alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE imigracao

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Advogados ajudam imigrantes nos EUA a enfrentar deportações após fim de prazo de reunificação

    Advogados ajudam imigrantes nos EUA a enfrentar deportações após fim de prazo de reunificação

    Por Tom Hals

    (Reuters) - Um dia depois de um prazo determinado pela Justiça para o governo dos Estados Unidos reunificar pais e filhos imigrantes que foram separados por autoridades na fronteira com o México, ativistas de direitos humanos voltaram seus esforços nesta sexta-feira às famílias reunidas que estão sujeitas à deportação.

    As separações foram parte da política de 'tolerância zero' do presidente dos EUA, Donald Trump, contra a imigração ilegal. Muitos deles cruzaram a fronteira ilegalmente, e outros buscavam asilo. Quando Trump ordenou a suspensão das separações em junho, depois de semanas de protestos em casa e no exterior, cerca de 2.500 crianças haviam sido afastadas dos pais.

    Nesta semana o governo dos EUA disse que 900 imigrantes estão sujeitos a ordens de remoção do país. Na quinta-feira Washington disse em um documento legal que reuniu 1.442 crianças aos pais, mas grupos pró-imigrantes afirmaram que o esforço para cumprir o prazo dado por um juiz foi caótico em alguns momentos.

    Advogados provavelmente indagarão em uma audiência desta sexta-feira como reunir 711 crianças ainda separadas aos seus pais. Mais da metade destes pais não estão mais em solo norte-americano, segundo o governo, e grupos de direitos humanos disseram que eles parecem ter sido deportados sem os filhos.

    Também nesta sexta-feira a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU), que apresentou a ação civil que levou à ordem de reunificação de um juiz, argumentará em uma corte de San Diego que as famílias precisam de uma semana depois de serem reunificadas antes de serem deportadas.

    O grupo de direitos humanos disse que os pais precisam de tempo para analisar seus direitos legais e os de seus filhos, que os pais podem decidir deixar nos EUA para solicitar asilo separadamente.

    'Esta é uma decisão que pode alterar uma vida', disse Lee Gelernt, advogado da ACLU, em uma conversa por telefone com repórteres na quinta-feira.

    Autoridades do governo disseram que já deram tempo para os pais estudarem suas opções, que estes foram informados de seus direitos legais e que receberam informações de contato com advogados.

    O juiz Dana Sabraw, de San Diego, ordenou que o governo reunisse as crianças aos pais, mas seu prazo de 26 de julho não se aplicou a pais com ficha criminal ou àqueles que já foram deportados.

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Juíza rejeita pedido do governo Trump para detenção de longo prazo de crianças imigrantes

    Juíza rejeita pedido do governo Trump para detenção de longo prazo de crianças imigrantes

    Por Andrew Hay

    (Reuters) - Uma juíza federal dos Estados Unidos rejeitou um pedido do governo Trump para deter crianças imigrantes ilegais por longo prazo, em um revés para os esforços do presidente Donald Trump em deter famílias imigrantes mantidas sob custódia na fronteira entre EUA e México.

    A juíza Dolly Gee, do Tribunal Distrital de Los Angeles, rejeitou por ver como dúbia e injustificável a proposta do Departamento de Justiça para modificar uma decisão de 1997 conhecida como Acordo Flores, que afirma que crianças não podem ser mantidas sob detenção por períodos longos.O governo fez a solicitação em junho, após uma revolta pública contra sua política de separar as crianças dos pais que entraram ilegalmente nos EUA. No mês passado um juiz de um caso diferente em San Diego ordenou que o governo reúna as famílias que separou.Para mudar o Acordo Flores, o governo argumentou que o veredicto de San Diego implicaria em detenções de crianças por períodos longos, já que esta seria a única maneira de levá-las ao encontro dos pais e ao mesmo tempo manter os adultos presos no decorrer de seus procedimentos imigratórios.A juíza Dolly refutou o argumento na segunda-feira. Os réus apresentaram uma interpretação deturpada do Acordo Flores na tentativa de mostrar que a... medida liminar lhes permite suspender as cláusulas de libertação e licenciamento do (Acordo) Flores , escreveu.Governos anteriores muitas vezes libertaram famílias detidas na fronteira para que pleiteassem seu status de imigrantes vivendo livremente nos EUA, mas Trump prometeu acabar com essa abordagem que chama de prende e solta .Em um comunicado, o porta-voz do Departamento de Justiça Devin O'Malley disse que o governo discorda do veredicto, mas que a decisão parece permitir que o governo mantenha algumas práticas.

