Capa do Álbum: Antena 1
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Antena 1

NOTÍCIAS SOBRE Sol

Veja essas e outras notícias da Antena 1

Placeholder - loading - Imagem da notícia Câncer de pele versus vitamina D

Câncer de pele versus vitamina D

A exposição da pele à luz solar é uma maneira conveniente de atender às nossas necessidades de vitamina D, que é crucial para a saúde dos ossos. Isso pode fazer você se perguntar: o uso de filtro solar interfere nos níveis de vitamina D e potencialmente causa deficiência de vitamina D?A resposta simplificada é sim. Mas antes de você abrir mão do seu FPS 30, os dermatologistas dizem que a relação entre filtro solar e vitamina D é muito mais sutil do que isso.De acordo com o médico Henry W. Lim, presidente emérito do departamento de dermatologia do Sistema de Saúde Henry Ford e ex-presidente da Academia Americana de Dermatologia, se o filtro solar for fornecido em uma camada espessa, "ele poderá bloquear efetivamente a luz solar e causar uma deficiência na síntese de vitamina D na pele". Uma camada grossa é definida como aproximadamente 30 ml, ou o tamanho de uma bola de golfe de produto, para todo o corpo, disse ele."No entanto, no mundo real a maioria das pessoas aplica menos que esse valor", acrescentou Lim. Em outras palavras, "o SPF 'em uso' é realmente menor que o SPF rotulado".Em um estudo australiano, níveis adequados de vitamina D foram mantidos ao longo do verão, independentemente de os indivíduos usarem filtro solar de amplo espectro ou creme de placebo. Os pesquisadores atribuíram os resultados em parte à "falta de cobertura total da pele em todos os momentos".Aqueles que aplicam protetor solar generosamente e religiosamente usam chapéus e roupas protegidas com FPS quando expostos à luz solar - algo que Lim recomenda para reduzir o risco de câncer de pele - terão maior probabilidade de insuficiência de vitamina D, explicou Lim.Deficiência de vitamina D versus risco de câncer de peleA vitamina D é sintetizada na pele quando é exposta aos comprimentos de onda UVB do sol. Portanto, se 15% a 20% da superfície corporal de uma pessoa for exposta à luz solar, sem proteção, por 15 a 20 minutos, duas a três vezes por semana, pode-se atingir níveis adequados de vitamina D. Mas mesmo com baixos níveis de luz solar, danos acumulados ao sol podem ocorrer a longo prazo, explicou Lim."Quando a pele fica bronzeada, há danos no DNA e, com a exposição repetida a baixas doses, o dano ao DNA pode se acumular e potencialmente aumentar o risco de câncer de pele e fotoenvelhecimento", disse Lim. O carcinoma espinocelular e basocelular é o câncer de pele mais comum em seres humanos e está correlacionado com o grau de exposição ao sol, enquanto o melanoma, a forma mais letal de câncer de pele, geralmente é resultado de uma exposição solar mais intensa e intermitente, explicou Lim."Os pacientes precisam usar proteção solar para minimizar o risco de câncer de pele, e sim, isso impede a capacidade do corpo de produzir vitamina D. Digo aos pacientes que se descobríssemos que o consumo de cigarros aumentou os níveis de vitamina D, não diríamos aos pacientes para fumar ", disse a Dra. Patricia Farris, dermatologista e pesquisadora da Academia Americana de Dermatologia. "Em outras palavras, você não pode recomendar expor os pacientes a um agente cancerígeno conhecido apenas para aumentar seus níveis de vitamina D."Como garantir a vitamina DPara reduzir o risco de câncer de pele e envelhecimento da pele, os dermatologistas recomendam a prática de fotoproteção. Isso significa usar chapéus de abas largas, óculos de sol e roupas de proteção solar.Um filtro solar de amplo espectro com FPS 30 ou superior, que proteja contra os raios UVA e UVB prejudiciais, deve ser aplicado generosamente em todas as áreas expostas do corpo quando alguém fica fora por um período prolongado, a fim de minimizar o risco de queimaduras solares e câncer de pele, explicou Lim.Embora os indivíduos com pele mais escura tenham menor risco de câncer de pele devido à luz solar, eles ainda devem seguir essas diretrizes, de acordo com Lim. A Academia Americana de Dermatologia está desenvolvendo diretrizes de fotoproteção para indivíduos de diferentes tipos de pele, de acordo com Lim.Quanto à ingestão de vitamina D suficiente, Lim recomenda tomar um multivitamínico diário. A otimização dos níveis do nutriente é importante para a saúde óssea e pode ajudar a minimizar o afinamento ósseo e o risco de fraturas.Além dos suplementos de vitamina D, a Academia Americana de Dermatologia recomenda obter vitamina D de uma dieta saudável que inclua alimentos naturalmente ricos em vitamina D, como salmão, atum, sardinha, óleo de fígado de bacalhau e gemas de ovos ou alimentos e bebidas fortificadas com vitamina D, como cereais, iogurte, leite e suco de laranja.As informações são da LINK.

