Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Sem choques em 2019 economia brasileira teria crescido 1,54%, aponta Campos Neto

    Placeholder - loading - news single img
    Roberto Campos Neto, presidente do Banco CentralREUTERS/Amanda Perobelli

    Publicada em  

    BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, apontou que a economia brasileira foi afetada por choques em 2019 e que, sem eles, a perspectiva de crescimento da atividade seria de 1,54%, ante alta de 0,87% esperada pelo mercado conforme pesquisa Focus.

    A mensagem veio em apresentação divulgada no site do BC por ocasião da participação de Campos Neto em eventos relacionados às reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Mundial, que acontecem a partir desta quinta-feira em Washington.

    Nas contas do BC, a desaceleração global tirou 0,29 ponto do crescimento do PIB previsto para este ano.

    O rompimento de barragem da Vale em Brumadinho (MG) limou 0,20 ponto do PIB, ao passo que a crise na Argentina respondeu pelo decréscimo de 0,18 ponto na atividade brasileira, trouxe a apresentação.

    No fim de setembro, o BC previu que a economia irá exibir uma expansão de 0,9% este ano, acima do percentual de 0,8% calculado antes, e que o crescimento dobrará a 1,8% em 2020.

    No documento, Campos Neto reiterou ainda que a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir novo corte na Selic após a autoridade monetária ter reduzido a taxa básica em 0,5 ponto, à mínima histórica de 5,5%, na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em setembro.

    A próxima decisão do Copom será tomada no dia 30 deste mês e a expectativa do mercado, segundo pesquisa Focus mais recente, é de novo corte de 0,5 ponto em meio ao ambiente de baixa inflação.

    Para o fim deste ano, economistas consultados pelo BC veem a Selic em 4,75%, sendo que o Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, já ajustou essa perspectiva a 4,50%.

    'Os próximos passos na condução da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação', acrescentou o presidente do BC.

    Sobre o mercado externo, Campos Neto sinalizou que o quadro ainda é incerto e que riscos de uma desaceleração mais profunda da economia global permanecem.

    FINTECHS

    O presidente do BC indicou que o segmento de fintechs de crédito está 'florescendo' no país, com 20 empresas aguardando autorização da autoridade monetária para entrarem em operação.

    Até agora, 13 estão atuando, sendo 9 no modelo de Sociedades de Crédito Direto (SCDs), realizando operações com recursos próprios, e outras 4 como Sociedades de Empréstimo entre Pessoas (SEP), que conectam investidores a tomadores de recursos.

    'O segmento já é responsável por cerca de 250 milhões de dólares em operações de crédito', indicou Campos Neto.

    (Por Marcela Ayres)

    Escrito por Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. sem choques em 2019 economia …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.