alexametrics
Capa do Álbum: Antena 1
ANTENA 1A RÁDIO ONLINE MAIS OUVIDA DO BRASIL

    Petrobras volta atrás e mantém preço do diesel após pressão de Bolsonaro, diz fonte

    Placeholder - loading - news single img

    1557

    Publicada em  

    Atualizada em  

    BRASÍLIA/RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras voltou atrás e desistiu de elevar o preço do diesel nas refinarias a partir desta sexta-feira, diante de uma pressão do presidente Jair Bolsonaro sobre a política de reajustes da petroleira, disse uma fonte à Reuters.

    Na véspera, a Petrobras chegou a anunciar uma alta de 5,7 por cento no valor do combustível a partir desta sexta-feira, para 2,2662 reais por litro, o maior patamar desde outubro do ano passado.

    Entretanto, ainda na quinta-feira, anulou o aumento e decidiu manter a cotação em 2,1432 reais por litro.

    'O presidente (Bolsonaro) pediu para reduzir o aumento, de 5 para 1 por cento... É manter o aumento, mas não nesse percentual', afirmou uma fonte palaciana à Reuters, que pediu para não ser identificada dada a sensibilidade do assunto.

    A potencial pressão de Bolsonaro se dá em meio a uma recente insatisfação entre caminhoneiros, que no ano passado desencadearam uma greve histórica justamente por causa da alta do diesel.

    Conforme essa fonte do Palácio do Planalto, o próprio Bolsonaro ligou ao CEO da Petrobras, Roberto Castello Branco, após uma conversa com o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

    Segundo outra fonte, ligada à estatal, o movimento colocaria a companhia em uma zona de risco que remete aos tempos de interferência de governos anteriores, quando os preços de diesel e gasolina eram 'congelados' para ajudar a segurar a inflação.

    'O Bolsonaro está fazendo exatamente o populismo perigoso que a (ex-presidente) Dilma (Rousseff) fez, e isso é uma afronta às regras de governança e compliance da empresa', afirmou a segunda fonte. 'Se quer questionar a política, que se manifeste através do conselho de administração, mas quem decide preço é a diretoria executiva, e não o presidente da República.'

    Em comunicado ao mercado após voltar atrás no reajuste, a Petrobras afirmou que 'em consonância com sua estratégia para os reajustes dos preços do diesel... revisitou sua posição de hedge e avaliou, ao longo do dia, com o fechamento do mercado, que há margem para espaçar mais alguns dias o reajuste'.

    'A empresa reafirma a manutenção do alinhamento com o Preço Paridade Internacional (PPI)', concluiu.

    (Por Lisandra Paraguassu, em Brasília, e Rodrigo Viga Gaier, no Rio de Janeiro; reportagem adicional de Marta Nogueira, no Rio de Janeiro)

    Escrito por Thomson Reuters

    1. Home
    2. noticias
    3. petrobras volta atras e …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.