4 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Eclipse será visto da Argentina e Chile

Eclipse será visto da Argentina e Chile

Mais de 200 mil pessoas de diversas partes do mundo se reunirão no dia 02 de julho no Vale do Elqui, no Chile. Elas devem observar o eclipse total do sol no local, que tem uma vista privilegiada do céu. Além disso, a região é um dos destinos mais procurados do país por sua boa gastronomia, cultura mística e atrativos para os aventureiros.O Vale do Elqui concentra hoje quase 60% da observação astronômica mundial, com os observatórios de La Silla e Cerro Tololo. O local também se destaca por meio de iniciativas municipais como o Mamalluca, primeiro centro de observação turística do Chile.A indústria local conta com uma diversidade de atividades: desde passeios de bicicleta pelas profundezas místicas dos vales desérticos até a prática de kitesurf e windsurf no reservatório de Puclaro, além de massagens em centros especializados.O Eclipse
Este será o único eclipse solar de 2019, quando a Lua passa em frente ao Sol por alguns minutos. O fenômeno será visível em sua totalidade no Chile e Argentina. Pelo Brasil, ele será observado de forma parcial, às 17h39 do horário de Brasília. Estados como Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Acre e Amazonas terão visão privilegiada do evento.Mas atenção: não se pode observar um eclipse solar diretamente a olho nu, a não ser que se trate de um eclipse solar total e mirando seus olhos apenas no auge do fenômeno, quando o Sol estiver completamente encoberto.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

5 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Este foi um dos verões com mais raios ultravioletas

Este foi um dos verões com mais raios ultravioletas

O Brasil está registrando alta incidência de raios ultravioletas neste verão. Segundo especialistas, em determinados horários, nem o protetor solar dá conta de evitar os perigos da exposição solar.Os raios mais agressivos do sol, os ultravioletas, são classificados por níveis. Quando passam de seis, são considerados altos. E eles já atingira níveis acima de onze, considerados extremos, em todo o país. Rio de Janeiro e Vitória já chegaram ao nível 13; São Paulo e Curitiba foram além: ao nível 14.Apesar de desempenhas um papel importante para a saúde, já que ele nos ajuda a sintetizar a vitamina D, fundamental para o fortalecimento dos ossos e do sistema autoimune, há também malefícios no excesso do bronze. A exposição solar desprotegida pode acarretar danos em curto, médio e longo prazo, que merecem nossa atenção. Um deles é o câncer de pele, que pode ser prevenido com alguns cuidados diários básicos."O excesso pode levar a uma alteração na parte imunológica local e queimaduras. Essa parte imunológica favorece, por exemplo, o aparecimento de herpes, manchas de pele e envelhecimento precoce. Para quem tem maior exposição solar durante a infância, com queimadura importante, surge o risco de desenvolvimento de câncer de pele melanoma, que é mais agressivo", explica a dermatologista Mayra Tosta, da clínica OrtoDerm.Entre 11h e 14h, a incidência de raios solares que chegam à superfície é maior. E a praia é o lugar que pode trazer mais riscos para nossa saúde, já que a areia reflete até 30% da radiação e os níveis extremos continuam até as 16h, 17h.Mas os riscos vão muito além do câncer de pele. Estes raios são capazes de alterar o funcionamento de células de defesa e diminuir a nossa imunidade.“As pessoas vão pegando outras doenças correlatas. Então, é onde se tem mais infecção de pele, crianças ficam com mais dor de ouvido, dores de garganta, resfriados mais frequentes e as pessoas acham que é por causa do ar condicionado, coco gelado da praia. Na verdade, houve uma baixa da imunidade. Não adianta colocar protetor solar, roupas, foto proteção, ficar embaixo da barraca no horário de meio-dia. Não existe nenhuma foto proteção segura e que vai funcionar. Então, a sociedade de dermatologia e de pediatria recomenda não ir neste verão nos horários inadequados”, explica a dermatologista Ana Mósca.Além do protetor solar, se expor ao sol apenas antes das 10h ou depois das 17h é outra dica de ouro. Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

