alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Irã pede a Trump que trate país com respeito e sem ameaças de guerra

    Placeholder - loading - news single img
    Ministro das Relações Exteriores iraniano, Javad Zarif 16/05/2019 REUTERS/Kim Kyung-Hoon

    12

    Publicada em  

    LONDRES (Reuters) - O Irã cobrou os Estados Unidos, nesta segunda-feira, a se dirigirem à República Islâmica com respeito, e não com ameaças de guerra, um dia depois de o presidente Donald Trump despertar o temor de um possível conflito entre EUA e Irã.

    Como sinal de um confronto em ebulição um ano depois de Washington se desligar de um acordo nuclear firmado em 2015 com o Irã e readotar sanções, Teerã anunciou um aumento de quatro vezes no ritmo de produção do enriquecimento de urânio de baixo grau.

    As tensões entre Washington e seus aliados sunitas no Golfo Pérsico, de um lado, e de Teerã e seus representantes xiitas na região do outro, ardem há semanas.

    No domingo, Trump tuitou: 'Se o Irã quiser lutar, esse será o fim oficial do Irã. Nunca mais ameacem os Estados Unidos!'.

    O ministro das Relações Exteriores iraniano, Javad Zarif, respondeu em sua conta de Twitter: 'Nunca ameace um iraniano. Tente o respeito – funciona!'.

    Zarif, que foi educado nos EUA, na verdade elogiou Trump por comentários anteriores vistos como alertas à linha-dura do governo norte-americano que estimula um conflito.

    O presidente 'deplora com razão o complexo militar-industrial pressionar os EUA a Guerras Infinitas', tuitou Zarif.

    Mas ele disse que Trump permitiu que um 'time B' de assessores liderados pelo conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, 'jogasse fora a diplomacia', e os acusou de 'ordenhar carniceiros despóticos através da venda maciça de armas' -- uma referência aparente ao maior rival regional do Irã, a Arábia Saudita, maior compradora de armas de Washington.

    Trump endureceu as sanções econômicas contra o Irã, e seu governo diz que reforçou a presença militar norte-americana na região.

    Os EUA acusam Teerã de representar uma ameaça a seus soldados e interesses, o que o regime nega, descrevendo as medidas dos EUA como 'guerra psicológica' e um 'jogo político'.

    Também nesta segunda-feira, o Reino Unido aconselhou o Irã a não subestimar a determinação dos EUA, alertando que se os interesses norte-americanos forem atacados o governo Trump retaliará.

    O chanceler de Omã, Estado do Golfo Pérsico que ajudou a encaminhar conversas entre Irã e EUA no passado, visitou Teerã nesta segunda-feira. Yousuf bin Alawi bin abordou questões regionais e internacionais com Zarif, relatou a agência de notícias estatal iraniana Irna sem dar detalhes.

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. ira pede a trump que trate …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.