alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    NOTÍCIAS SOBRE prisao

    Veja essas e outras notícias da Antena 1

    Placeholder - loading - Imagem da notícia Trump diz que tropas não vão atirar contra caravana de migrantes

    Trump diz que tropas não vão atirar contra caravana de migrantes

    WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na sexta-feira que os imigrantes ilegais que jogarem pedras contra militares serão presos, mas não serão atacados pelas tropas.

    Ele fez os comentários a repórteres um dia de sugerir que os militares poderiam atirar contra os membros da caravana de migrantes que tenta chegar nos Estados Unidos se eles atirassem pedras nos militares.

    'Eles não terão que atirar. O que eu não quero é que eu não quero essas pessoas jogando pedras', disse Trump a repórteres em frente à Casa Branca.

    'Se eles fizerem isso conosco, eles serão presos por um longo tempo', acrescentou Trump.

    Trump tem endurecido sua posição sobre imigração e, especificamente, contra a caravana de migrantes antes das eleições parlamentares da próxima semana, nas quais o Partido Republicano de Trump procura manter o controle de ambas casas do Congresso.

    Na segunda-feira, o Pentágono informou que enviou mais de 5.200 soldados para a fronteira depois que Trump disse no Twitter que estava enviando militares para enfrentar a caravana de migrantes, um grupo de homens, mulheres e crianças viajando através do México enquanto fogem da violência e da pobreza na América Central.

    Trump disse na quarta-feira que os Estados Unidos podem enviar até 15 mil soldados para a fronteira, mais do que no Afeganistão.

    Na quinta-feira, Trump disse que seu governo estava finalizando um plano para exigir que os requerentes de asilo entrassem no país através de portos legais de entrada, embora ainda não esteja claro se tal limitação seria legalmente possível.

    (Por Roberta Rampton)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Juiz da Nicarágua emite mandado de prisão para líder de oposição

    Juiz da Nicarágua emite mandado de prisão para líder de oposição

    MANÁGUA (Reuters) - Um juiz de Manágua emitiu na segunda-feira um mandado de prisão para o líder de oposição da Nicarágua Felix Maradiaga, acusado pelo governo de financiar violentos protestos que têm abalado o país da América Central.

    O governo de Daniel Ortega alega que Maradiaga financiou os protestos e treinou manifestantes por meio de uma organização que lidera, o Instituto de Estudos Estratégicos e Políticas Públicas.

    'Minha consciência está limpa. Sempre fui guiado pela justiça, pela não violência e pela integridade. Hoje eu tenho mais convicção moral do que nunca', escreveu Maradiaga em publicação no Twitter.

    'Aqueles de nós que amam a Nicarágua e acreditam na liberdade têm a obrigação ética de continuar firmemente nessa luta civil'.

    Atualmente Maradiaga não está na Nicarágua.

    Cerca de 300 pessoas foram presas na Nicarágua desde que os protestos começaram em abril, de acordo com ativistas de direitos humanos locais. Mais de 300 pessoas morreram durante as manifestações, em repressões lideradas pela polícia e por grupos armados de apoio ao governo, afirmaram grupos de direitos humanos.

    Os protestos começaram depois que o governo de esquerda de Ortega sinalizou uma redução nos benefícios sociais, mas logo se transformaram em uma ampla oposição a Ortega, que está no poder desde 2007. Ortega também liderou o país na década de 1980, durante a guerra civil da Nicarágua.

    (Reportagem de Ismael Lopez)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia PF prende suposto operador financeiro do Hezbollah em Foz do Iguaçu

    PF prende suposto operador financeiro do Hezbollah em Foz do Iguaçu

    SÃO PAULO (Reuters) - A Polícia Federal prendeu nesta sexta-feira um homem identificado pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos como um financiador de alto escalão do Hezbollah, depois que o Paraguai pediu a detenção por declaração de nacionalidade incorreta, disseram autoridades nesta sexta-feira.

