alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Governo interino da Venezuela quer ajuda humanitária via 3 fronteiras para dificultar barreiras de Maduro

    Placeholder - loading - news single img

    1527

    Publicada em  

    Por Lisandra Paraguassu

    BRASÍLIA (Reuters) - O autoproclamado governo interino da Venezuela pretende organizar uma ação concertada com a ajuda humanitária saindo ao mesmo tempo da Colômbia, do Brasil, e de Aruba ou Curaçao, no Caribe, para dificultar a ação do governo de Nicolás Maduro, que pretende impedir a entrada das doações ao país, disse à Reuters o deputado venezuelano Lester Toledo, coordenador das ações de ajuda.

    'Quando o presidente Guaidó nos der as instruções nos próximos dias, ele vai anunciar uma data. Nessa data, da Colômbia, por via marítima desde o Caribe, e do Brasil vamos entrar simultaneamente com a ajuda humanitária, com um rio humano, com venezuelanos que vão a fronteira buscar essa ajuda', disse Lester ao sair de um encontro com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta no final da tarde desta segunda.

    Lester disse que a ideia é fazer uma corrente, com venezuelanos comuns, ONGs, a igreja, para forçar a entrada dos comboios dentro do território venezuelano.

    Não há ainda uma data, mas o deputado venezuelano aponta para no máximo duas semanas de espera.

    O primeiro ponto de apoio foi formado na quarta-feira da semana passada na Colômbia, onde toneladas de alimentos e medicamentos já aguardam para serem enviados à Venezuela. O governo de Nicolás Maduro fechou a única ponte viária entre os dois países, mas duas outras, de pedestres ainda estão abertas.

    No lado brasileiro, as conversas avançaram nesta segunda-feira com o Itamaraty e o Ministério da Saúde, e devem continuar amanhã com o Ministério da Defesa. O governo brasileiro se comprometeu a encontrar um local em que as doações possam ser armazenadas em Roraima, garantir a segurança e a entrada de doações de outros países da região e da União Europeia.

    'Outros países se comprometeram a mandar doações, mas eu pedi que esperassem até que pudéssemos abrir outro ponto de apoio no Brasil', explicou. 'A nossa prioridade é o tempo. Queremos até quinta ter a localização. O segundo, é o volume. É muita carga que virá dos Estados Unidos, da Europa, do Grupo de Lima.'

    A terceira via deverá sair de uma das ilhas holandesas no Caribe, Curaçao ou Aruba, para onde o deputado vai nesta terça-feira. Segundo contou, ele já recebeu a autorização do governo holandês para negociar com os governos locais das duas ilhas, e pretende até o final da semana ter acertado o terceiro ponto de envio.

    Lester disse ainda que a logística de recebimento das doações, o armazenamento e a segurança ficarão a cargo do governo brasileiro. O transporte dali para a Venezuela será tocado por seu grupo. O Brasil deve ainda doar medicamentos e alimentos, dentro do que tem capacidade.

    Em uma nota, o Itamaraty confirmou a conversa com os venezuelanos, mas não deu detalhes do que foi acertado. De acordo com uma fonte, o governo está sim a abrir o centro de distribuição e dar apoio logístico, no mesmo modelo da Colômbia. No entanto, sem o mesmo grau de envolvimento dos militares colombianos, que chegaram a se dispor a cruzar a fronteira com os carregamentos.

    Escrito por Thomson Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. governo interino da venezuela …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.