    (Reportagem adicional de Eric Walsh)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Conservadores de Merkel chegam a acordo sobre imigração

    Conservadores de Merkel chegam a acordo sobre imigração

    Por Thomas Escritt e Madeline Chambers

    BERLIM (Reuters) - Os conservadores da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, chegaram a um acordo nesta segunda-feira em uma disputa sobre imigração que ameaçava derrubar sua frágil coalizão governista, após conversas com seu rebelde ministro do Interior o levarem a desistir de sua ameaça de renunciar.

    Após cinco horas de conversas, Horst Seehofer, líder da União Social-Cristã da Baviera (CSU), disse a repórteres que irá permanecer em seu cargo após um acordo com a União Democrata-Cristã (CDU), de Merkel, que ele disse que irá conter a imigração ilegal.

        “Após intensas discussões entre a CDU e a CSU, nós chegamos a um acordo sobre como podemos impedir no futuro imigração ilegal na fronteira entre Alemanha e Áustria”, disse Seehofer a repórteres após deixar a sede da CDU em Berlim.

    O acordo, que tirou o governo da beira do colapso apenas três meses após sua formação, mantém Merkel no cargo. Mas o tamanho da mulher que dominou a política européia por 12 anos e meio parece muito diminuído, levantando questões sobre se ela chegará ao fim de seu mandato.

        Sob o acordo, anunciado pela secretária-geral da CDU, Annegret Kramp-Karrenbauer, imigrantes que já solicitaram asilo em outros países da União Europeia serão mantidos em centros de trânsito na fronteira enquanto a Alemanha negocia acordos bilaterais para seus retornos.

        A disputa havia elevado a tensão na aliança entre os dois partidos, que já dura de 70 anos, perto do ponto de ruptura. Sob a aliança, a CDU deixa a CSU agitar a bandeira conservadora no rico Estado da Baviera.

        O acordo significa que Seehofer foi capaz de atrair controles imigratórios mais duros, enquanto Merkel foi capaz de dizer que a Alemanha aderiu às regras da EU e está comprometida com os princípios de liberdade de movimentação dentro do bloco.

        “O espírito da parceira na União Europeia está preservado e ao mesmo tempo um importante passo para a ordem (foi tomado)”, disse Merkel a repórteres.

        Mas a crise, a mais recente em uma série de disputas sobre imigração entre os dois partidos, é outro sinal da ampla divisão na UE daqueles que querem manter fronteiras abertas e aqueles que querem restringir o número de imigrantes que entram no bloco.

        A CDU, de Merkel, depende da CSU para manter o poder por meio de uma coalizão, que também inclui o Partido Social-Democrata, de centro-esquerda.

        A CSU enfrenta um grande desafio da Alternativa para a Alemanha, da extrema-direita, na eleição regional de outubro.

        Mesmo que a disputa de imigração agora tenha sido resolvida, isto deixa Seehofer, que voltou atrás em uma ameaça de renunciar, rebaixado, disseram especialistas. A disputa, e o compromisso desta segunda-feira, também é um sinal de que a autoridade de Merkel, em dado momento a líder mais poderosa da Europa, está perdendo força após 12 anos e meio no cargo.

    (Reportagem adicional de Joseph Nasr) 

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Em meio a divergências, líderes da UE reivindicam vitória em cúpula sobre imigração

    Em meio a divergências, líderes da UE reivindicam vitória em cúpula sobre imigração

    Por Gabriela Baczynska

    BRUXELAS (Reuters) - Líderes da União Europeia reivindicaram sucesso nesta sexta-feira em chegar a um batalhado acordo para controlar a imigração, mas o pacto enfrentou críticas instantâneas de ser vago, difícil de ser implementado e uma possível ameaça aos direitos humanos.

