Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1

NOTÍCIAS SOBRE meditação

Veja essas e outras notícias da Antena 1

Placeholder - loading - Imagem da notícia Sobrecarregar o cérebro compromete a longevidade

Sobrecarregar o cérebro compromete a longevidade

Existem muitos fatores que influenciam por quanto tempo alguém vive. Alguns, como seus genes, estão fora de controle. Outros, como seu estilo de vida e ambiente, são um pouco mais fáceis de alterar.

Segundo a revista norte-americana LINK, um novo artigo publicado na LINK encontra outro fator que se situa entre esses extremos. O estudo sugere que a atividade neural excessiva no cérebro está ligada a uma vida útil mais curta e que suprimir essa atividade extra pode prolongá-la. A descoberta é preliminar e exigirá muito mais pesquisa antes de resultar em recomendações concretas de saúde. Mesmo assim, ela abre a possibilidade de usar drogas ou intervenções comportamentais, como meditação, para alterar a atividade do cérebro e possivelmente retardar os efeitos do envelhecimento.A ligação entre a atividade do sistema nervoso e a longevidade não foi totalmente inesperada. O mecanismo que controla a excitação cerebral está intimamente relacionado àquele que controla o metabolismo, que tem sido associado à vida útil, diz o coautor do estudo, Bruce Yanker, professor de genética e neurologia em Harvard.Mas o fato de que menos atividade cerebral estava associada à longevidade a princípio parecia "contra-intuitivo" para Yanker, que assumiu que um cérebro ativo estaria ligado a uma melhor saúde e vitalidade. Depois que ele e seus colegas examinaram o tecido cerebral de centenas de indivíduos humanos falecidos, agrupados por idade da morte, eles descobriram que o tecido daqueles que viveram vidas mais longas, morrendo aos 90 ou 100 anos, sugeriram que haviam experimentado menos atividade neural do que aqueles que morreram com 70 ou 80 anos."Uma possível explicação é que isso poderia ter sido uma correlação: à medida que as pessoas envelhecem, seus cérebros desaceleram", diz Yanker. Aqueles que morreram mais jovens, eles pensaram, podem simplesmente ter morrido de causas não relacionadas à atividade neural. Mas, sem poder testar essa teoria em humanos, eles se voltaram para os vermes, que costumam ser usados ??em pesquisas de envelhecimento devido ao seu tempo de vida curto e fácil de estudar.O que eles encontraram foi além da coincidência. Usando imagens do cérebro, eles viram que a atividade neural dos vermes aumentava com a idade - e quando os pesquisadores deram aos seres um medicamento que acalmava parte dessa atividade, eles viveram mais tempo. Quando os pesquisadores estimularam os neurônios dos vermes, eles morreram mais rápido. Os testes em ratos mostraram efeitos semelhantes.Em seguida, os pesquisadores tentaram encontrar a proteína que controlava toda essa atividade neural. Usando algoritmos de computador, eles restringiram a pesquisa a uma proteína chamada REST, que pesquisas do laboratório de Lanker sugeriram anteriormente que poderiam proteger o cérebro contra a demência."Quando nós superexpressamos ou aumentamos essa proteína no verme, o verme agora, curiosamente, reduziu a quantidade de excitação do sistema nervoso e viveu mais", explica Lanker. "Quando fizemos o oposto, quando recusamos, conseguimos mais excitação e o verme teve uma vida útil mais curta".Segundo Lanker, essa descoberta sugere que o REST poderia ser um alvo eficaz para medicamentos destinados a combater doenças neurodegenerativas como a do Alzheimer.
Outras pesquisas

Pesquisas anteriores mostraram que, à medida que a doença de Alzheimer progride, os pacientes apresentam atividade neural excessiva no hipocampo, a parte do cérebro onde a doença geralmente se origina. Outro estudo de Johns Hopkins mostrou evidências precoces de que um medicamento anticonvulsivo que suprime a excitação neural melhora a memória em pacientes com comprometimento cognitivo leve. Encontrar o equilíbrio certo entre suprimir a atividade neural excessiva e preservar a função necessária seria complicado, admite Yanker, mas provavelmente não é impossível.SoluçõesAlém dos caminhos promissores para a pesquisa de drogas, Yanker diz que o trabalho sugere hábitos e comportamentos que afetam a atividade neural do cérebro - como ioga e meditação - que podem potencialmente prolongar a vida útil. Essa é uma ideia comum nas tradições de cura orientais, mas que apenas recentemente se infiltrou no estabelecimento médico ocidental, diz ele.É muito cedo para prescrever uma sessão diária de meditação ou aula de ioga com base nessas descobertas, mas Yanker diz que o artigo é um passo promissor para entender como "os pensamentos, a personalidade e o comportamento de uma pessoa afetam sua saúde e longevidade".