    Autoridades dos EUA designaram o libanês Assad Ahmad Barakat como um dos 'membros mais proeminentes e influentes' do Hezbollah em 2004. Segundo as autoridades norte-americanas, ele atuou como tesoureiro do grupo durante muito tempo e era associado ao então diretor financeiro do Hezbollah, grupo militante sediado no Líbano.

    Barakat foi preso em Foz do Iguaçu, do lado brasileiro da Tríplice Fronteira, pela divisão antiterrorismo da Polícia Federal, de acordo com comunicado da Procuradoria-Geral da República.

    Não ficou claro de imediato se Barakat tem um advogado.

    A Polícia Federal informou, também em comunicado, que o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a prisão de Barakat depois que as autoridades paraguaias emitiram um mandado em agosto.

    De acordo com a PF, autoridades argentinas o acusaram de lavar 10 milhões de dólares por meio de um cassino em Puerto Iguazú.

    Barakat já esteve preso no Paraguai entre 2002 e 2008 devido a acusações de sonegação fiscal. Depois de sua libertação, disse a PF, Barakat passou a morar no Brasil e a realizar negócios no Paraguai, na Argentina e no Chile.

    (Por Gram Slattery)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Venezuela diz ter prendido 2 militares ligados a explosões de drones em discurso de Maduro

    Venezuela diz ter prendido 2 militares ligados a explosões de drones em discurso de Maduro

    CARACAS (Reuters) - O procurador-geral da Venezuela, Tarek Saab, disse nesta terça-feira que dois militares de alta patente foram presos por suposto envolvimento em explosões de drones ocorridas durante um discurso do presidente Nicolás Maduro no início deste mês.

    O governo venezuelano acusou políticos da oposição e ativistas anti-Maduro no exterior de tramarem o assassinato do líder de esquerda com aeronaves de controle remoto repletas de explosivos durante um desfile militar.

    A polícia prendeu 14 pessoas, incluindo um parlamentar e vários jovens, e 20 outros suspeitos continuam foragidos, inclusive na vizinha Colômbia e nos Estados Unidos, segundo autoridades.

    Saab disse que o coronel Pedro Zambrano e o general Alejandro Pérez foram apresentados em um tribunal na segunda-feira.

    Nenhum outro detalhe sobre os detidos estava disponível de imediato.

    O Ministério da Informação, que atende a mídia em nome do governo, não respondeu a um pedido de comentário. A Reuters não conseguiu contato com os dois militares.

    O suposto envolvimento de militares no incidente com drones é marcante uma vez que as Forças Armadas são mediadoras do poder há tempos no país em grave crise.

    Críticos de Maduro afirmam que ele está usando o incidente para reprimir a dissidência e consolidar seu controle em meio a uma crise econômica que provocou uma hiperinflação e blecautes frequentes.

    Já o presidente diz que seu governo é vítima de uma 'guerra econômica' liderada por ativistas opositores com a ajuda de Washington, que tenta miná-lo como fez no passado com outros líderes de esquerda latino-americanos.

    (Por Vivian Sequera e Corina Pons)

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Autoridades da Nicarágua mataram, prenderam e torturaram pessoas, diz ONU

    Autoridades da Nicarágua mataram, prenderam e torturaram pessoas, diz ONU

    Por Stephanie Nebehay

    GENEBRA (Reuters) - A polícia e autoridades da Nicarágua mataram e prenderam pessoas sem o devido processo legal e cometeram torturas, denunciou o escritório de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira, pedindo o fim dos episódios de violência que deixaram estimados 280 mortos desde abril.

    Em abril foram deflagrados protestos contra um plano do presidente Daniel Ortega de reduzir benefícios dos aposentados. O governo recuou, mas sua reação violenta às manifestações provocou um protesto mais amplo contra a gestão Ortega.

    O presidente é um ex-líder guerrilheiro marxista que está no poder desde 2007, também tendo governado o país entre 1979 e 1990.