    A imigração irregular tem caído fortemente desde 2015, quando mais de um milhão de pessoas entrou na União Europeia, mas pesquisas de opinião mostram que isto ainda é uma grande preocupação para os 500 milhões de cidadãos da UE.

        A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o novo primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, estão sob grande pressão em seus países para garantir que menos pessoas do outro lado do Mediterrâneo cheguem em seus territórios, e líderes do leste europeu são radicalmente contra aceitá-las.

        A cúpula de todos os 28 líderes da UE quase esteve perto de ser encerrada sem se chegar a lugar algum, conforme os líderes seguiam em direções diferentes, concordavam e discordavam repetidamente durante a noite de quinta-feira, incapazes de alcançar um acordo até a manhã desta sexta-feira.

        Eles concordaram em reforçar as fronteiras externas da UE e gastar mais dinheiro em projetos na África com objetivo de impedir a imigração. Mas a redação do comunicado conjunto foi altamente confusa --um resultado de suas prioridades divergentes.

        “A Europa decidiu, mesmo que tenha levado um tempo. A Europa quer proteger seus cidadãos, mas também quer cumprir suas leis e sua história e a proteção aos mais vulneráveis”, disse o presidente da França, Emmanuel Macron, que ajudou a selar o acordo após nove horas de conversas

        Merkel tem buscado espaço em uma disputa com seu parceiro de coalizão, a União Social Cristã, que exige controles mais rígidos de imigração. Ela chamou o acordo da cúpula de um “passo certo na direção certa”.

        “O que nós alcançamos aqui juntos é talvez mais do que eu havia esperado”, disse a jornalistas Merkel, a líder da UE há mais tempo no cargo.

        Conte, que exige que os outros Estados da UE façam mais para ajudar a Itália com imigrantes, paralisou a cúpula por diversas horas. Ele disse mais tarde que não havia prometido a Merkel que a Itália irá receber de volta pessoas que chegaram à Alemanha após passarem pela Itália.

        Tal “imigração secundária” não deveria acontecer sob regras da UE, mas se mostrou imparável dentro da zona europeia de viagens sem controle.

        Conte iniciou sua primeira cúpula da UE com uma ameaça inicial de bloquear quaisquer e todos os acordos do encontro --que também envolviam comércio, segurança, Brexit e reforma da zona do euro.

        Isto forçou as negociações por toda a noite e gerou elogios de seu ministro do Interior em Roma, o linha-dura Matteo Salvini.

        No final, Conte disse que o que quis dizer é que a Itália não será a única responsável por todas as pessoas resgatadas no mar, enquanto Merkel recebeu garantias de combate à imigração secundária, que precisava em Berlim.

        O presidente das cúpulas da UE desde 2014, Donald Tusk, disse que esta foi uma das rodadas mais difíceis de conversas em sua carreira.

        “É muito cedo para falar sobre sucesso , disse Tusk em entrevista coletiva. Nós conseguimos chegar a um acordo, mas esta é, na verdade, a parte mais fácil da tarefa, comparada ao que nos aguarda quando começarmos a implementá-la.”

        (Reportagem de Gabriela Baczynska, Jan Strupczewski, Elizabeth Piper, Alissa de Carbonnel, Richard Lough, Robert-Jan Bartunek, Philip Blenkinsop, Jean-Baptiste Vey, Andreas Rinke, Peter Maushagen, Noah Barkin, Robin Emmott e Francesco Guarascio)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia UE chega a acordo sobre imigração, mas divergências permanecem

    UE chega a acordo sobre imigração, mas divergências permanecem

    Por Gabriela Baczynska e Noah Barkin e Richard Lough

    BRUXELAS (Reuters) - Líderes europeus chegaram a um acordo sobre imigração nas primeiras horas desta sexta-feira, mas os compromissos feitos para fortalecer fronteiras foram vagos e a chanceler alemã, Angela Merkel, admitiu que ainda há divergências.

