alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Por que o câncer de pulmão tem afetado mais mulheres do que homens?

    Especialistas tentam chegar a uma conclusão sobre o assunto.

    Placeholder - loading - news single img
    Médicos reunidos (Foto: Banco de Imagens)

    2753

    Publicada em  

    A revista norte-americana TIME fez uma reportagem contando a história de Gina Hollenbeck. A enfermeira do Tennessee e mãe de dois filhos evitou o cigarro a vida toda. Ela comeu comida orgânica. Ela praticou corrida e tênis.

    Em 2015, ela desenvolveu uma tosse persistente e rapidamente perdeu peso. Durante meses, nenhum especialista conseguiu identificar o que estava errado. Finalmente, o resultado de suas radiografias do tórax e a levou a uma sala de emergência, onde foi encaminhada a um pneumologista que a diagnosticou com câncer de pulmão avançado.

    Nos Estados Unidos, as taxas gerais de câncer de pulmão caíram significativamente nas últimas décadas. Mas as mulheres, que tradicionalmente fumavam menos que os homens e, portanto, desenvolviam e morriam com menos frequência de câncer de pulmão, agora respondem por um número desproporcionalmente alto de diagnósticos.

    O câncer de pulmão é a forma mais letal de câncer nos EUA. Porém, as taxas de mortalidade caem há décadas, impulsionadas por avanços médicos e reduções históricas no consumo de cigarros. Os benefícios, no entanto, não foram compartilhados igualmente.

    Um estudo de 2018 no New England Journal of Medicine mostrou que as taxas de incidência de câncer de pulmão realmente aumentaram nos últimos 20 anos entre as mulheres nascidas entre 1950 ou 1960; nas mulheres mais jovens, o diagnóstico caiu, mas não tanto quanto nos homens.

    Ahmedin Jemal, coautor do estudo, diz que os hábitos de fumar não podem explicar totalmente a mudança demográfica no câncer de pulmão. A partir de 2017, quase 16% dos homens adultos fumavam, em comparação com cerca de 12% das mulheres, de acordo com dados federais. Além disso, embora os não fumantes representem cerca de 15% de todos os diagnósticos de câncer de pulmão, 24% das mulheres diagnosticadas em 2016 eram não fumantes como Hollenbeck. Isso significa que outros fatores estão contribuindo para a tendência preocupante.

    "É completamente desconhecido no momento", diz Alice Berger, que pesquisa genética e câncer no Fred Hutchinson Cancer Research Center de Seattle.

    Os cientistas estão começando a se concentrar em algumas pistas. Pesquisas mostram que o tipo de câncer de pulmão mais comum entre os não fumantes afeta desproporcionalmente as mulheres, e é mais provável que as mulheres jovens tenham uma mutação genética frequentemente encontrada nesse tipo da doença. A boa notícia é que a mutação responde bem às novas terapias direcionadas contra o câncer.

    Leia também: A imunoterapia é marco na busca pela cura do câncer.


    Peculiaridades dos hormônios sexuais femininos ou do sistema imunológico das mulheres podem ser responsáveis, diz Berger. Mas a pesquisa está em andamento, então, por enquanto, essas ideias permanecem teorias.

    Outras hipóteses se concentram em como os cigarros afetam as mulheres que fumam. Jemal diz que algo sobre a biologia feminina pode tornar as mulheres mais suscetíveis que os homens a mutações genéticas causadas por agentes cancerígenos nos cigarros. Nesse caso, uma porcentagem maior de mulheres que adquirem o hábito pode desenvolver câncer em relação aos homens. Mas isso também permanece uma teoria que exige uma investigação mais aprofundada.

    1. Home
    2. noticias
    3. por que o cancer de pulmao …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.