4 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Meditação é boa opção para aliviar o estresse

Meditação é boa opção para aliviar o estresse

Quando se trata de meditação, você pode pensar que leva anos de treinamento, ou uma jornada espiritual, para obter quaisquer benefícios. Mas a essência da prática é, na verdade, bastante simples. Suas técnicas podem trazer um pouco de alívio para muitas situações estressantes do cotidiano, incluindo viagens. "Estamos falando de uma espécie de versão um pouco mais sofisticada do conselho que sua mãe lhe deu, quando você era criança, de 'respirar fundo'", disse Dan Harris, co-âncora do programa Nightline da ABC. "Você não precisa acreditar em nada. É um exercício muito simples e secular para o cérebro", continuou Harris, que escreveu o livro "10% mais feliz”, que guia meditações. De acordo com a mais recente Pesquisa Nacional de Entrevistas de Saúde, mais adultos americanos estão meditando do que nunca, com mais de 14% dizendo que praticaram no ano passado, acima dos 4,1% em 2012.Dado que um efeito conhecido da prática da atenção plena é a redução do estresse e da ansiedade, os viajantes podem se beneficiar."Há uma forte pesquisa que mostra que a meditação pode melhorar a saúde mental", disse Megan Jones Bell, cientista-chefe de dados do aplicativo de meditação Headspace. “A meditação pode nos ajudar a aprender a estar mais presentes, a ver a nós mesmos e aos outros a partir de uma nova perspectiva e a abordar a vida de maneira mais engajada e pacífica. Isso tudo pode ser muito útil durante qualquer parte de nossas vidas e especialmente durante a viagem.”"Não podemos controlar se o avião está atrasado, ou se a nossa bagagem se perder, ou o tráfego na estrada, e meditação e atenção plena nos permitem aprender a aceitar os desconhecidos e até mesmo abraçá-los", disse Bell.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

5 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Cada vez mais pessoas praticam ioga e meditação

Cada vez mais pessoas praticam ioga e meditação

Cerca de 14 por cento dos adultos e um número crescente de crianças praticam ioga e meditação, de acordo com novos dados do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde do Centro para Controle e Prevenção de Doenças, dos Estados Unidos. Entre 2012 e 2017, a porcentagem de crianças e adultos que disseram ter praticado ioga ou meditado no ano passado aumentou significativamente. Cerca de 14 por cento dos adultos relataram praticar ioga e meditação em 2017, em comparação com 9,5 por cento e 4 por cento, respectivamente, em 2012. Enquanto isso, o percentual de crianças entre 4 e 17 anos que praticaram a ioga no último ano aumentou de cerca de 3 a 8 por cento, e a porcentagem de crianças que praticaram meditação subiu de 0,6 para 5,4 por cento.Estima-se que os americanos gastaram quase US$ 17 bilhões em aulas, roupas e equipamentos de ioga em 2016. Pesquisas sobre os benefícios para a saúde dessas práticas – que vão desde a diminuição do estresse, ansiedade e depressão até uma melhor saúde vascular e menor risco de doenças cardíacas - também estão aumentando. E, à medida que mais adultos começam a praticar as modalidades e aprender sobre seus benefícios, a mensagem também chega às crianças.Mas enquanto essas atividades estão em ascensão em toda faixa etária e demografia, ainda existem divisões raciais e de gênero significativas. Em 2017, quase 20 por cento das mulheres disseram que fizeram ioga no ano passado, em comparação com cerca de 9 por cento dos homens. Cerca de 17 por cento dos adultos brancos disseram que praticavam ioga, em comparação com cerca de 9 por cento dos adultos negros e 8 por cento dos adultos hispânicos. Enquanto isso, cerca de 16 por cento das mulheres disseram que praticaram meditação, em comparação com quase 12 por cento dos homens. Cerca de 15 por cento dos adultos brancos disseram ter meditado, em comparação com 13,5 por cento dos adultos negros e quase 11 por cento dos adultos hispânicos. Gênero e lacunas raciais semelhantes existiam para as crianças.E a ioga é mais popular entre os adultos mais jovens: cerca de 18 por cento das pessoas com idades entre 18 e 44 anos disseram ter praticado no ano passado, em comparação com cerca de 12 por cento das idades de 45 a 64 anos e quase 7 por cento das pessoas com 65 anos ou mais. A meditação, no entanto, foi mais popular entre os adultos de meia-idade, em quase 16 por cento, em comparação com cerca de 13 por cento dos jovens e adultos mais velhos.As diferenças entre os grupos etários dos jovens eram menos pronunciadas, embora o ioga fosse um pouco mais popular entre crianças de 4 a 11 anos do que pré-adolescentes e adolescentes.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

