Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1

NOTÍCIAS SOBRE vida

Veja essas e outras notícias da Antena 1

Placeholder - loading - Imagem da notícia Sobrecarregar o cérebro compromete a longevidade

Sobrecarregar o cérebro compromete a longevidade

Existem muitos fatores que influenciam por quanto tempo alguém vive. Alguns, como seus genes, estão fora de controle. Outros, como seu estilo de vida e ambiente, são um pouco mais fáceis de alterar.

Segundo a revista norte-americana LINK, um novo artigo publicado na LINK encontra outro fator que se situa entre esses extremos. O estudo sugere que a atividade neural excessiva no cérebro está ligada a uma vida útil mais curta e que suprimir essa atividade extra pode prolongá-la. A descoberta é preliminar e exigirá muito mais pesquisa antes de resultar em recomendações concretas de saúde. Mesmo assim, ela abre a possibilidade de usar drogas ou intervenções comportamentais, como meditação, para alterar a atividade do cérebro e possivelmente retardar os efeitos do envelhecimento.A ligação entre a atividade do sistema nervoso e a longevidade não foi totalmente inesperada. O mecanismo que controla a excitação cerebral está intimamente relacionado àquele que controla o metabolismo, que tem sido associado à vida útil, diz o coautor do estudo, Bruce Yanker, professor de genética e neurologia em Harvard.Mas o fato de que menos atividade cerebral estava associada à longevidade a princípio parecia "contra-intuitivo" para Yanker, que assumiu que um cérebro ativo estaria ligado a uma melhor saúde e vitalidade. Depois que ele e seus colegas examinaram o tecido cerebral de centenas de indivíduos humanos falecidos, agrupados por idade da morte, eles descobriram que o tecido daqueles que viveram vidas mais longas, morrendo aos 90 ou 100 anos, sugeriram que haviam experimentado menos atividade neural do que aqueles que morreram com 70 ou 80 anos."Uma possível explicação é que isso poderia ter sido uma correlação: à medida que as pessoas envelhecem, seus cérebros desaceleram", diz Yanker. Aqueles que morreram mais jovens, eles pensaram, podem simplesmente ter morrido de causas não relacionadas à atividade neural. Mas, sem poder testar essa teoria em humanos, eles se voltaram para os vermes, que costumam ser usados ??em pesquisas de envelhecimento devido ao seu tempo de vida curto e fácil de estudar.O que eles encontraram foi além da coincidência. Usando imagens do cérebro, eles viram que a atividade neural dos vermes aumentava com a idade - e quando os pesquisadores deram aos seres um medicamento que acalmava parte dessa atividade, eles viveram mais tempo. Quando os pesquisadores estimularam os neurônios dos vermes, eles morreram mais rápido. Os testes em ratos mostraram efeitos semelhantes.Em seguida, os pesquisadores tentaram encontrar a proteína que controlava toda essa atividade neural. Usando algoritmos de computador, eles restringiram a pesquisa a uma proteína chamada REST, que pesquisas do laboratório de Lanker sugeriram anteriormente que poderiam proteger o cérebro contra a demência."Quando nós superexpressamos ou aumentamos essa proteína no verme, o verme agora, curiosamente, reduziu a quantidade de excitação do sistema nervoso e viveu mais", explica Lanker. "Quando fizemos o oposto, quando recusamos, conseguimos mais excitação e o verme teve uma vida útil mais curta".Segundo Lanker, essa descoberta sugere que o REST poderia ser um alvo eficaz para medicamentos destinados a combater doenças neurodegenerativas como a do Alzheimer.
Outras pesquisas

Pesquisas anteriores mostraram que, à medida que a doença de Alzheimer progride, os pacientes apresentam atividade neural excessiva no hipocampo, a parte do cérebro onde a doença geralmente se origina. Outro estudo de Johns Hopkins mostrou evidências precoces de que um medicamento anticonvulsivo que suprime a excitação neural melhora a memória em pacientes com comprometimento cognitivo leve. Encontrar o equilíbrio certo entre suprimir a atividade neural excessiva e preservar a função necessária seria complicado, admite Yanker, mas provavelmente não é impossível.SoluçõesAlém dos caminhos promissores para a pesquisa de drogas, Yanker diz que o trabalho sugere hábitos e comportamentos que afetam a atividade neural do cérebro - como ioga e meditação - que podem potencialmente prolongar a vida útil. Essa é uma ideia comum nas tradições de cura orientais, mas que apenas recentemente se infiltrou no estabelecimento médico ocidental, diz ele.É muito cedo para prescrever uma sessão diária de meditação ou aula de ioga com base nessas descobertas, mas Yanker diz que o artigo é um passo promissor para entender como "os pensamentos, a personalidade e o comportamento de uma pessoa afetam sua saúde e longevidade".

