa em 2015 continua a abalar o bloco, apesar da queda na chegada de pessoas fugindo de conflitos e de crises econômicas no Oriente Médio e na África.

    A reunião ocorreu em um clima de crise política, já que Merkel está intensamente pressionada na Alemanha a adotar uma postura mais firme em relação à imigração.

    A chanceler alemã, que conversou com repórteres às 5h da manhã (horário local), procurou dar um tom positivo ao resultado da cúpula, dizendo que é um bom sinal os líderes terem conseguido acertar um texto comum.

    Mas Merkel reconheceu que o bloco ainda tem muito trabalho a fazer para equilibrar as visões diferentes .

    O presidente da França, Emmanuel Macron, que criticou a Itália duramente por se recusar a permitir que um navio de resgate de imigrantes aportasse em seu território, disse que a cooperação europeia saiu vencedora .

    Em um comunicado final de linguagem rebuscada, concebido para satisfazer as opiniões divergentes, os líderes concordaram em restringir a movimentação de imigrantes dentro do bloco, mas deixaram claro que praticamente todas as suas promessas serão cumpridas de forma voluntária pelos países-membros.

    Eles também concordaram em fortalecer sua fronteira externa e aumentar o financiamento para Turquia, Marrocos e outros países do norte da África evitarem a migração para a Europa.

    Diplomatas descreveram uma cúpula tensa, durante a qual pequenos grupos de líderes se reuniram na tentativa desesperada de romper o impasse e evitar a humilhação de voltar para casa sem um acordo.

    A União Social-Cristã da Baviera (CSU), parceira de coalizão de Merkel que ameaçou fechar a fronteira da Baviera aos imigrantes --algo que poderia desencadear o colapso de seu governo de três meses e da zona de livre circulação da UE-- recebeu o acordo da cúpula com reservas.

    Hans Michelbach, parlamentar da CSU, disse à emissora de televisão ARD que o pacto será difícil de implantar e que Merkel terá que discuti-lo com o líder de seu partido, Horst Seehofer, nos próximos dias.

    0

    0

    32

    7 M

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. imigracao

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.