    Após nove horas de debate, muitas vezes tenso, líderes da União Europeia concordaram em compartilhar de maneira voluntária os refugiados que chegarem ao bloco e em criar centros controlados dentro da UE para processar solicitações de asilo.

    Eles também concordaram em dividir a responsabilidade por imigrantes resgatados no mar, uma demanda do novo primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte.

    A Itália não está mais sozinha , disse o premiê.

    Conte, cujo governo inclui o anti-establishment Movimento 5 Estrelas e o partido de extrema-direita Liga, vinha se recusando a endossar um texto da cúpula tratando de segurança e comércio até outros líderes prometerem ajudar a Itália a lidar com os imigrantes recém-chegados pelo Mediterrâneo.

    O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, cuja Liga defendeu a rejeição de imigrantes da África e a expulsão daqueles que já estão na Itália, saudou o acordo, dizendo que o país obteve 70 por cento do que buscava.

    Vamos ver os compromissos concretos , disse Salvini em entrevista a uma rádio.

    A cúpula destacou como o pico de imigração para a Europa em 2015 continua a abalar o bloco, apesar da queda na chegada de pessoas fugindo de conflitos e de crises econômicas no Oriente Médio e na África.

    A reunião ocorreu em um clima de crise política, já que Merkel está intensamente pressionada na Alemanha a adotar uma postura mais firme em relação à imigração.

    A chanceler alemã, que conversou com repórteres às 5h da manhã (horário local), procurou dar um tom positivo ao resultado da cúpula, dizendo que é um bom sinal os líderes terem conseguido acertar um texto comum.

    Mas Merkel reconheceu que o bloco ainda tem muito trabalho a fazer para equilibrar as visões diferentes .

    O presidente da França, Emmanuel Macron, que criticou a Itália duramente por se recusar a permitir que um navio de resgate de imigrantes aportasse em seu território, disse que a cooperação europeia saiu vencedora .

    Em um comunicado final de linguagem rebuscada, concebido para satisfazer as opiniões divergentes, os líderes concordaram em restringir a movimentação de imigrantes dentro do bloco, mas deixaram claro que praticamente todas as suas promessas serão cumpridas de forma voluntária pelos países-membros.

    Eles também concordaram em fortalecer sua fronteira externa e aumentar o financiamento para Turquia, Marrocos e outros países do norte da África evitarem a migração para a Europa.

    Diplomatas descreveram uma cúpula tensa, durante a qual pequenos grupos de líderes se reuniram na tentativa desesperada de romper o impasse e evitar a humilhação de voltar para casa sem um acordo.

    A União Social-Cristã da Baviera (CSU), parceira de coalizão de Merkel que ameaçou fechar a fronteira da Baviera aos imigrantes --algo que poderia desencadear o colapso de seu governo de três meses e da zona de livre circulação da UE-- recebeu o acordo da cúpula com reservas.

    Hans Michelbach, parlamentar da CSU, disse à emissora de televisão ARD que o pacto será difícil de implantar e que Merkel terá que discuti-lo com o líder de seu partido, Horst Seehofer, nos próximos dias.

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Merkel diz antes de cúpula da UE que solução para imigração na Europa é 'tudo ou nada'

    Merkel diz antes de cúpula da UE que solução para imigração na Europa é 'tudo ou nada'

    Por Gabriela Baczynska e Noah Barkin

    BRUXELAS (Reuters) - Sob intensa pressão de aliados conservadores na Alemanha, a chanceler alemã, Angela Merkel, conclamou os líderes europeus nesta quinta-feira a buscarem uma abordagem comum para a imigração, classificando-a como uma questão de tudo ou nada para a Europa.

    Merkel falou ao Parlamento alemão antes de uma cúpula da União Europeia que começa mais tarde nesta quinta-feira e deve ser dominada pela imigração, em um momento no qual partidos de direita ganham força em todo o bloco.

    A Europa enfrenta muitos desafios, mas o da imigração pode se tornar o 'tudo ou nada' para a UE , disse Merkel, cujo futuro político está ameaçado por uma reação negativa de aliados conservadores da Baviera às suas políticas imigratórias.

