Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Mesas do Congresso vão ao STF contra venda de refinarias da Petrobras

    Placeholder - loading - news single img
    02/05/2019. REUTERS/Diego Vara

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por Ricardo Brito

    BRASÍLIA (Reuters) - As Mesas da Câmara dos Deputados, do Senado e do Congresso pediram ao Supremo Tribunal Federal (STF) liminar para impedir a venda pela Petrobras de suas refinarias, com a petição citando as unidades de refino da Bahia (RLAM) e do Paraná (Repar), segundo documento visto pela Reuters nesta quinta-feira.

    No pedido, as mesas legislativas argumentaram que a eventual venda das unidades iria contra uma decisão anterior da própria corte no ano passado, segundo a qual é necessário aval do Congresso para a venda de ativos de uma empresa-matriz.

    A Petrobras recebeu ofertas vinculantes pela RLAM nesta semana. O ativo recebeu propostas ao menos do fundo de Abu Dhabi, Mubadala Investment Company, e do conglomerado indiano Essar Group, disseram fontes à Reuters.

    A Repar será a próxima refinaria da estatal a receber lances, disse o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, na quarta-feira.

    O executivo afirmou que a empresa quer receber ofertas vinculantes por todas suas refinarias à venda 'nos próximos meses'. A empresa planeja vender oito refinarias, ou cerca de meta de seu parque de refino.

    As mesas do Congresso ainda alegaram que, para vender as refinarias, a Petrobras estaria fatiando ativos estratégicos em subsidiárias, cuja privatização não depende de decisão dos parlamentares, visando 'contornar' a decisão da Suprema Corte.

    'Em tal cenário, a decisão tomada pela Suprema Corte será, em sua essência, fraudada, pois, por meio desse expediente de desvio de finalidade, a soberania popular estará privada de influenciar os contornos da venda substancial de ações da empresa-matriz', diz a petição.

    O Legislativo cita na manifestação que a venda da Refinaria Landulpho Alves (RLAM) deve ser concluída até o final do ano, enquanto está marcada para dia 13 a entrega de propostas vinculantes pela Repar.

    O pedido foi distribuído para decisão do presidente do STF, Dias Toffoli, em razão do início do recesso do Poder Judiciário.

    Procurada, a Petrobras disse que não comentaria o assunto.

    Uma fonte da estatal, no entanto, disse à Reuters ter confiança de que a corte não atenderá o pedido das mesas legislativas.

    'Esse é um processo que está politizado desde o início e acreditamos que vai (seguir assim) até o fim', afirmou a fonte, ao ser consultada.

    'Temos que lidar com isso e trabalhar para o que é melhor para companhia', acrescentou a pessoa, que preferiu ficar no anonimato.

    Na avaliação da fonte, 'esse tipo de movimento não faz sentido e a companhia acredita que o STF 'vai reforçar isso'.

    'Estamos cumprindo a decisão anterior do STF e por isso não faz sentido. Temos convicção que o STF não vai conceder a liminar.'

    SURPRESA NA INDÚSTRIA

    Em nota, o Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP) -- associação que representa empresas do setor -- se disse surpreso com o pedido de liminar, defendendo a abertura do mercado de refino e citando a posição do STF que permite a venda de subsidiárias.

    'A venda de refinarias da Petrobras está amparada pela legislação e fundamentada na decisão da mais alta corte de justiça do país', disse o instituto.

    'O IBP entende que a concentração da capacidade de refino no país em apenas uma empresa não atende aos interesses maiores da sociedade brasileira e deve ser corrigida', afirmou, acrescentando que a atração de novos investimentos demanda previsibilidade jurídica e regras claras.

    (Reportagem de Ricardo Brito, com reportagem adicional de Rodrigo Viga Gaier no Rio de Janeiro)

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. mesas do congresso vao ao stf …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.