5 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Aprenda meditação que pode aliviar a ansiedade

Aprenda meditação que pode aliviar a ansiedade

O Brasil está entre os primeiros países no ranking do índice da ansiedade, segundo levantamento recente da Organização Mundial da Saúde (OMS), com aproximadamente 9 por cento das pessoas apresentando o problema.Considerada como o mal do século, a ansiedade afeta pessoas no mundo todo, em diferentes graus. Inclusive, ela pode desencadear outros problemas, como pânico, fobias, transtornos obsessivos-compulsivos e estresse pós-traumático. E lidar com as emoções e aprender a controla-las não é simples e envolve muito mais do que apenas força de vontade.Mas, para tornar essa tarefa mais fácil, o site especializado em saúde e bem-estar, The Active Times, ensinou um exercício que dura apenas dois minutos (ou até menos) capaz de diminuir a angústia.A técnica, uma espécie de meditação, tem dois passos básicos:O primeiro é colocar os pés no chão e senti-los firmes no solo, e isso independe se a pessoa está sentada ou de pé.O segundo passo é respirar e ficar atento no ar que entra e sai dos pulmões. Durante essa etapa, vale utilizar algumas técnicas de respiração, como a 5, 7, 9 (quando a pessoa respira por cinco segundos, segura por sete e expira por nove).A ideia é que, com os pés sempre conectados ao chão, a pessoa foque na respiração a fim de acalmar a mente.Por mais que algumas dicas possam ajudar a lidar com o problema, é necessário frisar que alguns graus de ansiedade precisam de profissionais para serem tratados.Alguns sintomas da ansiedadeQuando as preocupações se tornam fatores limitantes para a execução de outras tarefas.

5 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Meditação pode evitar alcoolismo

Meditação pode evitar alcoolismo

Exercícios de meditação que se concentram na tomada de consciência dos estados mentais de cada momento é utilizada para encorajar as pessoas a reconhecerem seus vícios e combatê-los por conta própria. A desvantagem é que geralmente esse tipo de tratamento envolve muitas horas de treinamento e muitas sessões, o que pode não ser muito prático.Mas cientistas da Universidade College London, na Inglaterra, descobriram que apenas alguns minutos exercitando esse tipo de meditação já surtem efeito em pessoas que costumam exagerar na bebida.Segundo Sunjeev Kamboj, principal autor do estudo, a atenção plena pode tornar a pessoa mais consciente de sua capacidade de responder contra impulsos. “Ao tornarem-se mais conscientes de seus desejos, acreditamos que os participantes foram capazes de refletir em vez de lançarem-se automaticamente sobre a bebida quando sentiam vontade”, explicou.Os autores acreditam que a descoberta pode ajudar pessoas em risco de se tornarem alcóolatras a reduzir os níveis de consumo. E é possível praticar a técnica em casa, sem precisar gastar muito tempo e dinheiro. “Existem muitos livros, discos, sites e aplicativos que ajudam a treinar a atenção plena”, disse Kamboj.Os cientistas ainda querem testar se a atenção plena pode beneficiar pessoas que abusam de outras substâncias. Mas, apesar dos resultados positivos, ainda não se sabe se os pacientes precisam querer voluntariamente cortar o vício para observar os benefícios relacionados à meditação.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

6 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Meditar pode reduzir o estresse

Meditar pode reduzir o estresse

Meditar de forma regular pode ajudar a reduzir o estresse e os problemas de saúde e bem-estar associados a ele. De acordo com um estudo do Instituto do Cérebro do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, oito semanas de práticas de atividades relacionadas à meditação reduziram em 35,3 por cento os sintomas de estresse, 27,84 por cento de tristeza e 14 por cento de emoções como o medo e irritação.O estudo foi feito com 70 mulheres que ocupavam cargos de liderança na Natura. Durante oito semanas, elas participaram de um programa desenvolvido em parceria com a Associação Palas Athena, que consistia em encontros presenciais semanais com uma hora e meia de duração. As participantes também foram orientadas a praticar a meditação em casa, por pelo menos quatro vezes por semana, durante 15 minutos.Os resultados mostraram que o estresse das voluntárias foi reduzido em 35,3 por cento em relação ao mês anterior à pesquisa. Também houve melhora nos sintomas psiquiátricos geralmente associados ao estresse. Sensações de tristeza e preocupação, por exemplo, diminuíram em quase 28 por cento dos casos. Também houve redução em outras emoções negativas, como medo e irritação.“A jornada dupla é realidade para a maioria das mulheres e isso contribui para o aumento do estresse, que é um ciclo vicioso“, diz Patrícia Tobo, gerente científica de bem-estar da Natura.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

6 A

Fique por dentro

de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

  1. Home
  2. noticias
  3. tags
  4. meditacao

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.