Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
    Veja todas as Notícias.

    Congresso aprova novas regras para emenda de relator ao Orçamento

    Placeholder - loading - 09/11/2021 REUTERS/Adriano Machado
    09/11/2021 REUTERS/Adriano Machado

    Publicada em  

    Atualizada em  

    Por Maria Carolina Marcello

    BRASÍLIA (Reuters) - O Congresso Nacional aprovou na segunda-feira projeto de resolução que busca conferir transparência às chamadas emendas de relator ao Orçamento e que estabelece um limite de recursos a serem utilizados por este instrumento, que para 2022 chegaria a 16,2 bilhões de reais.

    Editado na esteira do que ficou conhecido como 'orçamento secreto', o projeto de resolução tem a intenção de atender decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que após provocação de parlamentares e partidos políticos determinou maior transparência sobre a destinação das emendas de relator.

    De autoria do senador Marcelo Castro (MDB-PI), o substitutivo aprovado autoriza o relator-geral do Orçamento a apresentar as emendas.

    'Propõe-se que esse limite máximo corresponda à soma dos valores definidos pela Constituição Federal para as emendas individuais e para as emendas de bancada estadual impositivas', diz o relator, no parecer.

    O Projeto de Lei Orçamentária para 2022 prevê 10,5 bilhões de reais para emendas individuais e 5,7 bilhões de reais para emendas de bancada, o que equivale a um teto para emendas de relator de 16,2 bilhões de reais.

    A edição dessas emendas poderá atender a demandas de parlamentares, agentes públicos ou sociedade civil. Pelo texto, essas indicações deverão ser publicadas individualmente e disponibilizadas em relatório na Internet pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) e encaminhadas ao Poder Executivo.

    A destinação das emendas de relator veio à tona novamente em meio à votação da PEC dos Precatórios na Câmara dos Deputados. Integrantes da oposição e parlamentares contrários à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) apontaram a utilização das emendas de relator como moeda de troca por votos a favor da controversa matéria.

    Parlamentares e partidos políticos recorreram ao STF, que decidiu pela suspensão da execução dessas emendas, que são de difícil rastreio dos recursos, e determinou que sua liberação obedeça regras mais transparentes.

    As novas regras previstas no projeto de resolução em discussão nesta segunda-feira no Congresso, no entanto, só valerão a partir de sua aprovação, e não tratam dos recursos já liberados.

    No caso das emendas deste ano e do ano anterior, foi editado um ato normativo das duas Casas, mas ele foi alvo de críticas.

    'O ato conjunto do Congresso diz que não há como, pasmem, dizer o que foi que fez com que 17 bilhões de reais no ano passado fossem gastos como foram. Disseram que o relator não tem como saber, ele não se lembra como esse dinheiro foi gasto. Será que alguém acredita nisso? É óbvio que o Congresso tem todas as informações para dizer quem pediu, quanto pediu, para que pediu e o que é que foi dado ou não', disse o líder da oposição na Câmara, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ).

    Parlamentares questionaram ainda a legalidade da sessão realizada nesta segunda, apontando que a pauta do Congresso está trancada por vetos presidenciais e que não poderia haver a deliberação do projeto de resolução.

    Escrito por Reuters

    Últimas Notícias

    1. Home
    2. noticias
    3. deputados aprovam projeto do …

    Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.