    'Uma ampla gama de violações de direitos humanos está sendo cometida, inclusive execuções extrajudiciais, torturas, detenções arbitrárias e a recusa ao direito de livre expressão das pessoas', disse o porta-voz de direitos humanos da ONU, Rupert Colville, em um boletim à imprensa.

    O saldo incluiu ao menos 19 policiais, disse, acrescentando que os relatos vêm de agentes de direitos humanos no país e que têm como pano de fundo a ausência do Estado de Direito.

    'A grande maioria das violações é do governo ou de elementos armados que parecem estar trabalhando conjuntamente com ele', disse Colville à Reuters, acrescentando que os manifestantes são em sua maioria pacíficos, mas que alguns andam armados.

    Na segunda-feira, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que grupos ligados ao governo da Nicarágua estão usando força letal 'inaceitável' contra os cidadãos, e pediu o fim da violência.

    O escritório de direitos humanos da ONU exortou o governo da Nicarágua a prestar informações sobre dois ativistas desaparecidos desde que foram detidos no aeroporto na semana passada e a abrir todas as prisões para monitores.

    Os ativistas Medardo Mairena e Pedro Mena foram detidos pela polícia no aeroporto de Manágua na sexta-feira, e as autoridades não disseram às suas famílias onde eles estão, apesar de solicitações judiciais, disse Colville.

    Mais tarde nesta terça-feira, autoridades de direitos humanos da ONU tiveram acesso a uma prisão da capital, La Modelo, o que pode ser 'um pequeno avanço', afirmou. Mas elas querem visitar a prisão de El Chipote, também na capital, onde estão sendo mantidos muitos dos detidos, segundo ele.

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia Ex-chefe de campanha de Trump é mandado para prisão por juíza dos EUA

    Ex-chefe de campanha de Trump é mandado para prisão por juíza dos EUA

    Por Sarah N. Lynch e Warren Strobel

    WASHINGTON (Reuters) - Uma juíza federal dos Estados Unidos condenou Paul Manafort à prisão, depois de ele ser acusado de adulteração de testemunhas, no mais recente episódio da queda de um homem que comandou a campanha do presidente dos EUA, Donald Trump, em 2016.

    Manafort, um operador político de longa data e empresário, tem sido foco da investigação do procurador especial Robert Mueller sobre o papel da Rússia na eleição presidencial de 2016 nos EUA.

    Manafort foi indiciado em Washington e na Virgínia por uma série de acusações principalmente financeiras, incluindo conspiração para lavar dinheiro e fraudar os Estados Unidos.

    Ele estava em confinamento domiciliar em Alexandria, na Virgínia, e fora obrigado a usar dispositivo de monitoramento eletrônico. Mas na semana passada Mueller fez uma nova acusação, de adulteração de testemunhas.

    Manafort se declarou inocente dessa acusação nesta sexta-feira, mas a juíza distrital norte-americana Amy Berman Jackson, em Washington, revogou sua fiança, mandando-o para a cadeia.

    Eu não tenho desejo disso , disse a juíza. Mas no final, eu não posso fechar os olhos. Você abusou da confiança depositada em você , acrescentou.

    Manafort virou-se brevemente para acenar para sua esposa na primeira fila antes de sair por uma porta nos fundos do tribunal, segundo testemunhas da corte.

    Mueller, cuja investigação tem ofuscado a Presidência de Trump, está investigando se a campanha do presidente em 2016 colaborou com Moscou e se Trump tentou ilicitamente obstruir a investigação. Trump chamou a investigação de Mueller de uma caça às bruxas e nega ter cometido erros.

    Especialistas jurídicos disseram que Mueller quer continuar a pressionar Manafort para se declarar culpado e ajudar os promotores com a investigação.

    Manafort presidiu a campanha de Trump por apenas dois meses, antes de renunciar em agosto de 2016, após uma reportagem de que recebeu pagamentos possivelmente ilegais do partido político do ex-presidente pró-russo da Ucrânia.

