alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASILANTENA 1

    Protocolo para barragens precisa mudar e MP terá ação mais severa, diz Dodge

    Placeholder - loading - news single img

    Publicada em  

    (Reuters) - A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou neste sábado que é necessário mudar o protocolo de segurança de barragens no país e que o Ministério Público terá ação mais severa e firme na tragédia em Brumadinho após os aprendizados com o desastre em Mariana, também em Minas Gerais, em 2015.

    'Sabemos que há um protocolo cientifíco que garante a segurança das barragens, mas sabemos também que é preciso aprimorar esse protocolo científico porque ele tem falhado', disse ela à imprensa, após ter visitado um espaço da mineradora Vale que está funcionando como centro de apoio após o acidente.

    'Só o Estado de Minas Gerais tem quase 700 barragens que estão classificadas em razão do risco de rompimento e é preciso garantir que esse risco seja realmente baixo e que as informações sobre isso sejam confiáveis', disse.

    Na véspera, o presidente da Vale, Fabio Schvartsman, afirmou que a tragédia causou surpresa pelo fato de laudos técnicos recentes terem apontado baixo risco de acidente no local.

    O vice-presidente da República, general da reserva Hamilton Mourão, disse à Reuters neste sábado que é preciso averiguar se as verificações e inspeções foram de fato realizadas ou se 'foi só papel'. [nL1N1ZQ07E]

    Aos jornalistas, Dodge afirmou que 'certamente há um culpado' e que o Ministério Público está examinando como agirá em relação à Vale.

    O acidente ocorreu pouco mais de três anos depois de a barragem Fundão, da Samarco, joint venture da Vale e da BHP Billiton, ter se rompido em Mariana, matando 19 pessoas e causando o pior desastre ambiental do Brasil.

    Na avaliação de Dodge, o Ministério Público terá ação 'mais rígida, mais severa e mais firme' após os aprendizados com a tragédia anterior.

    A procuradora-geral da República também ressaltou a importância de soluções extrajudiciais para os problemas.

    'A solução judicial vem, mas é um pouco mais lenta. É preciso que governos cobrem da empresa ou das empresas envolvidas a sua responsabilidade e que as empresas se apresentem resolvendo imediatamente os problemas', disse.

    A tragédia em Brumadinho já deixou 34 mortos.

    A barragem 1, que se rompeu, estava paralisada há três anos e estava sendo descomissionada, segundo a Vale. A estimativa é que havia cerca de 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério de ferro no local.

    (Reportagem de Marcela Ayres, em Brasília)

    Escrito por Thomson Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. protocolo para barragens …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.