5 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Eclipse total do Sol acontecerá nos EUA

Eclipse total do Sol acontecerá nos EUA

Um novo espetáculo celeste se aproxima: no próximo dia 21 um eclipse solar escurecerá os céus. Nos Estados Unidos, ele será total. Aqui no Brasil, ele será parcial, com apenas uma parte do Sol coberta pela Lua. Além disso, o evento só poderá ser percebido em estados brasileiros do Norte, Nordeste e algumas partes do Centro-Oeste e Sudeste.O eclipse não poderá ser visto em São Paulo e Rio de Janeiro e também na região Sul. As melhores capitais para observação serão Bela Vista, em Roraima, e Macapá, no Amapá, onde o evento terá duração de duas horas e a Lua irá encobrir aproximadamente 40 por cento do Sol.Em Bela Vista, o eclipse começará às 14h56 e, em Macapá, às 16h09, no horário de Brasília. Quanto mais ao sul do país, menor será a fração do astro encoberta pela Lua. Em Goiânia, por exemplo, o eclipse será bastante discreto, durando apenas 27 minutos e ficando apenas 1 por cento do Sol encoberto.Já nos Estados Unidos, o Sol totalmente encoberto pela Lua poderá ser observado entre 11h20 e 14h20, nos estados de Oregon, Wyioming, Idaho, Nebraska, Missouri, Kentucki, Tenessee, Georgia, Carolina do Sul, Kansas, Illinois e Carolina do Norte. Nos estados de Missouri, Kentucky, Tenessee e Illinois, o eclipse deve ter quase três horas de duração, embora o instante máximo de eclipse total dure apenas dois minutos. No resto do território americano, será possível assistir a um eclipse parcial, mas com maior duração do que no Brasil.Se quiser observar o espetáculo, é importante lembrar que nunca se deve olhar para o Sol sem proteção. “Nunca se deve olhar para o Sol sem proteção”, adverte Gustavo Rojas, astrônomo da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). “A intensa radiação solar pode danificar a visão em instantes. Por isso, é preciso utilizar proteção adequada, como filtros astronômicos ou vidros como os usados em máscaras de solda.” Ele também alerta que não se deve utilizar óculos, binóculos ou telescópios, instrumentos que concentram os raios solares e podem causar graves danos à visão.Para quem for observar o fenômeno no Brasil, o equipamento mais adequado é um filtro astronômico, que é difícil de conseguir por aqui. Por isso, o astrônomo sugere utilizar um vidro de máscara de solda com tonalidade 14, que é facilmente encontrado em lojas de material de construção.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

7 A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Somos mais consumistas em dias ensolarados

Somos mais consumistas em dias ensolarados

Mudanças no tempo afetam tanto seu humor quanto seu comportamento a ponto de mudar também seu hábito de consumo. Foi o que concluiu um grupo de pesquisadores de Beijing, na China.Para tirar a prova, eles reuniram 6 milhões de usuários de smartphones de 344 cidades ao redor da China. Para cada cidade, registraram as condições climáticas hora a hora. Através de SMS e propagandas nos aplicativos, os pesquisadores ofereceram aos usuários promoções para dois tipos de produto – ebooks e streaming de vídeo, tipo Kindle e Netflix.Em dias ensolarados, as promoções tinham 20 por cento mais compradores interessados do que em dias nublados. As pessoas também se demonstravam mais impulsivas na hora da compra: os clicks no anúncio viram 73 por cento mais rápido quando o Sol estava brilhando lá fora.Já a chuva diminuía o interesse na compra: o número de interessados nos dois produtos caía 10 por cento em relação ao dia nublado e, quando aparecia um comprador, ele levava mais tempo para clicar no anúncio.A pesquisa abriu espaço para uma conclusão interessante: o tempo lá fora pode te deixar mais feliz – e consumista – simplesmente por te surpreender. Se o dia acabar sendo mais agradável do que estava previsto, surge um aumento considerável no interesse pelos produtos anunciados.Novos estudos precisam ser feitos em outros lugares do mundo para entender se a cultura não influenciou nos resultados, nem se foi mera coincidência. Mas os resultados têm sua lógica: quando tudo parece bonito e colorido, fica mais difícil resistir à ideia de se dar um agrado.Para ler mais notícias, curta a página Antena 1 News no Facebook!

7 A

Fique por dentro

de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Antena 1, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

  1. Home
  2. noticias
  3. tags
  4. sol

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.