Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
Ícone seta para a esquerda Veja todas as Notícias.

PESQUISA-Norte-americanos estão mais críticos a ações de Trump contra Irã, maioria espera uma guerra

Placeholder - loading - 03/01/2020 REUTERS/Eva Marie Uzcategui
03/01/2020 REUTERS/Eva Marie Uzcategui

Publicada em  

Por Chris Kahn

NOVA YORK (Reuters) - Os norte-americanos estão cada vez mais críticos em relação à forma como o presidente dos EUA, Donald Trump, está tratando a questão do Irã, depois de ter determinado a morte de um comandante militar iraniano, e a maioria dos adultos do país espera agora uma guerra em um futuro próximo entre as duas nações, segundo pesquisa Reuters/Ipsos divulgada na terça-feira.

A pesquisa de opinião feita nos Estados Unidos constatou que 53% dos adultos nos EUA desaprovam o tratamento de Trump com relação ao Irã, o que representa um aumento de cerca de 9 pontos percentuais em relação a uma pesquisa semelhante realizada em meados de dezembro. (https://tmsnrt.rs/2sYNzgi)

O número de adultos que 'desaprova veementemente' as ações de Trump no Irã --39%-- aumentou 10 pontos percentuais em relação à pesquisa de dezembro.

A resposta ficou dividida entre partidos, com desaprovação maior em relação ao mês passado entre democratas e independentes, embora não tenha mudado entre os republicanos.

Cerca de 9 em cada 10 democratas e 5 em cada 10 independentes desaprovam as ações de Trump no Irã. Entre os republicanos, 1 em cada 10 desaprova. Um em cada 10 democratas, 4 em cada 10 independentes e 8 em cada 10 republicanos aprovam o tratamento dado por Trump ao Irã.

A pesquisa foi realizada de 6 a 7 de janeiro, logo após Trump ordenar o ataque com drones no Iraque que atingiu o comandante iraniano Qassem Soleimani e aumentou as tensões na região. O Parlamento do Iraque pediu a retirada das tropas norte-americanas do país, e no Irã populares em luto se aglomeravam nas ruas, gritando 'Morte à América!'

Trump, que afirmou que Soleimani estava planejando atacar norte-americanos, argumentou que o ataque teve como objetivo evitar uma guerra com o Irã. O presidente ameaçou atacar sítios culturais iranianos se o Irã retaliar.

Segundo a pesquisa, a popularidade geral de Trump permaneceu estável após o ataque que resultou na morte de Soleimani, com 41% de aprovação de seu desempenho no cargo e 54% de desaprovação.

Os norte-americanos também pareciam estar muito mais preocupados agora com o risco de uma guerra com o Irã.

Uma pesquisa separada da Reuters/Ipsos, realizada de 3 a 6 de janeiro, constatou que 41% dos entrevistados consideram o Irã uma 'ameaça iminente' para os Estados Unidos, 17 pontos acima de uma pesquisa semelhante realizada em maio de 2019. ( https://tmsnrt.rs/35xJUDA)

A sondagem também mostrou que 71% dos norte-americanos acreditam que os EUA entrarão em guerra com o Irã nos próximos anos, 20 pontos acima da pesquisa de maio.

Uma minoria crescente de norte-americanos diz que agora é a favor de um 'ataque preventivo' a militares do Irã. A pesquisa constatou ainda que 27% disseram que os Estados Unidos deveriam atacar primeiro, um aumento de 15 pontos percentuais em relação a maio. Outros 41% disseram que os Estados Unidos não deveriam atacar primeiro e 33% disseram que não sabem.

A pesquisa Reuters/Ipsos foi realizada online, em inglês, nos EUA e compilou respostas de 1.108 adultos na pesquisa de 6 a 7 de janeiro e 1.005 adultos na pesquisa de 3 a 6 de janeiro. Os resultados têm um intervalo de credibilidade --uma medida de precisão-- de cerca de 4 pontos percentuais.

Escrito por Reuters

Últimas Notícias

Placeholder - loading - Imagem da notícia Adele conta a história de “Hello”

Adele conta a história de “Hello”

Adele, em entrevista à revista ELLE, contou as histórias de suas composições. A estrela dividiu suas inspirações e experiencias ao mergulhar na criatividade para criar as mais belas músicas.

“Eu acho que minhas letras provavelmente mudaram ao longo do tempo em questão de crescimento de vocabulário, considerando que comecei com 19 anos. Definitivamente eu li mais LINK desde aquela época, então acho que minha imaginação floresceu”, contou Adele.

“Eu lembro, quando tinha 19 anos, que eu usava muito a palavra ‘por que’. É tão preguiçoso. Uma vez eu estava em um estúdio com a Sia e ela medisse para não usar essa palavra assim, para não ser preguiçosa”.

Easy On Me

“Ela me fala sobre o quão perdida eu estava quando eu saí de meu casamento. Muitos amigos eu estavam comigo nesse período da sua vida disseram que eu tinha que pegar leve comigo e não me cobrar tanto de minhas decisões e coisas assim. Me diziam que eu tinha que me dar um tempo e era realmente isso”, contou a cantora sobre o processo para compor esse sucesso.

Hello

“A canção fala sobre um estranhamento comigo mesma. Eu falava da mudança que minha vida tinha sofrido com a fama e com a chegada de um filho. Quando um filho chega ele muda todas as suas perspectivas e essa música é sobre isso. É uma pergunta de quem sou eu, mas não me sinto mais assim”, explicou a cantora, que diz ser uma ótima canção

Chansing Paper

“Eu tinha terminado com meu namorado e correndo para arrumar uns papéis na cidade e ninguém estava atras de mim, falando de relacionamentos, então era só eu atrás dos papeis”, contou Adele

All I Ask

“Tão dramática, eu escrevi essa música com Bruno Mars e foi um dos melhores momentos da minha vida. Ela fala sobre como pessoas que se amam em um relacionamento podem acabar se odiando tanto. Ela também fala sobre o fechamento que precisa ter no final de uma relação”.

A cantora também falou de outras canções e você pode ver a entrevista inteira a baixo.

Veja também

GEORGE EZRA DIZ QUE PODE SE AFASTAR DOS HOLOFOTES DEPOIS DE SUA TURNÊ

“LINKEE”: JOGO GANHA NOVA VERSÃO DO CANTOR NICK JONAS

8 H
  1. Home
  2. noticias
  3. pesquisa norte americanos …

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.