    LER NOTICIA
    Placeholder - loading - Imagem da notícia 'Isolamento total': parlamentar de oposição conta sobre tempo em prisão venezuelana

    'Isolamento total': parlamentar de oposição conta sobre tempo em prisão venezuelana

    Por Fabian Cambero e Angus Berwick

    CARACAS (Reuters) - Um ano e meio no temido sistema prisional venezuelano, privado de comida e água, levaram o parlamentar de oposição Gilber Caro a perder 18 quilos, cerca de um quinto de seu peso total, segundo relato do próprio.

    Em um determinado momento, Caro diz ter usado agulha e linha para costurar seus lábios para uma greve de fome de cinco dias, em protesto contra as péssimas condições. Autoridades prisionais negam esse relato, que não pôde ser confirmado independentemente pela Reuters.

    Agora, o político de 43 anos, que foi libertado da prisão no início de junho juntamente com outros ativistas de oposição, disse que pretende denunciar as táticas empregadas pelo governo do presidente Nicolás Maduro, apesar dos libertados serem proibidos de falarem com a imprensa. 

    Maduro libertou dezenas de membros da oposição em um gesto de paz após sua reeleição para um novo mandato de seis anos no mês passado, fato que foi condenado pela maioria dos países ocidentais como uma farsa não democrática. Os Estados Unidos impuseram novas sanções à fundamental indústria de petróleo venezuelana. 

    Em entrevista, Caro, um membro da liderança do partido de oposição Vontade Popular, contou como as autoridades venezuelanas o transferiram entre solitárias em diferentes prisões para impedir que ele se sentisse acomodado. 

    Caro diz que recebeu pouca comida e água e foi impedido de ver membros de sua família ou advogados. Em sua primeira prisão na cidade de San Juan de Los Morros, no Estado de Guarico, Caro disse que ficou quatro meses sem poder falar com ninguém. 

    O que eu experimentei foi isolamento total , disse Caro, com seu rosto abatido pela perda de peso. 

    Grupos de direitos humanos e de oposição dizem que o governo Maduro está mantendo centenas de presos políticos sob acusações falsas com a intenção de reprimir as correntes divergentes no país de 32 milhões de pessoas. O sistema judiciário também é acusado de assumir um viés governamental. 

    O governo nega que os detidos são prisioneiros políticos dizendo que eles foram justamente presos por cometerem crimes violentos durante os protestos. 

    Enquanto outros detidos reclamaram do tratamento recebido, os comentários de Caro à Reuters foram os relatos mais detalhados sobre as condições de detenção desde que o governo começou a libertar dezenas de prisioneiros no dia 1º de junho. 

    Caro disse que manteve sua greve de fome em outra prisão no Estado central de Carabobo ao costurar seus lábios depois de nove meses atrás das grades. A experiência o deixou com problemas nos rins, afirmou. 

    Caro pesava menos de 58 quilos ao sair da prisão, segundo seu advogado Ramon Carmona. Um oficial na prisão de Carabobo disse que não estava autorizado a falar e pediu que os comentários fossem requisitados ao Ministério das Prisões. 

    Um porta-voz para o Ministério das Prisões da Venezuela, Franklin Suárez, negou que Caro e outros presos tivessem sido mal-tratados na prisão, descrevendo o relato de Caro como completamente falso . 

    Suárez confirmou que Caro fez uma greve de fome mas disse que ele parou depois de quatro dias por ter visto que era absurda . Ele negou que Caro tenha costurado os lábios e disse que não há agulhas na prisão. 

    As prisões superlotadas e sem lei da Venezuela são conhecidas pelo fácil acesso a contrabando de drogas, armas, computadores e telefones celulares, dizem grupos de direitos humanos. Centenas morrem todos os anos em rebeliões e brigas de gangues.

    LER NOTICIA

    Fique por dentro

    de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

    1. Home
    2. noticias
    3. tags
    4. prisao

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.