alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Bolsonaro sugere que seria eleito no 1º turno se não houvesse problemas com urnas

    Por Thomson Reuters

    Placeholder - loading - news single img

    Atualizada em

    Por Ricardo Brito

    (Reuters) - O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, disse na noite deste domingo que, se não tivesse ocorrido o que chamou de 'problemas' com urnas durante a votação, poderia já ter sido eleito presidente da República no primeiro turno e destacou que vai exigir de autoridades da Justiça Eleitoral soluções.

    'Vamos juntos ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) exigir soluções para o que aconteceu agora e não foi pouca coisa, foi muita coisa. Tenho certeza que se esse problema não tivesse ocorrido e tivéssemos confiança no voto eletrônico, já teríamos o nome do futuro presidente da República decidido no dia de hoje', afirmou Bolsonaro, em transmissão feita pelo Facebook.

    O candidato do PSL, que terminou o primeiro turno na frente e enfrentará o petista Fernando Haddad no segundo turno em 28 de outubro, afirmou que 'lamentavelmente' o sistema venceu a primeira etapa, mas conclamou os apoiadores --após agradecer aos 49 milhões de votos que recebeu-- a não esmorecer até o segundo turno.

    Na transmissão, Bolsonaro destacou que vai trabalhar para derrotar Haddad no segundo turno, sem citar o adversário nominalmente. Ele disse que o opositor se aconselha o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na prisão em Curitiba.

    'Não queremos a volta desse tipo de gente que trouxe o pior da política ao Palácio do Planalto. O Brasil teve uma experiência de 13 anos com o que é o pior que tem na política', disse. 'Não podemos continuar flertando com o socialismo e o comunismo', completou.

    O candidato do PSL afirmou que não será 'fácil' a disputa do segundo turno, uma vez que os adversários têm 'bilhões de reais' para gastar até lá. Sem citar nomes, ele disse lamentar que 'parte' da imprensa espera a volta do PT ao governo.

    'Temos que acreditar em nosso Brasil, devemos continuar mobilizados, não podemos simplesmente nos recolher, falta aí 3 semanas para o segundo turno', disse.

    Bolsonaro disse que vai trabalhar para evitar que se jogue 'na lata do lixo' o trabalho do juiz federal Sérgio Moro, da operação Lava Jato, do Ministério Público e da Polícia Federal no combate à corrupção.

    Bolsonaro afirmou que vai buscar resgatar o Parlamento brasileiro, unir o povo e os 'cacos' que deixou o governo da esquerda brasileira e que pretende 'jogar pesado' na questão da segurança pública para trazer paz às mulheres e às mães.

    Em breve fala sobre a economia, o candidato do PSL disse que vai implementar a proposta economia do economista Paulo Guedes, cotado para ser seu superministro da Economia e que estava ao seu lado na transmissão, de 'tirar o Estado do cangote de quem produz'. Defendeu mais uma vez desonerar a folha de pagamento e desregulamentar 'muita coisa' na economia.

    Bolsonaro afirmou que vai diminuir o tamanho do Estado, tendo no máximo 15 ministérios e acenou de novo com a extinção de estatais e privatizações.

    1. Home
    2. noticias
    3. bolsonaro volta a questionar …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.