alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Dólar despenca e tem maior queda semanal em 5 meses, abaixo de R$3,80

    Por Thomson Reuters

    Placeholder - loading - news single img

    Por Claudia Violante

    SÃO PAULO (Reuters) - O dólar despencou e foi abaixo de 3,80 reais nesta sexta-feira, com os investidores respirando mais aliviados diante da cena eleitoral doméstica e sob influência do exterior.

    O dólar recuou 1,84 por cento, a 3,7739 reais na venda, acumulando retração de 2 por cento na semana, a maior desde meados de fevereiro passado (-2,45 por cento).

    Foi ainda a terceira semana consecutiva de baixa, período no qual acumulou perda de 2,67 por cento. O dólar futuro tinha baixa de cerca de 1,50 por cento no final da tarde.

    Na mínima desta sessão, o dólar bateu em 3,7586 reais, com mais de 2 por cento de baixa, após notícias de que líderes dos partidos do blocão, grupo formado por DEM, PP, PRB, PR e Solidariedade, decidiram fechar apoio ao pré-candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, mas a formalização do apoio depende ainda do 'dever de casa' a ser feito pelas partes. Se concretizado, o apoio garante ao tucano bom espaço nas propagandas na TV.

    Alckmin é visto pelo mercado financeiro como um político mais comprometido com os ajustes fiscais. Até então, as notícias indicavam que o blocão estava pendendo para Ciro Gomes, pré-candidato do PDT nas eleições de outubro.

    'O apoio não significa vitória de Alckmin, nem muda de imediato seu desempenho, mas traz uma perspectiva mais animadora ao investidor e aos mercados', afirmou o operador de câmbio da Advanced Corretora Alessandro Faganello.

    A notícia do apoio a Alckmin acabou levando muitos investidores que estavam comprados em dólar (apostas na valorização da moeda norte-americana) a zerarem posições, o que fez a moeda bater a mínima do dia ainda pela manhã. Mas a cautela não foi totalmente deixada de lado.

    'Entre a eleição e a Presidência tem um cara que é o eleitor', afirmou o gestor de uma corretora estrangeira. 'Se o acordo tiver efeito prático (resultar em intenção de votos), o mercado pode melhorar muito', acrescentou.

    O recuo do dólar ante outras moedas no mercado internacional foi outro fator que contribuiu para a trajetória doméstica. A divisa norte-americana tinha forte baixa ante uma cesta de moedas depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, expressar preocupação com uma moeda mais forte.

    O dólar também caía ante moedas de países emergentes, como o peso chileno.

    O Banco Central brasileiro ofertou e vendeu integralmente 14 mil swaps tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, rolando 9,8 bilhões de dólares do total de 14,023 bilhões de dólares dos contratos que vencem em agosto.

    (Edição de Patrícia Duarte)

    1. Home
    2. noticias
    3. dolar despenca e tem maior …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.