    Na cúpula de dois dias, os líderes da UE combinarão medidas para restringir a chegada de imigrantes pelo Mediterrâneo, gastos maiores para combater a imigração ilegal e mais cooperação para evitar que refugiados e imigrantes se movimentem dentro do bloco, segundo o esboço de um comunicado.

    Mas três anos depois de mais de um milhão de pessoas entrarem na Europa --muitas delas refugiadas fugindo de conflitos no Oriente Médio-- os líderes continuam divididos sobre como lidar com os postulantes a asilo.

    Merkel está sendo pressionada pela União Social-Cristã da Baviera (CSU) a conter a imigração rumo à Alemanha com mais rigor, embora o número de chegadas tenha diminuído acentuadamente desde o pico de 2015.

    Como a Baviera é o principal ponto de entrada de imigrantes no país, a CSU disse que começará a rejeitar em sua fronteira aqueles que se registraram em outros países europeus, a menos que a chanceler firme um acordo em Bruxelas.

    Isso parece improvável, dadas as divisões entre os 28 países-membros da UE. Merkel, no entanto, indicou ao Parlamento que buscará uma coalizão dos dispostos para tentar fazer acordos bilaterais com nações como a Grécia e a Itália.

    O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, disse ao jornal Financial Times que está aberto a um pacto com Berlim para reduzir a imigração secundária de refugiados que ingressam pela fronteira sul da UE e depois seguem para o norte.

    A Itália pode causar mais dificuldades, já que seu novo governo rejeitou qualquer medida que obrigue o país a receber mais pessoas.

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Câmara dos Deputados dos EUA rejeita lei abrangente de imigração apresentada por republicanos

    Câmara dos Deputados dos EUA rejeita lei abrangente de imigração apresentada por republicanos

    Por Richard Cowan e Jonathan Stempel

    WASHINGTON/NOVA YORK (Reuters) - A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos rejeitou nesta quarta-feira, como esperado, um projeto de lei de imigração abrangente que iria responder à crise de famílias sendo separadas na fronteira entre EUA e México.

    A Câmara pode votar no mês que vem uma medida mais limitada que está sendo elaborada e que irá focar especificamente na questão de separações familiares, embora perspectivas de sua aprovação sejam incertas.

    Por 301 votos a 121, a Câmara controlada pelos republicanos rejeitou um projeto de lei que tratava da separação de famílias, mas também dava proteções de longo prazo para jovens imigrantes chamados de “sonhadores”, levados ilegalmente quando crianças há anos para o país, ao mesmo tempo que fornecia financiamento para o muro proposto pelo presidente Donald Trump para a fronteira entre EUA e México.

    Trump pediu que o Congresso resolva as separações familiares com legislação, diante da indignação no país e no exterior devido à separação de mais de 2.300 crianças de seus pais como resultado de sua política de “tolerância zero” em relação à imigração ilegal.

    Na noite de terça-feira, a juíza distrital Dana Sabraw, de San Diego, bloqueou a separação de famílias na fronteira pelo governo, e ordenou que as pessoas que foram separadas fossem reunidas dentro de 30 dias, uma decisão que a União Americana pelas Liberdades Civis elogiou como uma “completa vitória”.

    Um porta-voz do Departamento de Justiça se negou a comentar se o governo irá recorrer. Trump disse “vamos ver”, a repórteres no Salão Oval se irão contestar a decisão judicial.

    Ele também disse ter instruído líderes republicanos da Câmara que buscam uma solução conciliatória sobre imigração a “obterem algo que vocês querem”, mas admitiu estar incerto se algo pode ser aprovado no Senado, onde os republicanos possuem uma maioria de dois assentos e votos democratas são necessários para aprovar leis.

    “É por isto que eu não fico demasiadamente animado com o projeto de lei da Câmara neste momento, porque não será aprovado no Senado”, disse.

    DEMOCRATAS DEIXADOS DE FORA DE NEGOCIAÇÕES

    A Câmara liderada pelos republicanos tem se esforçado para encontrar uma abordagem bem-sucedida em relação à imigração. Após semanas de negociações entre facções do partido, o chamado projeto de lei abrangente recebeu 72 votos republicanos a menos que uma versão mais conservadora, que perdeu por 231 votos a 193 na semana passada.

