Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1
Ícone seta para a esquerda Veja todas as Notícias.

ANÁLISE-Tática dos EUA com China em crise na Ucrânia aumenta tensões com Pequim

Placeholder - loading - Bandeiras da China e dos Estados Unidos em Xangai 30/07/2019 REUTERS/Aly Song
Bandeiras da China e dos Estados Unidos em Xangai 30/07/2019 REUTERS/Aly Song

Publicada em  

Por Trevor Hunnicutt e David Brunnstrom

WASHINGTON/PEQUIM (Reuters) - O governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, fez uma aposta cuidadosamente orquestrada nesta semana, emitindo uma série de ameaças públicas e privadas a Pequim de que enfrentará consequências se apoiar a invasão da Ucrânia pela Rússia.

A estratégia foi coroada por uma tensa reunião de sete horas em Roma na segunda-feira entre Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional de Biden, e o principal diplomata da China, Yang Jiechi.

Mas depois de disparar ruidosas ressalvas diplomáticas contra Pequim, autoridades do governo Biden ainda estão debatendo os próximos passos a serem tomados para garantir que a China não ajude a Rússia a evitar sanções ocidentais ou fornecer armas a Moscou à medida que as baixas aumentam na Ucrânia.

Um resultado imediato da reunião de Roma foi uma Pequim mais irritada, que foi combativa nas negociações, disseram pessoas familiarizadas com as interações. Uma pessoa baseada nos EUA informada sobre a reunião descreveu a resposta das autoridades chinesas como 'dura' e 'ofensiva'. Outra disse simplesmente que as negociações não correram bem.

Washington está agora analisando uma série de perguntas não respondidas, incluindo qual patamar a China precisaria cruzar em uma 'linha vermelha' em relação à Ucrânia para desencadear uma resposta dos EUA e qual seria exatamente essa resposta, dizem autoridades do governo.

O governo Biden está esperando para ver o que a China faz antes de decidir sobre um curso de ação. 'Estaremos observando de perto', disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, na segunda-feira. Uma autoridade graduada dos EUA afirmou que eles analisariam qual apoio militar, econômico ou outro está sendo fornecido à Rússia.

Os Estados Unidos disseram na segunda-feira a aliados da aliança militar ocidental Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e vários países asiáticos que a China havia sinalizado sua disposição de fornecer ajuda militar e econômica à Rússia para apoiar sua guerra na Ucrânia.

Sullivan alertou antes das negociações que a China enfrentaria consequências se ajudasse Moscou a evitar sanções abrangentes impostas por causa da Ucrânia.

A China, que anunciou uma parceria estratégica 'sem limites' com a Rússia em fevereiro, pode considerar difícil mudar de rumo e recuar depois que uma ameaça se tornou pública, disse Kevin Gallagher, que lidera o Projeto de Desenvolvimento Global da Universidade de Boston.

'Esta não foi uma boa jogada estratégica', declarou ele. 'Assim como os EUA, a China tem um eleitorado doméstico.'

He Weiwen, membro sênior do Instituto Chongyang de Estudos Financeiros da Universidade Renmin de Pequim, disse: 'Os EUA têm a intenção de reprimir a China, e o conflito Rússia-Ucrânia fornece uma razão para isso'. Ele descreveu as advertências dos EUA como 'chantagem'.

Fontes do governo Biden e diplomatas em Washington e na Europa dizem que os países ocidentais enviaram advertências privadas a Pequim sobre o apoio da China ao presidente russo, Vladimir Putin, semanas antes da reunião em Roma.

A Rússia negou ter pedido ajuda militar à China, e a China alertou nesta semana sobre 'informações falsas', em aparente referência a declarações dos EUA.

Escrito por Reuters

Últimas Notícias

Placeholder - loading - Imagem da notícia “ABBA Gold”: 30º aniversário do álbum é celebrado com edição especial

“ABBA Gold”: 30º aniversário do álbum é celebrado com edição especial

Após de três décadas do lançamento do projeto de grandes sucessos do ABBA, o quarteto anuncia a nova versão que celebra o aniversário do disco. A coleção dos grandes hits, “ABBA Gold” está prevista para ser divulgada no dia 23 de setembro e conta com canções como 'Dancing Queen', 'Take A Chance On Me', 'Mamma Mia', 'Super Trouper', 'Fernando', 'Waterloo' e 'The Winner Takes It All'.

O disco da banda sueca é uma das produções mais bem sucedidas na indústria da música, tendo vendido mais de 32 milhões de unidades ao redor do mundo. Outro marco impressionante, é o álbum ter sido o segundo mais vendido de todos os tempos no Reino Unido passando mais de 1.055 semanas no Official UK Albums Chart. Com isso, tornou-se o álbum mais antigo no Official Albums Chart Top 100 de todos os tempos.

Originalmente, o trabalho de 19 faixas foi lançado em 21 de setembro de 1992, e já foi reeditado diversas outras vezes. Um exemplo disso foi a remasterização do disco em 2010, que também foi reembalado para coincidir com o lançamento do filme musical inspirado no ABBA, “Mamma Mia!”

Para marcar a primeira divulgação desse álbum tão emblemático, sua edição comemorativa virá em múltiplos formatos, que serão: 2 novos LPs Picture Disc de vinil pesado, alojado em capa dobrável cortada; novo cassete dourado – também disponível em preto; e ouro 2LP – vinil dourado 2 x 180g. A nova edição limitada do ABBA também já está disponível para pré-encomenda aqui.



O grupo, composto por Björn Ulvaeus, Benny Andersson, Agnetha Fältskog e Anni-Frid Lyngstad, lançou sua última obra em novembro do ano passado. Intitulado “Voyage”, o nono disco de estúdio rendeu muita visibilidade à banda – já que estreou na segunda posição da Billboard 200. Além disso, o primeiro single do álbum, "I Still Have Faith in You", rendeu ao grupo sua primeira indicação ao Grammy.

13 H
  1. Home
  2. noticias
  3. analise tatica dos eua com …

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.