alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Guru econômico de Bolsonaro é investigado por suspeita de fraude, diz fonte

    Placeholder - loading - news single img

    1547

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por Brad Brooks

    SÃO PAULO (Reuters) - O economista Paulo Guedes, coordenador do programa econômico do candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, está sob investigação do Ministério Público Federal por suspeita de praticar fraudes em negócios com fundos de pensão de estatais, disse à Reuters um procurador com conhecimento direto do caso.

    A investigação, revelada inicialmente pelo jornal Folha de S.Paulo, aponta que Guedes captou ao menos 1 bilhão de reais dessas entidades de forma irregular por meio de suas gestoras de recursos a partir de 2009.

    Segundo a Folha, o economista associou-se a executivos de fundos de pensão ligados a PT e MDB para praticar fraudes.

    Para o MPF, há 'relevantes indícios de que, entre fevereiro de 2009 e junho de 2013, diretores/gestores dos fundos de pensão e da sociedade por ações BNDESPar' se consorciaram 'com o empresário Paulo Roberto Nunes Guedes, controlador do Grupo HSM', com a intenção de cometer 'crimes de gestão fraudulenta ou temerária de instituições financeiras e emissão e negociação de títulos imobiliários sem lastros ou garantias', de acordo com a Folha.

    Segundo o jornal, Guedes não respondeu à reportagem quando procurado para comentar a investigação.

    Um representantes de Bolsonaro não respondeu de imediato a um pedido de comentário feito pela Reuters, e não foi possível fazer contato com Guedes imediatamente.

    Telefonemas da Reuters para o Ministério Público Federal não foram atendidas nesta manhã.

    O BNDESPar, braço de investimentos do BNDES, é citado pelos investigadores ao lado dos fundos de pensão Previ (Banco do Brasil), Petros (Petrobras), Funcef (Caixa) e Postalis (Correios), segundo o jornal. Guedes captou ao menos 1 bilhão de reais dessas entidades em seis anos, acrescentou.

    A investigação, que a Folha diz ter tido acesso, foi instaurada pela força-tarefa da Operação Greenfield, que mira esquemas de pagamento de propina em fundos de pensão, afirmou a Folha, acrescentando que as transações suspeitas foram feitas a partir de 2009 com executivos indicados por PT e MDB que também são investigados atualmente por desvio de recursos das instituições.

    Bolsonaro vai enfrentar o candidato do PT, Fernando Haddad, no segundo turno da eleição presidencial, no dia 28 de outubro, após ter sido o mais votado no primeiro turno com 46 por cento dos votos, enquanto Haddad ficou em segundo lugar com 29 por cento.

    Escrito por Thomson Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. guru economico de bolsonaro e …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.