    Os democratas nunca foram incluídos nas negociações que levaram à legislação e nenhum deles votou pela aprovação. Ao invés disto, a medida foi projetada para ser um compromisso entre republicanos conservadores e de centro que têm discordado há anos sobre imigração.

    Um assessor republicano da Câmara disse que o foco agora será para esboçar um projeto de lei proibindo a separação de crianças de seus pais na fronteira. Isto provavelmente não será votado antes de um recesso de uma semana, na próxima semana, para o feriado de 4 de julho, disse o assessor.

    O deputado republicano Mark Meadows, chefe do Freedom Caucus da Câmara, da extrema-direita, disse a repórteres após a votação que embora dois projetos de lei de imigração tenham fracassado na última semana, ele espera que uma terceira medida mais limitada sobre imigração possa ser aprovada na Câmara.

    A separação de famílias vem ocorrendo desde o começo de maio, após o governo começar a buscar processar todos os adultos que cruzam a fronteira sem autorização, incluindo aqueles que viajavam com crianças.

    Embora Trump tenha emitido um decreto presidencial em 20 de junho para encerrar as separações, a ACLU, que apresentou o caso em San Diego, informou que o decreto possui “brechas” e não fez o suficiente para resolver o problema. Cerca de 2 mil crianças permanecem separadas.

    (Reportagem adicional de Alison Frankel, em Nova York, e Yasmeen Abutaleb, Julia Harte e Doina Chiacu, em Washington)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Coalizão alemã corre risco após fracasso em negociações sobre imigração

    Coalizão alemã corre risco após fracasso em negociações sobre imigração

    BERLIM (Reuters) - A ameaça de um colapso continuava pairando sobre a coalizão governista da Alemanha nesta quarta-feira, três meses após sua formação, depois que conversas que avançaram pela madrugada não resolveram uma discórdia entre a chanceler Angela Merkel e seus aliados da Baviera a respeito da imigração.

    A disputa diz respeito a planos elaborados pelo ministro do Interior, Horst Seehofer, líder da União Social-Cristã da Baviera (CSU), para rejeitar na fronteira alemã imigrantes que se registraram em outros Estados da União Europeia.

    Trata-se de uma questão delicada para Merkel, já que minaria sua política de portas abertas aos imigrantes e seria um grande revés ao sistema Schengen de fronteiras abertas da UE.

    A CSU deu a Merkel até o final da cúpula desta semana da UE para combinar com parceiros do bloco políticas imigratórias que reduzam o fardo da Alemanha -- uma exigência e tanto, dado o quão profundamente dividida a Europa está no tocante à forma de lidar com o influxo de imigrantes.

    A partir da semana que vem, queremos que os imigrantes sejam rejeitados na fronteira se já tiverem se registrado em outro país europeu, e portanto deveriam passar pelo procedimento de asilo lá , disse Alexander Dobrindt, parlamentar de alto escalão da CSU.

    A CSU se reuniu no domingo para decidir se desafia Merkel e adota os novos controles. O partido quer que a chanceler obtenha um acordo europeu, ou ao menos acordos bilaterais com países como a Grécia e a Itália, dizendo que não se ganha nada adiando uma ação.

    Não entendo que se fale sobre possíveis soluções futuras para a Europa se não estamos preparados para fazer o que a Alemanha pode fazer agora , disse Dobrindt à televisão alemã.

    Se o ministro Seehofer for adiante com seus planos, muitos membros da União Democrata-Cristã (CDU), o partido de Merkel, dizem que ela seria obrigada a demiti-lo.

    Volker Kauder, parlamentar destacado da CDU, disse à televisão alemã que a questão não foi resolvida nas negociações de terça-feira, que duraram até depois da meia-noite.        

    É muito sério -- nós vimos isso nas conversas, não se trata de algo pequeno, trata-se de algo central e importante. Precisamos conversar uns com os outros , afirmou Kauder.

