Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
Ícone seta para a esquerda Veja todas as Notícias.

Macron ou Le Pen: o que eleição pode significar para França, UE e Ocidente

Placeholder - loading - Pôsteres de campanha eleitoral francesa em rua de Longnes, na França 21/04/2022 REUTERS/Benoit Tessier
Pôsteres de campanha eleitoral francesa em rua de Longnes, na França 21/04/2022 REUTERS/Benoit Tessier

Publicada em  

Atualizada em  

Por Michel Rose

PARIS (Reuters) - Os franceses decidirão no domingo se reelegerão o atual presidente pró-negócios Emmanuel Macron ou se quebrarão uma sequência de décadas de consenso em favor da candidata de extrema-direita Marine Le Pen.

Aqui está o que esperar deles em questões importantes:

ECONOMIA

LE PEN: A herdeira de extrema-direita transformou a antiga Frente Nacional, mudando o partido antes a favor do livre mercado e da redução do Estado de seu pai numa sigla protecionista e pró-gastos.

Ela quer implementar uma política de 'compre francês' para gastos públicos, reduzir a idade mínima de aposentadoria para 60 anos para quem começou a trabalhar antes dos 20, eliminar o imposto de renda para menores de 30 anos e reduzir o imposto sobre valor agregado (IVA) de energia de 20% para 5,5%.

Ela também gastaria 2 bilhões de euros ao longo de 5 anos ao aumentar os salários dos funcionários hospitalares e recrutando mais 10 mil deles. Os salários dos professores aumentariam 15% em 5 anos.

Gilles Ivaldi, cientista político da Sciences-Po, diz que o programa econômico do partido de Le Pen está mais à esquerda do que há décadas.

'O livre comércio mata o planeta', disse ela durante um debate na TV com Macron.

MACRON: O líder francês planeja dobrar as reformas do lado da oferta que implementou durante seu primeiro mandato, com o principal objetivo de seu manifesto sendo o aumento da idade mínima de aposentadoria de 62 para 65 anos.

'Não quero aumentar nossos impostos, não quero aumentar nossa dívida, quero até começar a pagá-la nos próximos cinco anos', disse Macron durante o debate. 'Então eu quero que trabalhemos mais.'

Macron também promete condicionar alguns benefícios sociais a 15 a 20 horas de treinamento, semelhante às políticas de países como Estados Unidos ou Reino Unido. Os benefícios de auxílio-desemprego estariam ligados à força da economia.

Em tentativa de permanecer fiel a seu lema 'nem esquerda, nem direita', ele também prometeu tornar os benefícios automáticos para aqueles que se qualificam, em vez de exigir que os possíveis beneficiários se inscrevam.

EUROPA

LE PEN: Ela insiste que não tem 'agenda secreta' para a França --membro fundador da UE-- deixar o bloco de 27 nações, sua moeda única ou a zona Schengen, que não exige a apresentação de passaportes nas fronteiras.

Opositores acreditam que suas políticas, na melhor das hipóteses, criariam novas tensões dentro do bloco --cuja unidade foi testada nos últimos anos por uma crise migratória, a saída do Reino Unido e a pandemia de Covid-19-- e, na pior das hipóteses, levariam a um 'Frexit'.

Le Pen disse que cortaria as contribuições francesas para o Orçamento da UE, renegociaria o acordo de Schengen e reintroduziria verificações de mercadorias que entram no país de outros países da UE.

Ela buscaria restabelecer a primazia da lei francesa sobre a lei da UE --a base fundamental da integração europeia-- e quer que o bloco se torne uma associação mais frouxa de países soberanos cooperantes.

'Isso equivale a um esvaziamento completo do que a UE vem tentando alcançar todos esses anos', disse um diplomata sênior. 'Mas não é apresentado dessa maneira.'

MACRON: O ardente eurófilo continuaria seu esforço para desenvolver o que ele chama de 'autonomia estratégica' da Europa em defesa, tecnologia, agricultura e energia e reduzir a dependência do bloco de outras potências.

