alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Especialista fala sobre os cuidados com crianças em aviões

    Muitas vezes, acontecem incidentes que seriam fáceis de prevenir.

    Placeholder - loading - news single img
    Menina na janela do avião (Foto: Pixabay)

    2739

    Publicada em  

    Uma revisão de 2018 descobriu que uma emergência a bordo ocorre aproximadamente uma vez a cada 604 voos, sendo os mais comuns desmaios em adultos, problemas gastrointestinais, respiratórios ou cardíacos.

    Por isso que o médico pediatra Alexandre T. Rotta começou a colaborar com o médico Paolo M. Alves, diretor médico global de saúde aeronáutica da MedAire, empresa que recebe ligações de aviões com pessoas em emergência médica. Eles deram uma entrevista para o jornal The New York Times.

    De dentro de um hospital em Phoenix, disse Alves, os médicos de emergência conversam com quem estiver no ar com o paciente.

    Mais recentemente, em um estudo publicado em julho nos Annals of Emergency Medicine, o Dr. Rotta e o Dr. Alves e seus e outros pesquisadores revisaram os registros de 11.719 eventos médicos em voo envolvendo jovens menores de 19 anos que tiveram suporte terrestre na hora da emergência. Desses, 76,1% ocorreram em voos de longo curso e 82,9% foram atendidos no voo - ou seja, a criança ou o jovem não precisou de atenção médica adicional após o pouso.

    A maioria dos problemas estava relacionada a náusea e vômito, febre e reações alérgicas. Entre outras coisas, os consultores em terra podem aconselhar se é necessário tomar uma decisão sobre o desvio do voo; dos casos nesse estudo, apenas 0,5% exigiram uma aterrissagem especial. Em uma colaboração anterior, o mesmo grupo de pesquisa revisou 81.000 emergências médicas entre janeiro de 2010 e junho de 2013 e constatou que pouco menos de 10% delas envolviam crianças e houve 10 fatalidades pediátricas.

    Em 2014, eles publicaram uma revisão das mortes em voo. Quatro das 10 crianças que morreram tinham problemas médicos pré-existentes e, em alguns casos, estavam viajando para avaliação ou tratamento médico.

    Para crianças com problemas pulmonares ou cardíacos, disse Rotta, a atmosfera em um avião pode ser estressante, seca e com uma concentração de oxigênio menor que o normal. Também havia quatro bebês de colo - crianças menores de 2 anos viajando sem assento próprio - sem problemas médicos conhecidos que morreram em voo, e Rotta alertou que as pessoas em aviões frequentemente ignoram as precauções de segurança do sono que praticam em casa. "Em voos de longo curso, um passageiro pode, sem querer, asfixiar um bebê.

    Também foi sugerido que a menor concentração de oxigênio pode predispor algumas crianças à respiração desordenada e colocá-las em risco de síndrome da morte súbita do lactente (SMSL), disse ele.

    Em um estudo separado, publicado em 2016, eles identificaram 400 casos de crianças que sofreram ferimentos em voo, disse Rotta. "Eram crianças que embarcavam em um avião saudável". Alguns se machucaram em turbulência, e outros sofreram queimaduras por líquidos quentes derramados, sendo o serviço de refeições um período que requer maior atenção. "Em casa, você nunca passaria uma xícara quente de sopa ou uma refeição quente sobre seu bebê", disse Rotta. Muitos também foram feridos por objetos que caíam do bagageiro ou por carrinhos de serviço que passavam no corredor. Faz sentido que o risco de lesões seja maior se as crianças estiverem sentadas no corredor, disse o Dr. Alves. "As crianças devem voar no assento do meio ou no assento da janela."

     

    1. Home
    2. noticias
    3. especialista fala sobre os …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.