alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    China e França concordam em expandir comércio e UE levanta 'questões difíceis'

    Por Thomson Reuters

    Placeholder - loading - news single img

    Atualizada em

    (Reuters) - A China anunciou nesta segunda-feira que comprará mais aviões e produtos agrícolas da França e trabalhará em questões de acesso a mercados, reforçando seus laços comerciais com a Europa, enquanto enfrenta a ameaça de guerra tarifária com os Estados Unidos.

    O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, disse ao primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, que a China planeja comprar mais aviões este ano e está pronta para mais diálogos com a França sobre a compra de aeronaves da Airbus.

    Expliquei ao senhor primeiro-ministro que nos últimos anos compramos muitos aviões de passageiros, e é preciso que haja um período para digerir isso , disse Li em entrevista coletiva. Apesar disso, ainda estamos dispostos a fortalecer a cooperação com a Airbus da França.

    A China adotou agora tom muito diferente do que o que usou com os Estados Unidos, tendo advertido que a Boeing poderia se tornar vítima se as duas maiores economias do mundo não conseguissem evitar uma guerra comercial.

    Tanto a China quanto a União Europeia (UE) estão presas em suas próprias disputas comerciais com os Estados Unidos, e a China tem buscado um terreno comum com a UE para se opor ao que Pequim vê como protecionismo norte-americano.

    Acreditamos que os atritos e disputas relevantes podem ser resolvidos por meio de negociações. Não há vencedores de uma guerra comercial , disse Li.

    Todos os lados devem se unir para expandir o crescimento e não se engajar em colocar barreiras comerciais ou protecionismo. Isso não é bom para ninguém , disse ele.

    No final desta semana, espera-se que o governo Trump revele novas medidas para conter as empresas chinesas que compram participações em empresas norte-americanas.

    O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos está esboçando restrições que impedirão empresas com ao menos 25 por cento de propriedade chinesa de comprarem companhias norte-americanas com tecnologia industrial significativa , afirmou no domingo uma autoridade dos EUA com conhecimento do assunto.

    Washington se queixou de que a China está apropriando indevidamente a tecnologia dos EUA por meio de regras de joint venture e outras políticas, e já anunciou tarifas sobre 34 bilhões de dólares em mercadorias chinesas, o primeiro de um total potencial de 450 bilhões de dólares. As novas tarifas deverão entrar em vigor em 6 de julho.

    Uma autoridade da UE, no entanto, deixou claro que a Europa não está totalmente na mesma página que a China.

    A UE e a China discutiram questões difíceis como subsídios estatais, transferência forçada de tecnologia e questões de segurança cibernética durante as negociações, disse o vice-presidente da Comissão Europeia, Jyrki Katainen, em entrevista coletiva após o diálogo entre a China e a UE em Pequim.

    Katainen disse que a China e a UE precisam trabalhar juntas para enfrentar o excesso de capacidade em setores como o aço e o alumínio, identificando especificamente as indústrias que Trump inicialmente mirou quando iniciou uma guerra tarifária.

    Ele também pediu que a China evite o excesso de capacidade em outras indústrias, incluindo os setores de alta tecnologia cobertos pela estratégia Made in China 2025 .

    O plano Made in China 2025 visa melhorar as capacidades da China em tecnologia da informação avançada, aeroespacial, engenharia naval, produtos farmacêuticos, veículos de energia avançada, robótica e outras indústrias de alta tecnologia.

    (Por Kevin Yao e Ben Blanchard)

    1. Home
    2. /
    3. noticias
    4. /
    5. china e franca concordam em …
    6. /

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.