Macron também deve pressionar por mais regulamentação das gigantes de tecnologia dos Estados Unidos e disse que queria criar um 'metaverso europeu' para competir com o Facebook.

A relação entre Paris e Berlim continuaria a ser fundamental para moldar o futuro da Europa. 'Acredito no casal franco-alemão', disse Macron.

ALIANÇA OCIDENTAL

LE PEN: A candidata quer tirar a França do comando integrado da aliança militar transatlântica da Otan, num desafio à arquitetura de segurança pós-Guerra Fria do Ocidente.

Opositores a acusam de estar muito perto de Moscou. Seu partido recebeu um empréstimo bancário de um banco russo em 2014 e ela foi recebida pelo presidente russo Vladimir Putin no Kremlin pouco antes da eleição presidencial de 2017.

Macron acusou Le Pen de estar na folha de pagamento de Putin, dizendo a ela: 'Você fala sobre seu banqueiro quando fala sobre a Rússia.'

Ela condenou a invasão da Ucrânia pela Rússia, mas diz que Moscou pode ser uma aliada novamente no pós-guerra. Ela disse que seguiria uma política externa à mesma distância de Washington e de Moscou.

MACRON: Embora Macron tenha irritado toda a aliança transatlântica, principalmente na Europa Oriental e na Alemanha, quando disse, em 2019, que a Otan tinha 'morte cerebral', ele disse que a invasão russa da Ucrânia 'a trouxe de volta à vida'.

Ele, no entanto, procuraria tornar os europeus menos dependentes das forças armadas dos EUA para segurança.

Ele tem sido cauteloso sobre se buscaria cooperar com a nova aliança de segurança EUA-Reino Unido-Austrália contra a China ou tentar persuadir a UE a seguir sua própria política independente em relação a Pequim.

Escrito por Reuters

Últimas Notícias

Placeholder - loading - Imagem da notícia “ABBA Gold”: 30º aniversário do álbum é celebrado com edição especial

“ABBA Gold”: 30º aniversário do álbum é celebrado com edição especial

Após de três décadas do lançamento do projeto de grandes sucessos do ABBA, o quarteto anuncia a nova versão que celebra o aniversário do disco. A coleção dos grandes hits, “ABBA Gold” está prevista para ser divulgada no dia 23 de setembro e conta com canções como 'Dancing Queen', 'Take A Chance On Me', 'Mamma Mia', 'Super Trouper', 'Fernando', 'Waterloo' e 'The Winner Takes It All'.

O disco da banda sueca é uma das produções mais bem sucedidas na indústria da música, tendo vendido mais de 32 milhões de unidades ao redor do mundo. Outro marco impressionante, é o álbum ter sido o segundo mais vendido de todos os tempos no Reino Unido passando mais de 1.055 semanas no Official UK Albums Chart. Com isso, tornou-se o álbum mais antigo no Official Albums Chart Top 100 de todos os tempos.

Originalmente, o trabalho de 19 faixas foi lançado em 21 de setembro de 1992, e já foi reeditado diversas outras vezes. Um exemplo disso foi a remasterização do disco em 2010, que também foi reembalado para coincidir com o lançamento do filme musical inspirado no ABBA, “Mamma Mia!”

Para marcar a primeira divulgação desse álbum tão emblemático, sua edição comemorativa virá em múltiplos formatos, que serão: 2 novos LPs Picture Disc de vinil pesado, alojado em capa dobrável cortada; novo cassete dourado – também disponível em preto; e ouro 2LP – vinil dourado 2 x 180g. A nova edição limitada do ABBA também já está disponível para pré-encomenda aqui.



O grupo, composto por Björn Ulvaeus, Benny Andersson, Agnetha Fältskog e Anni-Frid Lyngstad, lançou sua última obra em novembro do ano passado. Intitulado “Voyage”, o nono disco de estúdio rendeu muita visibilidade à banda – já que estreou na segunda posição da Billboard 200. Além disso, o primeiro single do álbum, "I Still Have Faith in You", rendeu ao grupo sua primeira indicação ao Grammy.

12 H
  1. Home
  2. noticias
  3. macron ou le pen o que …

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.