4 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Café prolonga a vida

Café prolonga a vida

Um estudo publicado na JAMA Internal Medicine traz uma boa notícia para os amantes de café: a bebida está associada a um risco menor de morte prematura. E pouco importa a quantidade ingerida ou se é descafeinada ou não."Observamos uma associação inversa para o consumo de café com a mortalidade, incluindo entre os participantes que relataram beber pelo menos uma xícara por dia, até oito ou mais xícaras por dia, bem como beber café filtrado, instantâneo e descafeinado", disse Dr. Erikka Loftfield, pesquisador do Instituto Nacional do Câncer, em entrevista à revista norte-americana TIME.Os pesquisadores usaram dados de um estudo através do qual um grande grupo de adultos do Reino Unido completou questionários de saúde, foram submetidos a exames físicos e forneceram amostras biológicas.Para o estudo atual, os pesquisadores analisaram informações fornecidas por cerca de 500 mil pessoas, que responderam a perguntas sobre seu consumo de café, hábitos de fumar e beber, histórico de saúde e muito mais. Durante o período de 10 anos de acompanhamento do estudo, cerca de 14.200 dessas pessoas morreram.Os pesquisadores descobriram benefícios de longevidade associados a quase todos os níveis e tipos de consumo de café. A redução de risco variou ligeiramente dependendo de quanto café alguém consumiu, seu conteúdo de cafeína e se foi instantâneo ou moído. Mas no geral, em relação aos que não bebem, aqueles que tomavam uma xícara de café por dia tinham um risco 8 por cento menor de morte prematura - uma taxa que subiu ligeiramente com o aumento do consumo, chegando a 16 por cento para os que bebem seis a sete xícaras diárias. No entanto, a taxa diminuía para 14 por cento para aqueles que tomavam oito ou mais xícaras por dia.Essa descoberta, combinada com o aparente efeito de aumento de longevidade do café descafeinado, sugere que a cafeína não é o mecanismo de prolongamento da vida. Mas como o estudo atual foi observacional, o que significa que ele olhou apenas para padrões em um conjunto de dados existente, é impossível dizer o que exatamente na bebida traz o benefício. Por isso, mais estudos serão necessários. Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

5 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Mudanças nos hábitos alimentares prolonga a vida

Mudanças nos hábitos alimentares prolonga a vida

Um estudo recente publicado na revista científica New England Journal of Medicine provou que pequenas mudanças nos hábitos alimentares são suficientes para aumentar significativamente a expectativa de vida.Segundo a pesquisa, melhorar a dieta aos poucos reduz as taxas de mortalidade por doenças cardiovasculares e outras causas em até 17 por cento.Cientistas da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, analisaram as mudanças na dieta de 74 mil voluntários durante 12 anos. Aquelas que passaram consumir mais grãos integrais, frutas, vegetais e peixes gordurosos – que têm maior nível de omega-3 –, reduziram de 8 por cento a 17 por cento o risco de morte prematura nesse período.Por outro lado, os participantes que foram piorando a alimentação ao longo do tempo tiveram um aumento de 6 por cento a 12 por cento no risco de morrer.De acordo com Nancy Farrell, nutricionista e porta-voz da Academia de Nutrição e Dietética dos Estados Unidos, as descobertas do estudo reforçam as recomendações que ela já dá aos pacientes diariamente. “Você pode aproveitar as segundas-feiras para fazer um jantar sem carne e incorporar mais alimentos integrais ou uma noite de pizza vegetariana“, sugeriu.Já ao fazer lanches a tarde, a nutricionista recomenda evitar alimentos ricos em calorias como batatas fritas e optar por amendoins, nozes e frutas secas. Se você procura por doces, pode trocar um sorvete por frutas geladas.Os especialistas, no entanto, dizem que o mais importante é a manutenção das mudanças ao longo do tempo. “Nossos resultados destacam os benefícios a longo prazo para a saúde de melhorar a qualidade da dieta, com ênfase nos padrões alimentares gerais, em vez de em alimentos ou nutrientes individuais”, disse Frank Hu, presidente do Departamento de Nutrição de Harvard e principal autor do estudo.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

6 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia NASA descobre planeta capaz de abrigar vida

NASA descobre planeta capaz de abrigar vida

A Nasa anunciou nesta semana um novo planeta fora do Sistema Solar capaz de abrigar vida. Batizado de LHS1140b, o planeta é rochoso e está na distância correta de sua estrela para ter um clima ameno e água líquida. Ele foi descoberto por pesquisadores liderados por Jason Dittmann, do centro norte-americano Harvard-Smithsonian para Astrofísica.“É o exoplaneta mais emocionante que já vimos nos últimos 10 anos”, disse Dittmann à revista. “Dificilmente poderia ser encontrado um objetivo melhor para procurar vida além da Terra”, acrescentou o pesquisador.Também para Raffaele Gratton, do Observatório de Pádua do Instituo Nacional de Astrofísica, esse é um planeta bastante interessante. O próximo objetivo, disse Gratton, será observar a sua atmosfera para “ver, por exemplo, se ele é dominado por vapor de água, como ocorre na Terra, ou por dióxido de carbono, como na atmosfera de Marte ou de Vênus”.Estima-se que o novo planeta tenha um diâmetro 1,4 maior do que a Terra, mas a sua massa pode ser até sete vezes maior, o que o tornaria muito denso. Isso implica que esse novo mundo poderia ser facilmente feito de rocha, com um núcleo de ferro bastante pesado.Segundo os astrônomos, o planeta LHS1140b é um objetivo ainda mais importante para a busca da vida em relação a outros mundos rochosos. Entre os planetas potencialmente habitáveis, “esse é o mais fácil de estudar com os atuais instrumentos”, acrescentou Gratton.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

6 A

Fique por dentro

de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

  1. Home
  2. noticias
  3. tags
  4. vida

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.