    Um rompimento da aliança de 70 anos entre CDU e CSU provocaria o colapso de uma coalizão que exigiu seis meses de tratativas e privaria Merkel de uma maioria parlamentar.

    As principais opções seriam então um governo de minoria encabeçado por Merkel ou uma nova eleição. Merkel, que é chanceler há quase 13 anos, também pode perder apoio na própria CDU.

    (Por Madeline Chambers)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Crise imigratória divide Congresso dos EUA, e Trump quer verba para muro

    Crise imigratória divide Congresso dos EUA, e Trump quer verba para muro

    Por Richard Cowan e Steve Holland

    WASHINGTON (Reuters) - Controlado pelos republicanos, o Congresso dos Estados Unidos está abalado por disputas internas e dificilmente agirá de maneira decisiva nesta semana no que diz respeito à crise imigratória na fronteira com o México, oferecendo poucas respostas quanto ao futuro de pais e filhos imigrantes separados.

    O decreto assinado subitamente pelo presidente Donald Trump na semana passada para acabar com a política de separações de famílias que atravessam a fronteira ilegalmente não explicou como suas diretrizes imigratórias agressivas podem ser ajustadas para manter as famílias intactas, abrigá-las e verificar sua situação legal.

    O presidente republicano recuou diante da revolta global crescente, inclusive com as imagens de crianças em jaulas. Primeiro ele exortou o Congresso a agir rapidamente e aprovar uma legislação na esteira de seu decreto, depois disse que os parlamentares deveriam deixar o assunto de lado.

    Ele voltou a um de seus temas favoritos nesta terça-feira ao pedir ao Congresso um aumento no financiamento bancado pelo contribuinte para construir um muro ao longo da divisa EUA-México.

    Em meio a tantos sinais cruzados, a Câmara dos Deputados se encaminha para votar na quarta-feira um projeto de lei de imigração abrangente que impediria a separação de crianças imigrantes de seus pais e providenciaria 25 bilhões de dólares para o custeio do muro, mas muitos acreditam que a medida fracassará.

    Deixamos extremamente claro que queremos manter as famílias unidas e que queremos proteger a fronteira e aplicar nossas leis , disse o presidente da Câmara, Paul Ryan, em uma coletiva de imprensa.

    Ryan afirmou que o projeto de lei mais inclusivo resolveria a questão dos jovens adultos que foram levados aos EUA ainda crianças, focaria em um sistema imigratório baseado no mérito e salvaguardaria as fronteiras norte-americanas e o Estado de Direito.

    Vários republicanos conservadores da Câmara deixaram uma reunião a portas fechadas na manhã desta terça-feira expressando insatisfação com o projeto de lei abrangente. Sem seu apoio, a proposta deve ser rejeitada.

    Ryan disse que não descartará a possibilidade de levar a votação um projeto de lei mais restrito que só abordaria a detenção de famílias imigrantes se o projeto de lei mais inclusivo não for aprovado.

    Embora o governo tenha dito que sua política de tolerância zero para a imigração ilegal continua em vigor, na segunda-feira autoridades disseram que os pais que atravessarem a divisa sem permissão com seus filhos não serão processados por ora porque o governo está ficando sem espaço para abrigá-los.

    (Reportagem adicional de Amanda Becker, Susan Cornwell e Yeganeh Torbati)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Pence alerta centro-americanos a imigrar legalmente ou nem tentar

    Pence alerta centro-americanos a imigrar legalmente ou nem tentar

    Por Ricardo Brito

    BRASÍLIA (Reuters) - O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, disse durante a primeira parada de uma viagem pela América do Sul nesta terça-feira que, se centro-americanos pensando em imigrar para os EUA não puderem ir legalmente, então não venham de modo algum .

    Mais cedo, um assessor da Casa Branca disse a repórteres que Pence se reunirá com presidentes da Guatemala e Honduras e com o vice-presidente de El Salvador na quinta-feira, na Guatemala, para discutir a questão da imigração na fronteira sul dos EUA.

    Nas conversas, Pence contará também com a presença da secretária do Departamento de Segurança Interna, Kirstjen Nielsen.

    A reunião ocorrerá uma semana depois da ordem abrupta do presidente Donald Trump para encerrar sua política de separar famílias que cruzam a fronteira dos EUA ilegalmente, o que havia gerado uma revolta global.

    O decreto de Trump não esclarece como suas políticas agressivas de imigração seriam ajustadas para manter famílias intactas, abrigá-las e avaliar seu status legal, adicionando caos ao debate de imigração no Congresso.

    Às pessoas da América Central, eu tenho um recado , disse Pence em Brasília. Não arrisquem suas vidas ou a vida de seus filhos ao tentar entrar nos Estados Unidos em uma via operada por traficantes de drogas e seres humanos. Se você não pode vir legalmente, então nem venha.

    Pence se reuniu nesta terça-feira com o presidente Michel Temer. Em notas conjuntas, ambos disseram que conversaram extensamente sobre a situação na Venezuela, onde as crescentes crises política e econômica levaram milhões de venezuelanos a deixar seu país natal nos últimos anos.

    Pence e Temer também discutiram sobre como fortalecer relações comerciais entre as duas maiores economias das Américas.

    Na quarta-feira, Pence deverá visitar Manaus, onde vai se reunir com imigrantes da Venezuela antes de viajar ao Equador.

    (Reportagem adicional de Roberta Rampton, em Washington)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia EUA suspendem temporariamente julgamentos de imigrantes ilegais que entram no país com filhos

    EUA suspendem temporariamente julgamentos de imigrantes ilegais que entram no país com filhos

    Por Yeganeh Torbati e David Shepardson

    WASHINGTON (Reuters) - Os pais que cruzarem ilegalmente a fronteira do México para os Estados Unidos com os filhos não serão processados por ora porque o governo está ficando sem espaço para abrigá-los, disse uma autoridade do governo norte-americano na segunda-feira.

    O governo do presidente Donald Trump prometeu processar todos os adultos que atravessarem a fronteira ilegalmente, mas sua política de separar crianças imigrantes dos pais foi alvo de críticas em todo o mundo, por isso agora Washington está tentando manter as famílias detidas juntas enquanto os pais aguardam julgamento.

    A medida criou problemas logísticos para abrigar estas famílias, e agora a Agência de Alfândega e Proteção da Fronteira (CBP) não está mais encaminhando novos casos aos tribunais, disseram funcionários da agência.

    A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, disse que o governo não está descartando sua política de tolerância zero para a imigração ilegal, mas que precisa de uma solução temporária até pode alojar famílias imigrantes.

    Isto só durará pouco tempo, porque ficaremos sem espaço, ficaremos sem recursos para manter as pessoas juntas. E estamos pedindo ao Congresso que forneça estes recursos e faça seu trabalho , disse Sarah a repórteres.

    Uma fonte do CBP disse que a agência espera retomar em breve o encaminhamento de casos para processo, e que continua o fazendo com adultos flagrados cruzando a divisa ilegalmente e sem crianças.

    Neste mês Trump enfrentou uma condenação global, que incluiu até críticas de alguns colegas republicanos, por causa das crianças imigrantes que foram separadas de seus pais.

    Ele anulou formalmente a política de separações familiares na quarta-feira, mas o governo ainda tem que reunir mais de duas mil crianças com seus pais, e não está claro como abrigará milhares de famílias enquanto os pais são processados.

    Os militares dos EUA foram instruídos a se prepararem para acolher até 20 mil crianças imigrantes desacompanhadas em suas bases.

    Embora os republicanos controlem as duas câmaras do Congresso, desentendimentos entre moderados e conservadores quanto às questões imigratórias abalaram as perspectivas de uma solução legislativa rápida para a crise na fronteira.

    Ainda na noite de segunda-feira, um grupo de senadores republicanos e democratas tentou chegar a um acordo sobre uma legislação que crie um protocolo para o tratamento de famílias imigrantes enquanto seus pedidos de asilo ou outras proteções da deportação são analisados.

    LER NOTICIA

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. /
    3. noticias
    4. /
    5. tags
    6. /
    7. imigracao
    8. /

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.